Desde a chamada para os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020, já podíamos imaginar que a tecnologia estaria bem presente nas comemorações. Até literalmente: o comitê olímpico anunciou que as medalhas entregues para os atletas serão feitas com eletrônicos antigos entregues pelos japoneses.

Pode não parecer, mas o lixo eletrônico pode ser muito bem aproveitado, já que algumas conexões em smartphones ou outras peças levam fios de bronze e ouro. O objetivo é arrecadar 8 toneladas de metal, previstas para serem distribuídas em 40 kg de ouro, 4.920 kg de prata e 2.944 kg de bronze.

Como é uma nova iniciativa, a coleta será interrompida logo quando o objetivo for atingido. Depois de entregues, os eletrônicos passarão por uma série de processos para separar os metais, o que resultará em 2 toneladas finais. Com tudo isso, é possível produzir 5 mil medalhas para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

A organização das Olimpíadas diz que, com o projeto, está seguindo uma recomendação da Agenda Olímpica de 2020, que é integrar a sustentabilidade em todos os aspectos do planejamento e execução dos Jogos. Para ajudar na execução da ideia, a população poderá descartar os eletrônicos em 2.400 pontos de coleta nas lojas da NTT Docomo, operadora de telefonia japonesa, a partir de abril.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Ricardo - Vaz Lobo

Muito obrigado pela resposta, muito mais esclarecedora do que as outras.

Ricardo - Vaz Lobo
Muito obrigado pela resposta, muito mais esclarecedora do que as outras.
LuizF

Eu no gosto dos EUA

LuizF
Eu no gosto dos EUA
Daniel Pita

Se você fumasse um de vez em quando, falaria menos asneira na interwebs. PAS

Daniel Pita
Se você fumasse um de vez em quando, falaria menos asneira na interwebs. PAS
Ricardo - Vaz Lobo

Obrigado, prezado -ista.

Ricardo - Vaz Lobo
Obrigado, prezado -ista.
doorspaulo

O legal é que, em outros sites, o pessoal bate palma para a iniciativa.

doorspaulo
O legal é que, em outros sites, o pessoal bate palma para a iniciativa.
doorspaulo

Temos aqui o exemplo de um brasileiro médio, possivelmente comentarista de portais e que se informa pelo Facebook, lendo apenas as manchetes.

Ele não sabe que, os custos e poluição são maiores para reciclar metais nobres, do que retirar da natureza mas, mesmo assim, bosteja sobre algo que não lhufas.

doorspaulo
Temos aqui o exemplo de um brasileiro médio, possivelmente comentarista de portais e que se informa pelo Facebook, lendo apenas as manchetes. Ele não sabe que, os custos e poluição são maiores para reciclar metais nobres, do que retirar da natureza mas, mesmo assim, bosteja sobre algo que não lhufas.
GigoCAP

Verdade, por hora é bem capaz que o investimento pra reciclar esse tipo de material não compense, mas com certeza que a um médio/longo prazo essa seja uma saída bem condizente com a realidade. E espertos esses que deram os primeiros passos.

GigoCAP
Verdade, por hora é bem capaz que o investimento pra reciclar esse tipo de material não compense, mas com certeza que a um médio/longo prazo essa seja uma saída bem condizente com a realidade. E espertos esses que deram os primeiros passos.
Bruno Pinho

O órgão público em que trabalho passou a usar papel reciclado para tudo. Além de esteticamente feio - ficou tudo parecendo rascunho - e mais caro, ficou comprovado por um estudo que o processo para fabricar o papel reciclado é muito poluente, além de as árvores usadas para obtenção de celulose serem, em sua maioria, de reflorestamento. Enfim, voltamos a usar papel normal...

Exibir mais comentários