Início » Gadgets » Geladeira Samsung Evolution RT46: tecnologias escondidas

Geladeira Samsung Evolution RT46: tecnologias escondidas

Geladeira da linha básica da Samsung não tem preço básico, mas traz compressor inverter, tensão bivolt e design de respeito

Paulo HigaPor
Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Um sinal de que um produto ganhou novidades relevantes de uma geração para outra é quando ele deixa de ser uma sequência de caracteres aleatórios e recebe um nome mais, digamos, comercial. A RT46K6A4KS9, conhecida como Samsung Evolution RT46, é um exemplo. A geladeira faz parte da linha básica da marca e é a primeira no Brasil com a tecnologia PowerVolt, que promete ser mais resistente a picos de energia.

O novo refrigerador da Samsung tem 460 litros de capacidade, conta com um freezer na parte superior, é equipado com um compressor inverter para consumir menos energia e funciona tanto em 110 quanto em 220 volts. Mas será que vale a pena por R$ 3.999? Eu testei a Evolution RT46 nas últimas semanas e conto tudo a seguir neste primeiro review de geladeira.

Análise da geladeira Samsung Evolution RT46 PowerVolt em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo.

A Evolution RT46 foi fornecida pela Samsung por doação e não será devolvida à empresa. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica.

Design, espaço interno e funções

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A Evolution RT46 é a segunda geladeira mais básica da Samsung, ficando logo acima da Evolution RT38, que traz as mesmas tecnologias em uma capacidade menor de 385 litros. Ainda assim, estamos falando de uma faixa de preço bem mais alta que a das geladeiras duplex mais acessíveis do mercado brasileiro, que começam abaixo dos R$ 2.000. Por isso, um acabamento melhor não só é bem-vindo, como é esperado.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

E o design da geladeira me agradou bastante, com ângulos retos e nenhum penduricalho desnecessário. A versão na cor inox tem um acabamento elegante que não deixa as marcas de dedo tomarem conta do visual. O painel externo é simples e traz apenas dois botões: um para ajustar a temperatura do refrigerador e outro para ativar a função PowerCool, que gela alimentos e bebidas mais rapidamente no freezer.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Eu gostei da apresentação do painel, que permite selecionar temperaturas de 1ºC, 2ºC, 3ºC, 5ºC e 7ºC, em vez de mostrar apenas uma escala com números que não dizem nada. Isso torna o uso do produto mais intuitivo e dá uma ideia melhor do que esperar quando você guarda um alimento na geladeira.

Freezer

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O freezer da Evolution RT46 tem 112 litros de capacidade e atinge temperaturas de até -18ºC, na média das geladeiras com formato e preço semelhantes. Um controle deslizante no fundo permite escolher quanto de energia você quer reservar para o freezer e quanto para a geladeira. Para formar gelo no verão acima de 35ºC, o ideal é que o controle esteja no meio.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Um “fazedor de gelo” está incluso e desprende facilmente os cubinhos de gelo ao girar a manivela. Os cubos caem em uma grande bandeja que pode ser levada para a mesa. Apesar de ser útil, o Movable Ice Maker rouba um pouco de espaço no congelador por ficar totalmente solto; como o acessório tem um buraco no topo, é difícil guardar alimentos sobre ele. Se o design fosse integrado à prateleira, o aproveitamento no freezer seria melhor.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Refrigerador

A parte inferior tem 348 litros muito bem distribuídos. Os compartimentos na porta são espaçosos e passam uma sensação de segurança por serem bem fixos: dá para colocar uma jarra de vidro cheia de água no cantinho mais alto da porta sem medo que algo dê errado. Há três níveis de compartimentos, sendo que os dois superiores são divididos em duas metades e podem ficar desnivelados para atender às suas necessidades.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Já a divisão de prateleiras não foge muito do padrão, mas há alguns detalhes interessantes. A parte superior, que tende a ser a mais gelada de todas, é protegida com uma porta basculante e pode guardar carnes, peixes e frios para consumo mais imediato. Logo abaixo, existe a prateleira Easy Slide que, como o nome sugere, pode ser deslizada para colocar e retirar produtos mais facilmente na geladeira.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

As duas prateleiras abaixo da Easy Slide são simples e não fazem nenhum malabarismo, mas chamam a atenção por serem de vidro temperado. É bacana por ser um material mais resistente: cada prateleira suporta até 150 kg, um peso praticamente inatingível dado o espaço físico entre elas. Além disso, a transparência do vidro melhora a visibilidade interna, um fator que também recebe uma ajudinha da iluminação em LED.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Antes do tradicional gavetão de legumes, que a Samsung chama de Big Box e é realmente “big”, existe uma gaveta intermediária, com pouco menos da metade da altura. Para quem consome muitas frutas e legumes frescos, é um bom adicional, porque o espaço fechado tende a conservar melhor a umidade dos alimentos.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Os detalhes escondidos estão no fundo da geladeira, que comporta diversas saídas de ar para deixar a temperatura uniforme entre as prateleiras, algo que a Samsung chama de All-around Cooling. Além disso, existe um filtro desodorizador, baseado em carvão ativado, para evitar mau cheiro — eu não cheguei a fazer um teste extremo com uma jaca, mas não notei nenhum odor desagradável após guardar cebola picada num recipiente aberto. E, se você esquecer a porta aberta, a geladeira apita para você não ter surpresas na conta de luz.

Compressor inverter e consumo de energia

Assim como outras geladeiras da Samsung, a Evolution RT46 traz um compressor inverter, ou seja, que ajusta a velocidade em função das necessidades de temperatura em vez de ficar ligando e desligando periodicamente. Na prática, isso significa menos barulho e um consumo de energia menor quando comparado aos refrigeradores convencionais.

De fato, a Evolution RT46 tem boa eficiência energética, embora não seja a melhor possível. Os critérios do Programa Brasileiro de Etiquetagem para eletrodomésticos me parecem defasados, já que praticamente todas as geladeiras vendidas no mercado atingem a faixa A de consumo. Mas, olhando os números crus, o modelo de 460 litros da Samsung chega a ser quase 40% mais econômico que geladeiras de compressores tradicionais com capacidades similares.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Para analisar o consumo energético, escolhi cinco concorrentes da Evolution RT46, fabricados pela Brastemp, Consul, Electrolux, LG e Panasonic. Todos os modelos estão na faixa dos 450 litros, têm design com freezer no topo, acabamento na cor inox e preços em torno dos R$ 3,5 mil no varejo. Nenhuma delas é bivolt, então considerei as versões de 110 volts como referência.

Pelos critérios padronizados do Inmetro, a Evolution RT46 consome 41,6 kWh/mês. Entre as fabricantes asiáticas, que usam compressores inverter, a Samsung é a mais gulosa. A LG GT44BPP de 438 litros é a melhor, com consumo estimado em 34,6 kWh/mês, enquanto a Panasonic NR-BT55PV2X de 473 litros fica em 39 kWh/mês. A diferença é pequena, mas eu gostaria de ver um número menor na Samsung, até porque a geração anterior da marca, que não era bivolt, ficava em 38 kWh/mês.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Ainda assim, o consumo energético da geladeira da Samsung pode ser considerado baixo quando comparado aos nomes tradicionais do Brasil. A Electrolux TF56S de 474 litros consome 54 kWh/mês; a Consul CRM54BK de 441 litros fica em 56 kWh/mês; e a Brastemp BRM56AK de 462 litros é a mais ineficiente, com 65 kWh/mês (apesar de também ter selo A). A escolha pela Samsung pode representar uma economia de até 36% na conta de luz, o que é interessante para o bolso no longo prazo.

O tal do PowerVolt: bivolt mais resistente

Outro nome bonito que acompanha a Evolution RT46 é o PowerVolt. Segundo a Samsung, a geladeira é mais resistente a picos de energia e tem menor risco de queima. Uma das fotos promocionais mostra até um temporal com raios enquanto o refrigerador continua funcionando normalmente.

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Divulgação/Samsung)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Divulgação/Samsung)

É uma forma interessante de vender a geladeira, mas, tecnologicamente, a grande novidade do PowerVolt é o fato de tornar a Evolution RT46 uma geladeira bivolt, o que é extremamente raro. Esse é o tipo de produto que precisa ser criado para o Brasil, um dos poucos países no mundo onde a tensão muda de um estado para o outro. A vantagem imediata é que você não precisa se preocupar com a escolha de tensão nem na hora da compra, nem quando for mudar de casa.

Mas a Samsung também aproveitou a novidade para testar a Evolution RT46 em faixas de tensão mais amplas — e conseguiu fazer a mesma geladeira funcionar sem problemas no intervalo de 90 a 310 volts. Um modelo concorrente de 127 volts, por exemplo, desliga o compressor quando a tensão chega a 140 volts para evitar danos. Ou seja, a geladeira da Samsung pode funcionar com oscilações de energia bem relevantes.

Apesar de a durabilidade ser um bom argumento de venda, a geladeira talvez não sobreviva em situações mais extremas: se um raio atingir a rede elétrica e as instalações da sua residência não tiverem aterramento, ela ainda pode queimar, assim como todos os outros eletrônicos. Se isso realmente for uma preocupação, um dispositivo de proteção contra surtos pode ser mais eficiente.

Vale a pena?

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Geladeira Samsung Evolution RT46 com PowerVolt (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

A Evolution RT46 é uma boa opção de geladeira com freezer no topo para quem está disposto a gastar um pouco mais. Assim como máquinas de lavar, ares-condicionados e outros produtos de linha branca, um refrigerador tende a durar muito tempo, então o custo maior é diluído ao longo dos anos. Se a dúvida for entre uma geladeira convencional e uma inverter, não tem nem o que pensar: o consumo de energia menor compensa o gasto inicial.

Entre os modelos inverter, o que pesa a favor do modelo da Samsung é a tecnologia PowerVolt. A resistência maior a picos de energia é um bom chamariz, mas o fato de a Evolution RT46 ser bivolt traz uma paz de espírito se você quiser se mudar, por exemplo. Isso pode não estar nos seus planos no momento — mas eu também não pensava que passaríamos por uma pandemia tão intensa assim. Em 10 anos, tempo que a Samsung oferece de garantia para o compressor, muita coisa pode acontecer.

Por ser uma geladeira mais simples, a Evolution RT46 não tem muitos dos recursos que estão presentes nos modelos mais caros da Samsung, como o rack para vinhos da Barosa, o compressor duplo Twin Cooling Plus para manter a umidade maior na parte inferior ou os inúmeros modos de refrigeração da French Door. Mas as várias tecnologias escondidas aqui podem deixar sua vida na cozinha um pouquinho mais tranquila.

Especificações técnicas

  • Modelo: RT46K6A4KS9/FZ
  • Capacidade total: 460 litros
    • Freezer: 112 litros
    • Refrigerador: 348 litros
  • Formato: top freezer
  • Tecnologias: frost free, All-Around Cooling, PowerVolt, compressor Digital Inverter
  • Tensão: bivolt (127-220 V)
  • Consumo de energia: 41,6 kWh/mês (classificação A)
  • Cores: branco, inox e preto
  • Dimensões (LxAxP): 70×190,4×76,6 cm
  • Peso: 70,5 kg

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
12 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@LeandroCSC

Gostei mais por fora do que na parte interna.

Os compartimentos da porta na parte do refrigerador estão muito mal dispostos, curtos e vc vê muito plástico exposto,tirando um pouco o ar de premium…Não compraria. Mas o preço tá aceitável.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Não sei se confiaria em algum eletrodoméstico da Samsung, ainda mais geladeira que é algo que não se troca com frequência.

Júlio Tenório (@JulioTenorio)

Espero mais geladeiras no Tecnoblog, especialmente a Panasonic já que li muito elogios a ela.

@higa uma pergunta um pouco estranha, tem como ver de que material é feito os dutos de passagem do ar? Eu sei que na parte superior deve ter um isopor, mas o problema é como o ar vai para a parte inferior, já que impossível limpar essas passagens. Acho que se olhar na parte inferior dá para ver qual material é utilizado. TL:DR; Meu pai não acha higiênico dutos de isopor.

Explico, aqui em casa a geladeira ainda é com porta inteiriça e meu pai não quer duplex por ter visto os dutos de uma Brastemp (não sei se os modelos atuais e de outras marcas ainda são assim), por ser feito de isopor não é lá muito higiênico, e por mais que você limpe a geladeira pode ocorrer de cair algum sujeita neles e vai sendo absorvida ao longo do uso.

Meu pai trabalhou carregando leite e disse que não era nada legal quando um tanque tinha fissuras, pois o leite entrava em contato com o isopor e quando desmontava o tanque a situação não era nada legal.

Ok, geladeira é refrigerada e não vai chegar nesse nível, mas acredito que ele só compraria uma que os dutos não sejam de isopor.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Nem sabia que usavam isopor. Tem coisas que é melhor a gente não saber mesmo. .

Guilherme Borges (@Loumier)

E eu que achava que a tecnologia de compressor inverter era algo visto só em ar condicionado.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Um ar condicionado e uma geladeira são incrivelmente parecidos, especialmente quando se fala em geladeiras frost free, ele comprimem o gás pra gera uma diferença de temperatura entre os 2 lados do sistema e depois circulam o ar para esfriar o ambiente.

Fernando C (@Dogshow)

Comprei uma destas, mas ano antes 2018. O motor, inversor e funções são as mesmas, mudando apenas o painel de comandos frontal. Ela é muito boa, não deixa odor, é rápida, avisa qdo a porta ficou aberta. O que mais gostei foi a economia contra a geladeira que tinha anteriormente e das gavetas e bandejas. O melhor foi nunca ter dado problemas!
O inversor que a tecnologia Samsung diz nada mais é do que um circuito inversor de frequência que transforma a solenoide (60Hz no Brasil) em corrente continua e depois transforma novamente em onda quadrada adequada às expiras do enrolamento do motor. Isso evita desgaste, gasto desnecessário de energia entre outras vantagens técnicas. O inversor existe desde o final da década 90 e naquela época era do tamanho de um guarda-roupas. Agora cabe em uma placa do tamanho de um celular e pode ser utilizado em diversos equipamentos, como os leitores falaram: ar-condicionado, máquina-de-lavar roupas, máquina-de-lavar louças, secadoras de roupas etc.

@teh

Li no forum que se deixar em 1 grau ela congela os canos e para de gelar na parte de baixo. É bom se informar antes.

imhotep (@imhotep)

Eu não gosto dos reviews do @higa porque me faz ter vontade de gastar dinheiro…

Minha sogra tem uma Samsung, importada, há uns 15 anos ou mais, talvez. Numa época q ninguém pensava em ter geladeira com saída de água e gelo.

Quebrei a cara foi com uma Bosch, q deu problema em placa, arquei com o prejuízo, mas acho q ela funciona até hoje (está com meu inquilino).
Atualmente tenho uma Brastemp simples, q foi resultado da troca de outra, menor, q deu pau em pleno Natal e eu tive q levar a Brastemp na justiça - no final me emprestaram uma geladeira meia boca pra poder passar o final de ano, até chegar a nova. Estou satisfeito, mas já acho ela pequena. O problema de trocar por uma maior é não ter espaço - só fazendo uma reforma na cozinha, ou me mudando pra um apartamento maior.
E tenho uma adeguinha tb, pra não deixar vinho na geladeira, q nem o Higa…

André Gorgen (@Banana_Phone)

Eu não entendo de vinhos, mas minha irmã adora e tem uma adega também, ela disse que a temperatura ideal pra vinho tinto é 18ºC, bem diferente da geladeira.

imhotep (@imhotep)

É o que os especialistas chamam de temperatura ambiente. Mas seria temperatura ambiente em lugares frios como na Europa.

No Brasil não tem jeito. O ideal realmente está na faixa de 12 a 18 graus pra vinhos tintos. Uma geladeira doméstica está bem abaixo disso, de 6 a 1 grau positivo.

Isso influi no sabor do vinho.

Já vinhos brancos ou espumantes pedem temperaturas mais baixas, de 6 a 8 graus.