Início » Negócios » O manifesto contra igualdade de gênero que colocou o Google em nova polêmica

O manifesto contra igualdade de gênero que colocou o Google em nova polêmica

Documento interno criado por engenheiro ataca a diversidade na companhia e causa indignação entre funcionários e usuários

Emerson Alecrim Por

O Google se posiciona como uma empresa que contrata pessoas com base em critérios como capacidade técnica, formação e criatividade, não importando a origem, a cultura ou o gênero do indivíduo. Mas nem todo mundo lá dentro é a favor disso: um manifesto escrito por um engenheiro de software critica os esforços da companhia em prol da diversidade e afirma que as mulheres estão menos representadas na tecnologia por razões meramente biológicas.

Divulgado inicialmente nas redes internas do Google, o documento precisou de pouco tempo para vazar: o Gizmodo foi o primeiro veículo a publicá-lo na íntegra. Com isso, as reações de indignação deixaram de se limitar aos muros do Google e passaram a ser públicas. É, certamente, uma das questões mais polêmicas envolvendo a companhia no que diz respeito ao seu quadro de funcionários.

Mulher no Google - imagem por Women on the Web

"A Câmara de Eco Ideológica do Google"

Com o título Google’s Ideological Echo Chamber (A Câmara de Eco Ideológica do Google, em tradução livre), o documento tem cerca de dez páginas que tentam rebater o entendimento de que os problemas de gênero das áreas de tecnologia são causados por sexismo ou machismo.

O autor defende a ideia de que são as diferenças psicológicas "naturais" que fazem homens estarem mais presentes nas áreas tecnológicas do que as mulheres, ressaltando que elas são mais inclinadas aos sentimentos enquanto eles estão mais interessados por coisas.

Nesse sentido, as mulheres acabam preferindo trabalhos em áreas sociais ou artísticas enquanto os homens se envolvem mais com trabalhos sistemáticos, como a programação, afirma o engenheiro (cuja identidade é desconhecida).

Para ele, as mulheres também estão mais propensas a níveis elevados de ansiedade e têm menos tolerância ao estresse, o que explica a menor participação feminina em cargos avançados e, portanto, altamente estressantes.

Aí também está, na visão do engenheiro, uma razão para as mulheres ganharem menos: elas buscam um equilíbrio entre vida e trabalho, enquanto os homens estão mais propensos a procurar postos exigentes e mais bem pagos, assim como a negociar aumentos.

Google

Críticas ao próprio Google

O engenheiro afirma ainda que os esforços do Google para estabelecer a diversidade criaram uma "monocultura politicamente correta" que humilha quem pensa diferente das ideias promovidas. Ele explica que a falta de discussão gerada por essa situação é o que o motivou a escrever o manifesto.

Como que propondo uma "solução", ele afirma que, ao unir diversidade com moral, qualquer opinião contrária se torna imoral automaticamente, razão pela qual a empresa deveria parar de moralizar o assunto. De igual modo, o Google deveria parar de "alienar" os conservadores, pois estes são minoria e acabam ficando calados para evitar confrontos, no entendimento do autor.

Outra proposta do engenheiro é a de que, nas contratações, o Google deixe de dar prioridade aos programas de diversidade e inclusão para se focar na "segurança psicológica", que já teria mostrado efeitos positivos.

A resposta do Google

As reações ao manifesto foram imediatas, tanto de funcionárias quanto de funcionários do Google, como a do desenvolvedor Andrew Bonventre, que classificou o documento como "lixo" em apoio à manifestação da engenheira de software Sarah Adams:

Não poderia haver demora na resposta do Google, consequentemente, e ela veio por meio de uma carta aos funcionários assinada por Danielle Brown, nova vice-presidente de diversidade, integridade e governança do Google.

Brown diz que “diversidade e inclusão são partes fundamentais dos valores e cultura que queremos [o Google como um todo] cultivar" e que, por conta disso, o Google assumiu uma posição forte no enfrentamento das questões inerentes ao assunto. Ela ressalta que posições fortes geram reações fortes, sendo o manifesto uma delas.

A executiva preferiu não rebater diretamente os argumentos do documento, se limitando a dizer que ela e a companhia não concordam com o que foi exposto. Brown afirma ainda que acredita que o Google segue o caminho correto ao promover a diversidade, razão pela qual ela decidiu aceitar o cargo que tem hoje.

Para finalizar, Brown diz que trabalha com o assunto há muito tempo e, assim, pode assegurar que nunca esteve em uma companhia que dá acesso a tantos meios para os funcionários se expressarem, como TGIF, Memegen, Google+ (interno), além de grupos de discussão.

Assunto longe do fim

Google - diversidade

Pode ter certeza de que o assunto ainda vai render muita discussão. Primeiro porque a resposta dada por Danielle Brown vem sendo considerada evasiva. Segundo porque, a despeito dos esforços para mudanças na cultura interna, o Google (assim como várias outras gigantes de tecnologia) ainda tem um longo caminho na promoção da diversidade.

Prova disso está no último relatório anual sobre diversidade, divulgado pelo Google no final de junho: o documento mostra que só 31% dos postos de trabalho da empresa são ocupados por mulheres, e que a participação de negros no quadro de funcionários, por exemplo, é de apenas 2%.

O próprio Google reconhece que os números estão melhores quando comparados a outros anos, mas que ainda há muito trabalho a ser feito. O senso de urgência criado por isso é, possivelmente, o que levou o tal engenheiro a criar o manifesto. Diante disso, há quem veja o documento como um sinal de que as políticas do Google em prol da diversidade já estão fazendo efeito, ainda que timidamente.

Mais sobre: , ,

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Jonatas Hashimoto
"... isso mostra que o caminho correto não é forçar uma diversidade, mas sim, mostrar a todos que eles podem ser o que eles quiserem se realmente sonharem com isso. " Perfeito.
Thiago Mobilon
Ótimas sugestões!
Thiago Mobilon
Elas são ótimas, mas não trabalham com TI. Trabalham cobrindo TI. :P É parecido, mas não é igual. Quero alguém que esteja disputando vagas em grandes empresas tech, pra trabalhar com programação, etc.
Eric Viana
Acho que meu comentário anterior não foi gravado. De qualquer jeito vai de novo. No outro comentário sugeri a Bia Kunze (garotasemfio) e agora vou acrescentar a Stella Dauer do canal Eu Testei no Youtube.
Eric Viana
Bia Kunze :-) seria um ponto de vista super embasado!
gust4v8
não está errado
Danilo Schreiner
https://uploads.disquscdn.com/images/c8ad5cbc726409c6f7135d72f0ed2e64cee67380317a8e0954092e7d3f317ad7.png
Felipe Costa Gualberto
Não concordo com o que esse cara falou, mas defendo a liberdade de expressão. O Google não concordou, e por isso mandou ele embora.
FABIO NEVES
Sendo franco: Sempre haverão profissões com tendências masculinas e outras femininas. Isso faz parte da ordem natural. E, sinceramente, tenho visto um aumento substancial de mulheres na área de TI. É questão de tempo para esse panorama mudar. - Me digam quantos homens dando aula para o ensino primário (Básico) vocês conhecem? - Quantos assistentes sociais homens vocês já viram dentro de um hospital? - Quantas vezes você chegou numa empresa e encontrou um homem ocupando o cargo de secretário executivo? Vejamos: Direito no Brasil até 1990 era um curso predominantemente masculino, hoje, ninguém repara mais nisso. A diversidade foi sendo incluída naturalmente, sem esse coisa de machismo e etc. A tendência do mundo é ele se tornar mais homogêneo. Ninguém percebe, mas já estamos vivendo isso. Mulher há 30 anos nem podia trabalhar....Hoje está aí brigando pelo mercado de trabalho. É questão de tempo a área de TI se equilibrar. Vamos com calma que nem tudo é machismo.....
R0gério
Querem levantar a bandeira da diversidade de raça e sexo, mas não admitem diversidade de pensamento...
Josiel Hen
O certo a se fazer é aos poucos esquecer os valores e rótulos que com o tempo acabamos cultivando. Quando começarmos a ver de forma comum que, mulheres em sua maioria ocupam áreas artísticas e sociais, enquanto que um pequena parcela destas estão envolvidas em áreas sistemáticas e isso sendo apenas um caminho natural dos seres humanos, o tema perderá o foco, a importância e toda uma relevância ao qual é dado hoje. A "polemização" de assuntos como esse atualmente me fazem imaginar uma sala com 10 garotas, sendo que 5 delas (metade, para igualar) são obrigadas a seguir áreas que hoje homens estão em maioria, mesmo que elas não se interessem por essas tais áreas.
Roberto
Digo uma coisa: leiam o texto. Ele não ataca a diversidade, pelo contrário, diz que o Google não é tão diverso quanto parece, já que o Google justamente parece diverso (aparências) mas é homogêneo (ideias). E claro, usaram o cara como um "novo Hitler". VÁ ALÉM DAS MANCHETES.
Ligeiro
Você está enganado. Muito.
Gesonel o Mestre dos Disfarces
Legal que faça isso. por si só, ainda não se trataria de prova cabal.
Lucas
Esse papinho chato de querer calar a todos e taxar a tudo de preconceito e etc, que resultou na eleição do Trump nos EUA, na boa, as pessoas já estão de saco cheio disso, esse povo vai conseguir retroceder toda uma luta por igualdade e contra o preconceito banalizando tudo isso, tornando esse assunto algo bobo. O engenheiro não disse nenhuma mentira, a Google que está sendo totalmente fascista e arbitrária, esse povo maluco daqui a pouco vai querer reescrever os livros de história e dizer q Einstein, Newton e tantos outros eram mulheres. Se os homens praticamente dominaram a terra e fizeram tantas coisas, dominaram tantas áreas do conhecimento ao longo de séculos, algum motivo deve ter, e não é machismo, tem algo a mais nisso tudo, apesar dos pesares, vivemos na natureza, no nosso ecossistema, e não podemos negar nossas raízes biológicas, nossos instintos e etc. Se querem uma prova de que o engenheiro está certo, é só fazer uma pesquisa por conta própria e ver que ele não mentiu.
Anayran Pinheiro
Pode ser qualquer sugestão? Se sim, tem a Camila Achutti, a responsável pelo site https://mulheresnacomputacao.com. Inclusive ela trabalhou na Google, e saberia até abordar como funciona a política deles e tals. As mulheres do mulheres na tecnologia (http://www.mulheresnatecnologia.org) fazem um baita trabalho também, acho que elas seriam uma adição imensa ao tecnocast. Tem uma professora da faculdade que estudo (UnB) que desenvolve um trabalho chamado meninas.comp, que visa a integração das leigas no assunto à área, é bem legal o trabalho dela também. O nome da professora responsável é Maristela Holanda, o e-mail dela é [email protected] (está disponível na página do departamento, http://www.cic.unb.br/professores/). E valeu por escutar a sugestão Mobilon!
