Carros da Tesla em teste de Full Self-Driving aparecem em vídeos

Atualização liberada pela Tesla mostra que modo Full Self-Driving é quase perfeito, mas ainda requer supervisão do usuário

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos e 5 meses
Tesla Model S (Imagem: Divulgação/Tesla)
Tesla Model S (imagem: divulgação/Tesla)

A Tesla tem um objetivo muito bem definido: permitir que seus veículos circulem de modo totalmente autônomo (Full Self-Driving). Esse dia ainda está distante, mas não muito: uma atualização de software em teste desde o mês passado dá aos carros da marca um nível quase completo de navegação autônoma.

O software foi liberado para determinados clientes da Tesla. Alguns deles estão relatando a experiência obtida no YouTube. De modo geral, eles deixam claro que a atualização não dispensa o usuário de assumir o posto de motorista para supervisionar a direção autônoma e, quando for o caso, intervir na condução do veículo.

Não por acaso, a própria Tesla enfatiza que o novo sistema é uma espécie de beta. Por conta disso, os testes devem ser realizados com o usuário no posto de condução. Ele deve ainda manter as mãos sobre o volante o tempo todo e prestar atenção permanente no trânsito para estar apto a intervir em situações de perigo.

Por outro lado, é visível que a tecnologia evoluiu muito: o software é capaz de conduzir o veículo corretamente na maior parte do tempo, nas mais diversas condições.

Um dos condutores relata em seu vídeo ter ficado impressionado quando o veículo reconheceu cones que sinalizavam para uma obra na pista e tratou de mudar de faixa para evitá-los.

Outro youtuber relatou que o sistema autônomo reconheceu um ciclista na via e abriu um espaço em relação a ele. Como a manobra estava sendo feita em uma curva, o condutor achou melhor assumir o controle nesse momento para garantir que não houvesse um acidente, mas o fato de o carro não ter ignorado o ciclista é um avanço importante.

Apesar disso, os testes já realizados mostram que a operação Full Self-Driving ainda não é possível. Embora os veículos que receberam a atualização possam realizar viagens completas em condições normais de trânsito, há situações pontuais que exigem atuação do motorista.

Em um dos vídeos, o carro parou em um cruzamento no sinal de pare e depois começou a acelerar. Nesse momento, o motorista assumiu o controle, pois um veículo não detectado a tempo passou na transversal em alta velocidade.

O mesmo motorista mostrou, em um segundo vídeo, que o seu Tesla estava fazendo uma curva, mas não fechada o suficiente para evitar uma colisão com um automóvel estacionado perto da área de manobra. Novamente, o condutor teve que interferir para evitar a colisão.

Tesla quase base em um carro estacionado (imagem: YouTube/Brandon M)

Tesla quase base em carro estacionado (imagem: YouTube/Brandon M)

Mas esses pequenos deslizes, por assim dizer, não são inesperados. O sistema de condução autônoma da Tesla (e de outras companhias) é baseado em inteligência artificial, logo, precisa ser testado e treinado à exaustão até alcançar um nível seguro de autonomia.

É por isso que Tesla e demais empresas adotam uma postura de cautela. De todo modo, os testes recentes deixam em evidência que a direção autônoma é mesmo só questão de tempo.

Com informações: Ars Techica.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados