O CCleaner, uma das ferramentas de limpeza de arquivos inúteis mais populares no Windows, está mudando de mãos: a Piriform, desenvolvedora por trás do aplicativo, foi comprada pela Avast.

A Piriform se especializou em ferramentas de manutenção e diagnóstico: ela também desenvolve o Defraggler, um desfragmentador de disco; o Speccy, que mostra informações sobre o hardware do computador; e o Recuva, que já me salvou uma vez quando deletei um arquivo por engano. Mas o CCleaner é de longe o mais conhecido: ele tem 130 milhões de usuários, sendo 15 milhões na versão para Android.

E por que uma empresa de antivírus compraria a criadora do CCleaner? A Avast afirma que há sinergia entre as marcas porque “ambas têm uma comunidade fiel de usuários avançados de tecnologia, que construíram ao longo de muitos anos”. Além disso, as duas empresas são “conhecidas por seus produtos inovadores e leves”, segundo a Avast.

Na verdade, a própria Avast desenvolve uma ferramenta de limpeza, chamada Avast Cleanup, que custa R$ 99 por ano e exige um antivírus da empresa instalado no computador. E a AVG, que foi comprada pela Avast em julho de 2016 por US$ 1,3 bilhão, possui o TuneUp, outro software de manutenção para Windows.

Apesar da compra, a Avast vai manter os aplicativos da Piriform separados do Avast Cleanup ou AVG TuneUp, e todos esses softwares continuarão disponíveis. Com a aquisição, a Avast pretende ampliar sua presença em Londres, onde fica o escritório da Piriform. Os funcionários da Piriform serão integrados à equipe da Avast.

O valor da transação não foi divulgado.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados