Review Edifier Hecate GM5: um TWS gamer, mas nem tanto

Com recursos para o público gamer, Edifier Hecate GM5 é um TWS que chama a atenção pelo design e por entregar Bluetooth 5.2 e AptX

Darlan Helder
Por
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

De uns tempos para cá, a Edifier vem apostando todas as fichas em fones Bluetooth gamer. Na verdade, dentro do segmento, eles ainda investem em uma categoria bem específica e curiosa, a de TWS gamer. O Edifier Hecate GM5 é um desses modelos que chegou recentemente ao mercado nacional para se juntar ao GM4 Mini 1, que já testamos aqui no Tecnoblog.  

O fone Bluetooth aposta no design dos AirPods, ganhou um estojo com LEDs, tem Bluetooth 5.2 e, claro, modo gamer. Será que vale pagar os quase 500 reais que a marca pede? Faz sentido ter um fone gamer? Eu testei o Edifier Hecate GM5 para responder essas perguntas.  

Análise do Edifier Hecate GM5 em vídeo 

YouTube video

Aviso de ética 

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises não têm intenção publicitária, por isso ressaltam os pontos positivos e negativos de cada produto. Nenhuma empresa pagou, revisou ou teve acesso antecipado a este conteúdo. 

O Hecate GM5 foi fornecido pela Edifier por empréstimo e será devolvido à empresa após os testes. Para mais informações, acesse tecnoblog.net/etica

Design, conforto e case 

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Disponível nas cores cinza e branco, o Edifier Hecate GM5 tem o mesmo formato dos AirPods, mas a empresa incluiu as letras G e M no cabo para tentar disfarçar (contém ironia). Diferente do GM4 Mini 1, o GM5 não tem aquele “show de luzes” para provar ser um produto gamer e o case ficou encarregado por reforçar isso. Portanto, o modelo não chamará a atenção na rua e a versão cinza, testada pelo Tecnoblog, se mostra ainda mais discreta.  

Os fones são muito leves e ficam encaixados no ouvido sem gerar pressão ou outro tipo de desconforto. E vale dizer que não é de hoje que a Edifier acerta no design. O GM5 ganhou a certificação IPX5, proteção interessante para quem pratica exercícios físicos com frequência. Ele vai aguentar o suor quando você estiver na academia e uma chuva leve não irá danificar o produto.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Já o estojo é o ponto alto deste modelo — eu nunca vi nada igual. Ele é de plástico transparente e dentro há outro componente que abriga e alimenta os fones. Nas imagens parece algo bonito e sofisticado. Mas o plástico é extremamente simples e aparenta pegar riscos com o tempo. Devido à simplicidade, ele, de fato, passa a sensação de ser frágil, então eu tomaria cuidado durante o manuseio. Nas laterais, a empresa incluiu uma faixa de luz que ainda ajuda a acompanhar a autonomia e há uma conexão USB-C na parte inferior para alimentação. 

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

As curiosidades não param por aqui. Para a minha surpresa, a Edifier envia uma espécie de capa de borracha para proteger o case. Na embalagem você ainda encontra uma cordinha, que possibilita transportar o acessório. Olha, eu estou bem surpreso com a criatividade da marca.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Recursos e conectividade 

O GM5 não tem aplicativo dedicado e todo o controle é feito por toques diretamente nos fones. Um toque longo avança ou retrocede de faixa, dois toques podem pausar ou reproduzir, e tocando três vezes no gadget ativa o modo gamer. A Edifier também permite acionar o assistente pessoal do aparelho conectado, quando você pressiona quatro vezes. São funções simples e que funcionaram bem nos meus testes. Eu só senti falta do controle de volume, que está disponível em outros fones de entrada da marca.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O modo gamer, que tenta ser o chamariz, faz pouca diferença, principalmente para quem joga títulos de ação e aventura, como PUBG Mobile e Genshin Impact. Ao ativar esse modo, é possível sentir uma diferença no lag, mas não é nada expressivo. Um jogo de corrida, como Asphalt 9, já funciona melhor e, além da baixa latência, é possível ter uma imersão maior. Basicamente é só isso, o Hecate GM5 visa atender o público gamer, mas se você é um jogador exigente, esse não é o melhor fone para você.  

Em conectividade, o modelo tem Bluetooth 5.2 e, como esperado, a tecnologia presente no gadget não decepciona e garante conexão estável o tempo todo. Acenando mais uma vez para o público gamer, outro destaque do dispositivo é a decodificação AptX, da Qualcomm, que oferece maior velocidade na transmissão, ou seja, baixa latência, e áudio de mais qualidade. 

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Qualidade de som 

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O som dele é característico de fone de entrada, porém eu o achei inferior em relação a outros modelos populares, como o Edifier X3 e o Redmi AirDots 3. Dá para sentir a sonoridade abafada e mais fechada. Diferente de outros fones da mesma empresa, os graves do GM5 não são impactantes e músicas recheadas de batidas não incomodaram os meus ouvidos. O abafamento que eu comentei prejudica um pouco os médios, que soam mais fechados, enquanto os agudos sofrem menos.  

Eu fiz alguns testes, alternando entre modo gamer e música, mas essa sensação predominava, independente da configuração. A excelente Sacrifice, do The Weeknd, tem apresentação estável e os agudos do Abel soam com bastante liberdade; o abafamento do fone nessa faixa até passa despercebido. As batidas ficam balanceadas, sem gerar impactos que possam incomodar, mas há um pouco de sibilância no volume elevado.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Agora, uma curiosidade: o Hecate GM5 não tem cancelamento ativo de ruído, mas conta com modo ambiente, que pode ser ativado ou desativado ao tocar três vezes no fone. A tecnologia é um tanto estranha, porque, na prática, eu não senti nenhuma diferença. Além disso, em sua comunicação, a Edifier não explica como o recurso funciona, de verdade.  

Microfone e bateria 

E já que estamos falando dos microfones, os componentes do GM5 até que são bons. Eles são capazes de captar muito bem a minha voz e mesmo não conseguindo separar os ruídos, a pessoa que estiver do outro lado me ouve sem reclamar. Sendo assim, eu recomendo o GM5 para reuniões virtuais e ligações telefônicas, desde que o ambiente esteja sem barulhos.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Na autonomia, a Edifier me deixou um pouco decepcionado. Eles dizem que são oito horas de reprodução com os fones ou 32 horas com o estojo. Mesmo com o Bluetooth 5.2, que tem uma boa eficiência energética, e sem outras tecnologias que consumam tanto as células, o GM5 não consegue chegar perto das oito horas prometidas.  

Em um dia de teste, conectados a um smartphone e reproduzindo com o volume em 50%, o fone esquerdo tocou por 6h23min e o direito perdeu a carga 10 minutos depois. Para um TWS, é um tempo aceitável, mas é frustrante, já que não cumpre o combinado.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Edifier Hecate GM5: vale a pena? 

Se excluirmos a proposta gamer e focarmos no Edifier Hecate GM5 como apenas um TWS convencional, pode-se concluir que este é um bom fone de entrada. E é exatamente isso. Para o consumidor comum, o produto se mostra atraente, com som legal, já que a Edifier é especialista no assunto; você tem um ótimo sistema de conectividade, com o Bluetooth 5.2; e o codec AptX completa a lista positiva. O que eu quero dizer é que, para você que só quer escutar músicas e assistir a conteúdos por meio desse fone, o Hecate GM5 pode ser a compra certa.  

Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Edifier Hecate GM5 (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Mas e para quem joga? A meu ver, esse TWS tem a mesma lógica dos smartphones gamer. Ele é gamer, mas outros modelos disponíveis no mercado, sem essa proposta, podem entregar experiência semelhante. Exemplificando, um iPhone 13 Pro Max vai oferecer a mesma performance em games que um Asus ROG Phone 5S Pro. Assim também é quando analisamos a categoria TWS gamer.  

No fim das contas, o Edifier Hecate GM5 pode até fazer sentido para os jogadores casuais, mas para os mais exigentes, eu não recomendo a compra. A latência, de fato, é baixa, mas a experiência não é boa em todos os jogos. O preço de R$ 499 também não ajuda muito, já que o Realme Buds Air 2 Neo, por exemplo, que tem Bluetooth 5.2 e cancelamento ativo de ruído, sai por até R$ 330. É por isso que o Hecate GM5 só é uma boa escolha daqui a alguns meses, quando o preço cair e para quem só quer escutar músicas, mesmo.  

Review Edifier Hecate GM5

Prós

  • É um bom fone de entrada para o público não-gamer
  • Tem Bluetooth 5.2 e codec AptX
  • Estojo tem um design interessante

Contras

  • Sonoridade é um pouco abafada
  • Fone vai atender apenas jogadores casuais
  • Autonomia não cumpre o combinado
Nota Final 7.9
Agudos
8
Bateria
7
Conectividade
9
Conforto
9
Design
8
Graves
9
Isolamento
7
Médios
7
Recursos
7

Relacionados

Relacionados