Facebook paga até US$ 40 mil para você encontrar uma nova Cambridge Analytica

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 mês

O escândalo Cambridge Analytica derrubou as ações do Facebook e colocou a rede social no centro das atenções. A equipe de Mark Zuckerberg quer evitar que isso aconteça novamente: vai pagar até US$ 40 mil de recompensa para quem encontrar aplicativos de Facebook envolvidos em abuso de dados.

O Data Abuse Bounty oferece recompensas para aplicativos que obedeçam aos seguintes critérios: tenha pelo menos 10 mil usuários no Facebook; esteja envolvido em abuso de dados (não apenas em coleta); e ainda não seja de conhecimento ou objeto de investigação do Facebook.

As recompensas variam de US$ 500 a US$ 40 mil, dependendo do número de usuários afetados, quantidade de dados abusados e outros fatores. O programa só vale para o Facebook (excluindo outros produtos da empresa, como o Instagram) e para situações de abuso de dados, ou seja, ficam de fora os malwares e cenários nos quais a engenharia social seja o fator mais importante.

O Facebook fez mudanças recentes na API em resposta ao escândalo, restringindo o acesso de terceiros aos dados do seu perfil. As alterações acabaram quebrando temporariamente alguns deles, como o Tinder. Não é mais possível acessar informações como status de relacionamento, seção “sobre mim”, histórico educacional e de trabalho. E o próprio Facebook promete reduzir a coleta de alguns dados.

Você pode conferir todas as informações sobre o Data Abuse Bounty nesta página.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados