TB Responde Gadgets

Vale a pena comprar um teclado mecânico?

HyperX, Razer e Logitech tiram algumas dúvidas sobre teclados mecânicos e para quem eles valem mais a pena

Vivi Werneck
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Teclados mecânicos geralmente estão na lista de quem pretende montar um PC gamer. No entanto, quem não é jogador também pode fazer bom uso deste produto pela precisão e durabilidade, mesmo o preço sendo um pouco alto. Mas será que vale a pena investir num teclado mecânico? Para te ajudar numa possível decisão de compra, o Tecnoblog conversou com a HyperX, Razer e Logitech.

Vale a pena comprar um teclado mecânico? (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Vale a pena comprar um teclado mecânico? (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A seguir, veja algumas informações sobre o periférico esclarecidas por estas três fabricantes. Caso você ainda tenha dúvidas, não deixe de escrever nos comentários!

Quem responde ao Tecnoblog:

  • Caio Ricci, gerente de desenvolvimento de negócios da HyperX no Brasil
  • Vitor Martins, diretor da Razer América Latina
  • Renato Voltarelli, head de marketing da Logitech 

1. Quais os atrativos de um teclado mecânico para quem não joga?

Vitor Martins (Razer): em termos de performance, não muda muita coisa. O tempo de resposta quando você pressiona uma tecla num game é importante, quando você está escrevendo um e-mail, nem tanto. Mas eu acredito que as pessoas que não são gamers e buscam um teclado mecânico, buscam por conforto.

Renato Voltarelli (Logitech): as teclas mecânicas são um destaque a parte com seu sistema de ativação individual, que oferecem mais precisão e confiabilidade. Vale lembrar que este tipo de tecla é mais durável e atrai profissionais que trabalham digitando muito, como programadores, escritores, dentre outros. Existem também opções de teclados gamer com layout ABNT2, que é mais familiar aos usuários brasileiros.

2. Quais as diferenças entre os teclados mecânico e de membrana?

Caio Ricci (HyperX): a principal diferença entre o teclado mecânico e o de membrana é que o primeiro utiliza switches (interruptores) individuais para acionamento dos comandos. Ou seja, embaixo de cada tecla há uma estrutura mecânica que, quando ativada, envia um sinal para o computador.

Já o teclado de membrana, tem uma única película plástica por baixo das teclas que se estende por toda a sua estrutura. Por fim, há também o teclado semi mecânico que traz um funcionamento híbrido, com acionamento mecânico em teclas de mais uso e acionamento de membrana em teclas menos utilizadas.

Além de ser mais rápida, a tecnologia do teclado mecânico proporciona maior conforto na hora de digitar, exige menos força do usuário e impede a ativação de teclas que não foram pressionadas. Essas vantagens fazem dos teclados mecânicos os mais utilizados pelos gamers, que buscam ativações velozes e precisas dos seus comandos para melhor desempenho nas partidas.

Vitor Martins (Razer): Com certeza dá para se divertir com teclados de membrana. Hoje em dia, nós temos uma tecnologia chamada Mecha-Membrane, que é um teclado de membrana que te dá a sensação tátil de um teclado mecânico. (…) Eu não acredito que hoje o teclado mecânico seja o melhor do mercado, pois existe ainda o óptico, que é superior ao mecânico em relação ao tempo de resposta.

HyperX Alloy Origins 65 (Imagem: Divulgação/HyperX)

3. Quero comprar um teclado mecânico. Como escolher um modelo?

Caio Ricci (HyperX): na hora de comprar o teclado, a pessoa precisa se perguntar para qual finalidade vai utilizá-lo: se será apenas para jogar, se também será usado para trabalhar ou estudar de casa. 

Outro ponto fundamental é avaliar o tamanho da mesa em que o setup está montado para definir qual tamanho de teclado melhor se encaixa naquele espaço. Também é importante, se possível, testar antes os diferentes tipos de switches mecânicos para descobrir qual mais se encaixa ao seu estilo de digitação.

4. Quais as diferenças e os modelos de switches mecânicos disponíveis no Brasil?

As ofertas de switches mecânicos costumam variar de acordo com os modelos de teclados. Para este artigo, em específico, vamos tratar dos equipamentos das fabricantes entrevistadas. 

Renato Voltarelli (Logitech): oferecemos, por exemplo, a escolha dos switches de altura padrão ou de baixo perfil disponíveis nos modelos: GL Tactile (tecla tátil que fornece feedback sutil, preciso e instantâneo); GX Blue Clicky (feedback audível e tátil, tal como os switches de jogos tradicionais); GX Red Linear (teclas suaves e fluidas, o perfil Linear é ótimo para digitações repetidas, com pressionamentos rápidos e sucessivos); Romer-G Tactile (feedback mínimo para garantir precisão no momento da atuação, sem ser muito alto).

Vitor Martins (Razer): o switch vermelho da Razer é um óptico e o mais rápido que temos. Nosso switch roxo também é óptico, mas pela distância da tecla até o acionamento ser maior, o tempo de ativação do clique não é tão rápido quanto o vermelho. Estamos falando de milissegundos de diferença. O switch roxo é mais confortável que o vermelho, pois oferece aquela sensação de apertar mais a tecla e o que chamamos de “click feel”.

Quando vamos para os switches mecânicos também temos as duas tecnologias: o mais curto que chamamos de Stealth, e este é o switch amarelo e o verde, que tem uma distância um pouco maior. Além desses temos também o Mecha-Membrane, o Ornata, e abaixo disso o de membrana normal. Todos os teclados da Razer têm anti-ghosting.

Caio Ricci (HyperX): em 2019, a HyperX apresentou os primeiros switches de fabricação própria e lançou o teclado mecânico Alloy Origins (com o switch HyperX Red), que foi seguido pelos modelos Alloy Origins (com switches HyperX Aqua e HyperX Blue), lançados em 2020 e 2021, respectivamente. 

O switch HyperX Red tem estilo linear que, quando pressionado, faz um percurso liso, sem qualquer alteração tátil que indique ao usuário o momento exato do acionamento da tecla. Esse movimento suave torna o switch mais silencioso do que o tátil e de clique. Já o HyperX Aqua é de estilo tátil e oferece um feedback intermediário ao usuário, tanto em som quanto em sensibilidade. Por fim, o HyperX Blue é um switch tipo clique com feedbacks táteis e audíveis.

Razer Blackwidow X Chroma (Imagem: Divulgação/Razer)

5. Tamanho tradicional ou compacto: qual escolher?

Vitor Martins (Razer): os teclados mais compactos acabam sendo os mais procurados pelos gamers. Dificilmente você vai encontrar alguém que busca um teclado para trabalhar que opte por um modelo mais compacto. Mas o gamer, por sua vez, principalmente quando precisa de um espaço maior para utilizar o mouse, acaba abrindo mão de algumas teclas, para a melhor utilização do mouse. 

Caio Ricci (HyperX): temos diferentes tamanhos e acabamentos, desde modelos mais robustos com teclas de mídia dedicadas, como a linha Alloy Elite, até teclados compactos, como os das linhas Alloy FPS e Alloy Origins. Nosso mais recente modelo lançado, o Alloy Origins 60%, por exemplo, é um periférico ultracompacto que tem apenas 60% do tamanho de um teclado tradicional e um layout diferente, pensado no jogador.

Renato Voltarelli (Logitech): a Logitech oferece tamanhos e designs diferenciados como opção para todos os gamers. Um destaque, por exemplo, é a Série Pro. Essa é uma linha (…) de produtos criada com os pro players, pensada para eles, mas disponibilizada para todos os clientes.

Outro caso é o Pro Keyboard com design compacto Tenkeyless (TKL). Além dos switches GX Blue Clicky, ele também possui iluminação RGB Lightsync e cabo removível para facilitar no transporte.

Estamos em um novo momento de mercado em que os periféricos sem fio são uma realidade para quem quer liberdade em seu setup. Os modelos de teclados mecânicos G613, que é mais robusto com apoio para pulso integrado, ou os modelos G915 e G915 TKL, que trazem teclas de padrão baixo e ambos com design em alumínio, nos permitem sempre atender o maior público possível.

6. Teclados mecânicos duram mais tempo?

Caio Ricci (HyperX): todos os nossos periféricos são 100% testados na fábrica para comprovar que entregam o que prometem. Os switches mecânicos utilizados pela HyperX em seus teclados têm vida útil de até 80 milhões de cliques por tecla, sendo certamente mais duráveis que os teclados de membrana. 

Os teclados são desenvolvidos com estrutura de alumínio escovado igual ao utilizado em aeronaves, para máxima durabilidade e estabilidade. Os switches HyperX têm atuação mais rápida e exigem menor força no clique em comparação aos switches mecânicos tradicionais, oferecendo assim uma vantagem competitiva in-game e maior conforto, evitando a fadiga dos dedos mesmo durante longas horas de gameplay.

Renato Voltarelli (Logitech): todos os switches da Logitech G passam por testes intensos de até 70 milhões de cliques, mantidos em um alto padrão que garante o melhor desempenho e confiabilidade. 

Atualmente, os teclados G413 e G512 são construídos com liga de alumínio e magnésio 5052, a mesma usada na aviação, assim como os modelos G815, G915 e G915 TKL. Além desse acabamento premium, nossos produtos têm dois anos de garantia.

Vitor Martins (Razer): com certeza os teclados mecânicos são mais duráveis que os de membrana, costumamos mensurar isso por quantidade de cliques. Enquanto um de membrana pode durar de 20 a 30 milhões de cliques, um óptico chega a 100 milhões. E todos os produtos da Razer passam por um rigoroso controle de qualidade. Nenhum produto vai ao mercado antes de passar por testes, tanto na fábrica quanto por jogadores também.

Logitech Pro X (Imagem: Divulgação/Logitech)

7. Por fim: vale a pena comprar um teclado mecânico?

Não há uma resposta definitiva para esta pergunta. Tudo vai depender do tipo de uso que você pretende fazer (jogar ou trabalhar) ou simplesmente porque aprecia esse modelo de teclado. Por conta da tecnologia envolvida em sua confecção, eles são sim mais caros que os de membrana, mas hoje em dia já é possível encontrar exemplares até mesmo a partir de R$300.

Eu uso teclados mecânicos há alguns anos e apenas troco de um modelo por outro por puro consumismo mesmo. A parte que as próprias fabricantes comentaram sobre a durabilidade é mesmo real, ao menos eu nunca precisei trocar uma tecla sequer por problemas nos switches. Inclusive, são os mouses que me dão mais trabalho (em relação a precisar trocar).

Mas como também mencionado neste artigo, os teclados mecânicos não são mais o topo da “cadeia alimentar”, em relação a periféricos para digitação. Os teclados ópticos estão ganhando cada vez mais adeptos e, devido ao seu modo de funcionamento diferenciado, tendem a durar mais tempo também. Mas isso é papo para um novo artigo especial.

Esse conteúdo foi útil?

Vivi Werneck

Editora-Assistente

Vivi Werneck é especialista em games e trabalha no mundo tech há 15 anos. Em 2018, recebeu o Prêmio Comunique-se como melhor jornalista de tecnologia. Já escreveu para revistas de games pioneiras no Brasil, como EDGE, PlayStation Brasil e EGW. Também é veterana em eventos de jogos, como a BGS e E3 (inclusive, presencialmente). Hoje, ela é editora-assistente no Tecnoblog, editora no Meio Bit e apresenta o Hit Kill.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque