Como a BlackBerry deixou o Android mais seguro no Priv

Jean Prado
Por
• Atualizado há 1 semana

Quando John Chen, presidente da BlackBerry, apresentou o BlackBerry Priv à imprensa, o executivo disse que o nome era uma abreviação de privacidade, mas… ele roda Android. Para alguns usuários dos serviços da empresa, incluindo o presidente dos Estados Unidos, a segurança do BlackBerry OS era o único motivo para permanecer no ecossistema da fabricante canadense.

Se você perdeu o lançamento, o Priv é o smartphone mostrado acima. Ele roda Android e tem um design semelhante a outros dispositivos da BlackBerry ― até pelo teclado físico, que pode ser acessado deslizando a parte traseira do smartphone para baixo. Mas como ele é tão seguro assim? Quem explica é Alex Manea, diretor de segurança da BlackBerry, no blog da empresa.

É interessante notar que a segurança do Priv não se limita ao software. Ele tem um “processo de fabricação único, que injeta chaves criptográficas no hardware do dispositivo”, o chamado Root of Trust (RoT) na área de segurança. Basicamente, essas chaves são verificadas toda vez que o dispositivo se conecta à rede da BlackBerry, além de escanear o sistema.

root-of-trust

Essa verificação também acontece quando o smartphone inicia. O processador verifica a assinatura digital da memória de boot, que verifica a chave de assinatura do sistema operacional, que verifica o hash dos arquivos do sistema, que verifica o hash dos aplicativos (ufa!). Ele também tem o sistema bootchain, que usa as chaves de segurança para pesquisar todas as camadas do dispositivo e se certificar de que nenhuma foi adulterada.

O kernel do Priv também é diferente, com vários patches para melhorar a segurança. O armazenamento interno é criptografado com o padrão FIPS 140-2, que garante quatro níveis de segurança para proteger a privacidade do usuário. O sistema também usa a infraestrutura corporativa de dados da BlackBerry e o BlackBerry Enterprise Service (BES12), uma plataforma que gerencia a mobilidade empresarial.

Toda essa proteção não fica restrita por baixo dos panos do dispositivo: o usuário também tem acesso a alguns aplicativos para gerenciar sua privacidade e segurança. Um deles é o BlackBerry DTEK, que informa quais softwares acessam seus dados pessoais, mostra o quão seguro é o seu dispositivo e dá dicas de como melhorar a proteção dos seus arquivos.

Teclado QWERTY, comum em dispositivos BlackBerry, agora no Priv.
Teclado QWERTY, comum em dispositivos BlackBerry, agora no Priv.

E, como esperado, o Priv também dá acesso ao Android for Work, que separa os aplicativos de trabalho e os pessoais para manter a organização do dispositivo. Consequentemente, para quem duvidava, o dispositivo também tem acesso completo ao Google Play, sem limitações de serviços do Google ou algo parecido.

Ainda assim, a BlackBerry adicionou mais aplicativos no Priv. Pelo vídeo de apresentação, podemos observar alguns ícones personalizados e até o BBM, aplicativo de mensagens da BlackBerry. Rumores apontam que essa não será a única personalização da empresa: ele também deve trazer o BlackBerry Hub, uma central de notificações que reúne e-mails e atualizações de redes sociais.

Até agora, as especificações do Priv não foram divulgadas, mas, segundo Chen, elas são as “melhores”. Os rumores parecem corroborar a informação: segundo o PhoneArena, o smartphone tem uma tela de 5,5 polegadas com resolução 2K de 2560×1440 pixels, 3 GB de RAM e o processador Snapdragon 808 com a GPU Adreno 418.

O lançamento do Priv no mercado está marcado para o final do ano. Até agora, a BlackBerry parece ter acertado em optar pelo Android e, ao mesmo tempo, mantendo seu ecossistema em um dispositivo aparentemente bem acabado. Você compraria?

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Jean Prado

Jean Prado

Ex-autor

Jean Prado é jornalista de tecnologia e conta com certificados nas áreas de Ciência de Dados, Python e Ciências Políticas. É especialista em análise e visualização de dados, e foi autor do Tecnoblog entre 2015 e 2018. Atualmente integra a equipe do Greenpeace Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados