Evernote

Quem sincroniza as anotações do Evernote em mais de dois dispositivos ao mesmo tempo precisará assinar um plano pago. O serviço anunciou nesta terça-feira (28) que está limitando o Evernote Basic para “manter a qualidade do serviço” para os clientes pagantes. A notícia chega uma semana após o Evernote liberar o recurso de proteção por senha para todos os usuários.

O Evernote está disponível em três planos para consumidores finais: Basic, Plus e Premium, com limites de upload de 60 MB, 1 GB e 10 GB por mês, respectivamente. O Plus remove a restrição de dois aparelhos, adiciona o suporte a notas offline e permite enviar notas por email. Já o Premium inclui recursos avançados, como a pesquisa dentro de documentos, digitalização de cartões de visita e anotações em PDFs.

As mensalidades aumentarão nos Estados Unidos, de US$ 3 para 4 (Plus) e de US$ 6 para 8 (Premium). No Brasil, os preços continuarão os mesmos, bem mais baratos que nos outros países: R$ 4,50 por mês ou R$ 40 por ano (Plus) e R$ 9 por mês ou R$ 80 por ano (Premium). Se você ainda está pagando em dólares, agora, mais do que nunca, vale cancelar a assinatura e passar a gastar em reais.

Quem está sincronizando mais de dois dispositivos no Evernote Basic terá 30 dias para se adaptar às mudanças. Ainda será possível fazer uma gambiarra, acessando o Evernote pela interface web, que não possui limites de aparelhos simultâneos. Também vale considerar outras opções, como o OneNote, ou aproveitar alguma promoção — clientes da Visa, por exemplo, ganham três meses grátis de Premium.

Receba mais sobre Evernote na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados