Irmãos que processaram Zuckerberg agora têm US$ 1 bilhão em bitcoin

Jean Prado
Por
• Atualizado há 1 mês

A supervalorização do bitcoin já fez uma aplicação inicial acumular um bilhão de dólares. Estou falando dos irmãos Cameron e Tyler Winklevoss, que investiram US$ 11 milhões na criptomoeda em 2013, e agora têm mais de US$ 1 bilhão em bitcoin.

O número, no entanto, ainda fica longe dos US$ 190 bilhões de valor de mercado da criptomoeda, que, caso fosse um país, ficaria em 52º na lista dos maiores PIBs. Hoje, o bitcoin já chegou a valer mais de US$ 11,8 mil.

Em 2004, a rede social ConnectU, propriedade dos gêmeos, processou o Facebook, alegando que Mark Zuckerberg copiou a ideia e quebrou um contato verbal. Os irmãos Winklevoss ficaram famosos após o lançamento do filme A Rede Social, em 2010, cujo processo é uma das principais tramas.

Os gêmeos encerraram o processo em 2011 e ganharam US$ 65 milhões, dos quais US$ 11 milhões foram investidos em bitcoin. Desde então, eles estão sempre falando da criptomoeda: em 2015, Tyler Winklevoss disse ao TechCrunch que ambos comem, dormem e respiram bitcoins.

Há dois anos, eles fundaram a Gemini, uma casa de câmbio que agora opera com bitcoin e ethereum, outra criptomoeda. Em março deste ano, o bitcoin caiu 15% só porque a Comissão de Títulos e Câmbio dos EUA rejeitou a criação de um fundo de investimento com bitcoins, proposta dos gêmeos Winklevoss. Em entrevista ao The Telegraph, ambos juram que nunca venderam um bitcoin sequer.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Jean Prado

Jean Prado

Ex-autor

Jean Prado é jornalista de tecnologia e conta com certificados nas áreas de Ciência de Dados, Python e Ciências Políticas. É especialista em análise e visualização de dados, e foi autor do Tecnoblog entre 2015 e 2018. Atualmente integra a equipe do Greenpeace Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados