Arquivo Brasil

Apple não pode usar “iphone” para celulares, decide INPI

Órgão rejeita pedidos da fabricante de Cupertino

Thássius Veloso
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Não tem choro nem vela. O INPI (Instituto Nacional de Propriedade Industrial) negou à Apple o uso da marca “iphone” para celulares e similares. Como já sabemos desde o ano passado, o grupo detentor da Gradiente no país entrou com o pedido de registro da marca em 2000, sete anos antes de Steve Jobs fazer o lendário keynote de apresentação do smartphone da maçã. A decisão estará na próxima edição da publicação oficial do INPI.

Dessa forma, o órgão brasileiro dá fim à polêmica envolvendo o Gradiente iphone, celular rodando Android que a companhia revelou em dezembro do ano passado. Muitas pessoas criticaram por utilizar a marca amplamente conhecida e associada à Apple. Mais tarde, a fabricante disponibilizou o vídeo a seguir, no qual explica ser a detentora do nome “iphone” e ainda expõe as diferenças entre o celular deles e o celular desenhado em Cupertino.

A Apple conseguiu junto ao INPI o direito de usar a marca “iphone” para vestuário, calçados e chapelaria. Para por aí. Mais de dez solicitações foram feitas e o órgão não informa exatamente quais serão rejeitadas. Entretanto, reitera que a requisição de usar “iphone” para dispositivos eletrônicos será devidamente negada.

A partir da publicação da revista, provavelmente a Apple do Brasil terá de sentar com os advogados da Gradiente para discutir um acordo que permita a manutenção do iPhone no mercado brasileiro. Não sei dizer quais seriam as implicações caso a companhia de Tim Cook se negue a discutir com a empresa brasileira.

Vale lembrar que a Cisco detinha a marca “iphone” nos Estados Unidos quando o aparelho foi lançado no mercado estadunidense. A Apple de lá teve de fechar um acordo com a produtora de soluções de rede, entre outros artigos. Deve seguir o mesmo caminho por aqui.

Thássius Veloso

Ex-editor-executivo

Thássius Veloso foi editor e editor-executivo do Tecnoblog de 2008 a 2014. Liderou o noticiário e cobriu de perto os maiores acontecimentos do mercado de eletrônicos de consumo, games e serviços. É jornalista, palestrante e apresentador de tecnologia na rádio CBN e no canal de TV por assinatura GloboNews.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque