Ogo

A não ser para os seguranças dos shoppings, os Segways não têm tanta utilidade assim. Para a maioria das pessoas, esses veículos não passam de brinquedos sofisticados e caros, provavelmente. Mas um engenheiro da Nova Zelândia chamado Kevin Halsall encontrou uma finalidade bastante nobre para essa invenção: ele criou uma cadeira de rodas que se baseia na tecnologia dos Segways para dar mais autonomia ao cadeirante.

O projeto teve início quando Halsall observou Marcus Thompson, um amigo que ficou paraplégico após sofrer um acidente de esqui. O engenheiro ficou sensibilizado ao perceber que a cadeira de rodas limitava bastante o ir e vir do seu amigo e, consequentemente, a capacidade dele de participar de eventos sociais.

Foi aí que Halsall teve a ideia de desenvolver uma cadeira de rodas mais moderna, capaz de oferecer mais liberdade de movimentos que as opções convencionais ou mesmo motorizadas disponíveis no mercado.

A Ogo, como foi batizada, dispensa controles por botões ou joysticks (mas não em todos os casos, como explico mais à frente). De igual forma, o usuário não precisa empurrar as rodas com as mãos para a cadeira ir para frente ou para trás.

Tudo o que a pessoa precisa fazer é impulsionar o seu tronco para frente ou para os lados para indicar a direção que a cadeira deve seguir, um modo de funcionamento que lembra o do Segway. Não é preciso realizar grandes esforços. Movimentos sutis são suficientes. Um conjunto de sensores reconhece a ação e converte a informação em ordens para o motor da Ogo.

Esse é um ponto que deu bastante trabalho. A Ogo é, em sua essência, uma cadeira instalada sobre um Segway, mas a adaptação não foi tão simples. Os Segways requerem que o usuário utilize um guidão para se segurar e orientar a movimentação. No entanto, a Ogo foi idealizada para que o usuário possa se locomover sem usar as mãos, logo, Halsall teve que criar um sistema de controle do zero.

Ogo

Halsall também explica que, à medida que se envolvia com o projeto, mais ele percebia o quão o mundo ainda está despreparado para atender às necessidades das pessoas que têm limitação de movimentos. Essa percepção fez com que ele também preparasse a Ogo para indivíduos que não conseguem jogar o seu peso para frente no intuito de fazer a cadeira andar.

Para esses casos, o engenheiro equipou a Ogo com um joystick e componentes para equilíbrio que ajudam a pessoa a fazer movimentos mais complexos (virar rapidamente, por exemplo) sem ter medo de cair — há até uma espécie de freio de mão ali.

Além de facilitar os movimentos, a cadeira dá agilidade: ela pode chegar a 20 km/h, embora a intenção nesse ponto seja a de facilitar atividades específicas, como um jogo de basquete.

Para o dia a dia, a cadeira conta com uma bateria com autonomia estimada em 40 quilômetros. As rodas, mais grossas e menores em relação às cadeiras convencionais, devem facilitar a locomoção em áreas ligeiramente inclinadas e superfícies irregulares (como as belas calçadas que temos no Brasil).

Segundo Halsall, a cadeira está em fase de pré-produção. Ainda não há data para a chegada das primeiras unidades, mas é possível que isso aconteça até o final do ano. A ideia é tão boa que já atraiu investidores interessados em produzir a Ogo comercialmente.

O preço é que não deve ser amigável. Kevin Halsall prometeu tornar a Ogo tão acessível quanto possível, mas, se levarmos em conta que os Segways podem custar alguns milhares de dólares (a unidade usada no protótipo custou cerca de US$ 10 mil), não será tarefa fácil.

Essa não é a primeira vez que alguém tem a ideia de mesclar uma cadeira com um Segway. Projetos semelhantes como Slide Bot e Genny Mobility apareceram há algum tempo. Mas a Ogo é a cadeira que mais autonomia oferece ao usuário. Fica, portanto, a torcida para que a iniciativa dê certo.

Com informações: The Telegraph

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Reinaldo Leandro Orlandini

Muito legal quando as pessoas tentam ajudar seus semelhantes. No site www.emselmanutencao.com.br tem umas noticias legais de equipamentos que ajudam na recuperação de pessoas com dificuldades de locomoção. Como por exemplo uma esteira que a pessoa corre dentro de um tanque de água, muito show. Link: http://www.emselmanutencao....

Ricardo - Vaz Lobo
Genial e espero que entre logo em escala p/ reduzir o preço e ajudar a galera.