Hoje, 25 de maio, é comemorado o Dia do Orgulho Nerd! Ou Dia da Toalha. Depende da sua religião. Para aproveitar a ocasião, a Amazon publicou um ranking das 20 cidades mais nerds do país, com base nas vendas de livros e quadrinhos associados à cultura nerd. Quem lidera a lista é Rio Claro (SP), localizada a 175 km da capital paulista.

Os dados são relativos ao número de habitantes — ou seja, embora capitais como São Paulo e Rio de Janeiro vendam mais em números absolutos, cidades como Caruaru (PE) e Santa Maria (RS), em segundo e quarto lugar, respectivamente, possuem maior porcentagem de interessados nessas obras.

Esta é a lista completa:

  1. Rio Claro (SP)
  2. Caruaru (PE)
  3. Florianópolis (SC)
  4. Santa Maria (RS)
  5. Niterói (RJ)
  6. Porto Alegre (RS)
  7. São Caetano do Sul (SP)
  8. Santos (SP)
  9. Guarapuava (PR)
  10. Teresópolis (RJ)
  11. Londrina (PR)
  12. Campinas (SP)
  13. Curitiba (PR)
  14. Belo Horizonte (MG)
  15. São Paulo (SP)
  16. Sorocaba (SP)
  17. São Carlos (SP)
  18. Rio de Janeiro (RJ)
  19. Campina Grande (PB)
  20. Vitória (ES)

A empresa também divulgou um ranking de acordo com cada interesse. Por exemplo, Novo Hamburgo (RS), que não aparece na lista geral, é a cidade que mais compra livros da série O Guia do Mochileiro das Galáxias. Bagé, outra cidade gaúcha, lidera nas vendas de quadrinhos, mangás e graphic novels.

ranking-orgulho-nerd-amazon

Nesta segunda-feira (25), a Amazon está oferecendo até 42% de desconto na compra de livros e ebooks. Um número bem sugestivo, aliás.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados