Início / Notícias / Legislação /

Estes são os países que mais pirateiam software

Brasil é o país com menor índice de pirataria de software da América Latina

Paulo Higa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Um levantamento da BSA, empresa que defende os interesses de direitos autorais de empresas como Microsoft, Autodesk e Adobe, mostra que a taxa de pirataria de software no Brasil caiu três pontos percentuais entre 2013 e 2015, chegando a 47%. O número está acima da média mundial de 39%, mas é o menor entre os países da América Latina.

Segundo a BSA, a queda pode ser atribuída às campanhas de conscientização, crescimento da cultura de gestão de ativos de software nas empresas e expansão da venda de softwares por meio de assinaturas, como comentamos no último Tecnocast. A Adobe, por exemplo, vende seus softwares apenas por meio do Creative Cloud; recentemente, a Autodesk também decidiu focar no modelo de assinatura.

pirataria

No Brasil, a redução na pirataria vem caindo aos poucos: era de 56% em 2009, passou para 53% em 2011 e chegou a 50% em 2013. As estimativas da BSA indicam que, em 2015, quando a taxa de pirataria foi de 47%, a soma do valor dos softwares não licenciados no Brasil era o equivalente a 1,8 bilhão de dólares.

Esta é a lista dos países que mais pirateiam software:

  1. Zimbábue (90%)
  2. Líbia (90%)
  3. Venezuela (88%)
  4. Bangladesh (86%)
  5. Armênia (86%)
  6. Moldávia (86%)
  7. Iraque (85%)
  8. Belarus (85%)
  9. Indonésia (84%)
  10. Paquistão (84%)

Na outra ponta da tabela:

  1. Estados Unidos (17%)
  2. Nova Zelândia (18%)
  3. Japão (18%)
  4. Austrália (20%)
  5. Áustria (21%)
  6. Suécia (21%)
  7. Dinamarca (22%)
  8. Alemanha (22%)
  9. Reino Unido (22%)
  10. Noruega (23%)

As estimativas levam em consideração uma pesquisa com 20 mil usuários domésticos e corporativos. Elas contabilizam licenças inválidas de qualquer tipo de software, incluindo sistemas operacionais, jogos e aplicativos empresariais, instalados em desktops e notebooks. Você pode conferir o estudo completo nesta página.