Spotify + NYSE

Aconteceu. Depois de muita espera, o Spotify estreou na Bolsa de Nova York (NYSE) nesta terça-feira (3). O símbolo da companhia nos pregões é SPOT. A estreia foi conduzida sem incidentes, exceto por um detalhe curioso: a entrada do edifício onde as negociações são realizadas ostentou uma bandeira da Suíça em homenagem à recém-chegada. Só que a sede do Spotify fica na Suécia.

O erro foi corrigido rapidamente, mas o que interessa mesmo à companhia são os resultados financeiros. Apesar de ter uma base com 86 milhões de usuários não pagantes e 71 milhões de assinantes premium no mundo todo (dados oficiais referentes ao final de 2017), o Spotify ainda não sabe o que é lucro. A expectativa é a de que estreia na bolsa ajude o serviço a mudar esse cenário.

Como? A injeção de capital pode fazer a empresa ter fôlego para investir em tecnologia, negociar contratos de licenciamento mais vantajosos e, principalmente, aumentar a base de assinantes premium — os anúncios veiculados aos usuários respondem por apenas 10% da receita da companhia, o que deixa claro que alguma coisa precisa ser feita.

Mas essas são medidas para o médio ou longo prazo. Por ora, o que é importa é uma boa estreia na bolsa. Pois bem, horas antes da abertura, o esperado era que o valor por ação do Spotify fosse de pelo menos US$ 132. Só que os papéis começaram valendo US$ 165,90. Depois o valor caiu para a casa dos US$ 160, mesmo assim, ficou bem acima do preço de referência.

Então, sim, foi uma estreia interessante para o Spotify. O valor da companhia, considerando o preço inicial das ações, ficou em US$ 29,5 bilhões. Resta saber como vai ser o desempenho dos papéis nos próximos dias.

Extremt mycket lol på Wall Street när NYSE hissar en schweizisk flagga. $SPOT #sthlmtech pic.twitter.com/snA6P1i7OX

— Sven Carlsson (@svenaxel_) April 3, 2018

Nesse ponto, vale destacar que o Spotify adotou uma abordagem um tanto diferente: em vez de uma abertura de capital tradicional apoiada por instituições de investimentos, a empresa optou por uma estrutura que permite a investidores e funcionários detentores de ações negociarem os papéis diretamente com os interessados.

Essa estratégia reduz custos e evita uma rápida diluição do valor das ações por conta da entrada de um número elevado de investidores, mas tem riscos, um deles, a ausência de salvaguardas dos bancos.

Independente da forma como as negociações são conduzidas, é comum alguma empolgação com estreias na bolsa de empresas com muito destaque no mercado, razão pela qual o próprio Daniel Ek, CEO e cofundador do Spotify, tratou de avisar que oscilações são esperadas para os próximos dias. A ordem, por enquanto, é manter a calma.

Com informações: TechCrunch, Variety.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados