Você teria coragem de entrar em um elevador que não é sustentado por cabos? E mais: que se baseia em um sistema que permite mais de uma cabine por poço e até mesmo locomoção horizontal? É uma ideia pra lá de futurista, mas já não tanto: a alemã ThyssenKrupp, tradicional fabricante de elevadores, acaba de apresentar uma tecnologia que vislumbra justamente estas possibilidades.

ThyssenKrupp - elevador maglev

De nome Multi, a invenção faz com que os elevadores utilizem levitação magnética (maglev) para se locomover, assim como determinados trens-bala do Japão. Em outras palavras, um poderoso sistema de imãs responde pela movimentação das cabines, dispensando os tradicionais mecanismos de impulsionamento por cabos.

A ThyssenKrupp explica que o Multi funciona como um sistema circular contínuo, algo como um carrossel, fazendo uma comparação grosseira. Como há uma via de subida e outra de descida, pode-se colocar vários elevadores no sistema – na tecnologia atual, o máximo são dois.

Se o elevador não desce pelo mesmo caminho que sobe, como ocorre a troca de via? É aí que entra a locomoção lateral: ao chegar no final do percurso, a cabine é simplesmente deslocada horizontalmente. Este modo também permite que o elevador possa atender a mais de um ponto no mesmo andar.

Com um número maior de cabines e movimentação circular, o tempo de espera e as filas nos andares diminuem. A locomoção também é mais rápida: além de o elevador ter mais velocidade (sem causar desconforto), o usuário não precisa trocar de cabine quando estiver em um prédio bastante alto. O ideal é que a construção tenha até 600 metros, mas a ThyssenKrupp afirma que é possível adaptar o sistema para trabalhar com alturas maiores.

Para garantir que tudo funcione dentro do esperado, o Multi conta com vários mecanismos de segurança. Equipamentos de frenagem atuam em caso de emergência e há um sistema que para os elevadores quando um fica muito próximo do outro. O uso de materiais mais leves, além de permitir que as cabines funcionem com menos motores, torna a parada mais fácil.

Uma tecnologia como esta faz mais sentido em prédios gigantescos, razão pela qual não deveremos encontrar muitos destes elevadores por aí. A ThyssenKrupp sabe disso, é claro, e pensa no longo prazo: a falta de espaço em grandes centros urbanos motivará cada vez mais projetos de megaconstruções que se beneficiarão de sistemas como este.

Por enquanto, a tecnologia está no papel. Mas a ThyssenKrupp espera avaliá-la no final de 2016, quando a construção de uma nova torre de testes em Rottweil, na Alemanha, deverá estar concluída.

Com informações: Gizmodo

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Leonardo Amaral
Sim, mas independente disso, o único sistema em que a cabine seria totalmente autônoma é o mecânico. Eu duvido que isso passe sem um mecanismo interno de travas.
David
Eu já acho que terá um gerador elétrico como todo prédio moderno.
David
Inovação muito bem vinda! Eu entraria nesses elevadores sem problemas.
Leonardo Amaral
Eu confio mais no backup mecânico. Imagino que seria algo que o dispositivo mecânico ficaria travado pelas mesmas bobinas. Se elas perderem alimentação, o sistema mecânico desarma e freia o sistema.
joka
Naaaoooo.. eles desmaterializam e passam pelos outros por fios de fribra nanotitaniuns.... e se reitegram em segiida...
Vinícius Mazzola
Muito legal! Eu não sabia que já usavam 2 elevadores no mesmo sistema. Quero ver mais sobre o maglev nos elevadores.
Trovalds
Isso aí com certeza vai ter um backup de energia bem poderoso pra não haver interrupção. Aliás muito edifício tem gerador só pra manter elevador funcionando na hora de falta de energia elétrica.
Trovalds
Pela ideia do projeto ACREDITO que possa haver uma área de "estacionamento" das cabines pra esses casos. Provavelmente vai ter alguma forma de monitoramento e controle que preveja o movimento de passageiros e se programe pra isso.
Felipe Ferreira
Imagino que esse sistema será igual ao metrô, um logo atrás do outro. Mas também, quando um parar, todos param até o da frente movimentar certo?
disqus_urPXayysmj

Provavelmente existirá um "backup" mecânico que ativa caso a alimentação de energia sofra alguma intermitência - imagino que, pra funcionar, esse sistema de elevadores demande uma central de monitoramento bem avançada.

Pedro
Provavelmente existirá um "backup" mecânico que ativa caso a alimentação de energia sofra alguma intermitência - imagino que, pra funcionar, esse sistema de elevadores demande uma central de monitoramento bem avançada.
Ademar Abiko Jr.
Queria entender como fazem o sistema de frenagem quando acaba a luz.
PALUDO
Essa idéia é bacana. Pois como dá pra fazer dois túneis e o elevador mudar de túnel quando chega no final, dá pra fazer um sistema onde de um lado só sobe, do outro só desce, daí vários elevadores em cada túnel mudam de rota, então os vagos mudam de rota ou então "estacionam" em um espaço próprio, e quando um é requisitado o mais próximo vago ou com passagem pelo andar para pra pegar o passageiro. Vai ser complexo pra caraiiiii desenvolver o software, mass.....
Rodolpho Freire
Não causa um problema de custo, exemplo se uma pessoa precisa ir de um andar x para y fora do horário de pico de uma empresa (pouco movimento nos elevadores) todo o sistema com seus muitos elevadores, precisam entrar em movimento para atender essa pessoa.
Felipe
Pague as 25 cents