Mario Junior ?????????
Você está achando que está enganando alguém aqui com esse comentário a la Karnal? Se achou, sinto muito. Tente na próxima, pois o único troll aqui pelo visto é você.
Mario Junior ?????????
Falou dos snowflakes, chegou um. ?
Thah
Acabei de ler um comentário que diz que nenhuma mulher comentou aqui pq mulheres não se interessam por tecnologia. Eu só queria deixar registrado que desisti de comentar aqui por causa das coisas que estou lendo, mesmo. Eu trabalho na área há 10 anos. Mais empatia, galera, por favor... Valeu galera, abraço o/
Thiago Mobilon
Tá na lista tem um tempão, mas preciso conhecer mulheres que trabalham na área pra participar. Sugestões?
Rafael Gil
Não, não é. Se fosse não haveria a necessidade de se chegar a 50% de mulheres. Uma vez que não temos 50% de mulheres nas áreas de exatas.
Rodrigo
acho o cúmulo do absurdo contratar alguém só por ser homem.
E é pra isso que o Google criou esse departamento de diversidade, pra isso não acontecer. Toda a briga é justamente pra isso, para que não se contratem homens apenas por serem homens. Que acontece direto.
Rafael Gil
Pesquise sobre casos onde não houve discriminação! Também não é difícil. Eu citei várias experiências que tive, não foi uma só. E você não apresentou um caso, mas uma hipótese. Eu nunca disse que estamos no nirvana da diversidade. Não sei de onde você tirou isso. O meu comentário diz que contratar pessoas pelo gênero é errado. Só e apenas isso. Mas você parece achar legal contratar alguém só por ser mulher. Eu acho isso o cúmulo do absurdo. Assim como também acho o cúmulo do absurdo contratar alguém só por ser homem.
Rodrigo
Wat? Você acha que já estamos no nirvana da diversidade, que mulheres já tem todas as condições de brigar de igual para igual com homens por vagas na área de TI. Aí eu apresentei um caso que contradiz isso. UM dentre vários, é só pesquisar. A partir daí ou você ignora a situação, ou procura saber mais, ou pensa ser um caso isolado e toca ficha. Você escolheu achar que é um caso isolado, beleza. O meu comentário por si só não representa a realidade, de fato. Mas existe um aglomerado de terceiros aí que relatam casos semelhantes. Entre pesquisas e reportagens.
Ligeiro
Sim, exato. A tecnologia teve muitas mulheres expressivas na história, uma menina contou nos comentários daqui hoje e poucos prestaram atenção nisso. Só que se há poucas mulheres em uma área que poderia ter mais, e a gente nota também o número de mulheres comentando que tem interesse de entrar na área, mostra que tem algo que realmente está errado.
Ligeiro
Falou o homem falácia. O problema hoje é que depois que descobriram sobre "falácia"< usam isso como argumentação para se provarem certos.
Neku
Realmente, tem algo de errado. Afinal, não se interessar por algo pelo simples fato de você não se identificar com a área tá muito errado.
João Paulo ™
"Perdi! Não quero mais brincar... buáááá"
Rodrigo
Precisamente. Porque então focou no pública, se eu não afirmei predileção por nenhuma delas?
Rodrigo
Nope. Você ridicularizou um termo que o repórter utilizou para desqualificá-lo e, consequentemente, desqualificar seu argumento (a reportagem).
Ligeiro
Porque não me interessa. SImples assim.
Matheus
Fired
João Paulo ™
O objetivo é alcançar quem não vê todos os comentários. Mas porque em vez de pontuar minha insistência com o vídeo, vc não rebate os argumentos contidos dele?
Neku
Afinal, todos sabem o que acontece quando o governo começa a intrometer em economia privada. Todos passam fome.
João Paulo ™
Ô retardado, vc viu eu me referindo a "comercial OU de marketing"? Me referi a uma parte do seu comentário, não ao todo. Depois eu que sou analfabeto...
Ligeiro
Isso. Está vendo? Vocês estão vendo o que estão no meio das pernas para decidir algo. Então como já disseram, respeite o outro não pelo que tem no meio das pernas ou por causa dos trejeitos. Mas sim pelo o que ela faz, não importa o quê
Neku
Mas se aumentarem os salários delas vão anular a lógica de que mulher recebe menos por ser mulher... ?
Ligeiro
Interessante, perdeu os argumentos e rebaixou pensando que sou um "fake do Rodrigo". Fico feliz de pelo menos ser visto como "fake de outro", ao invés de ser visto como outro qualquer online. Isso significa que meu nick perdeu valor, o que é ótimo.
Veritas
Santo Deus, bátima! Nem isto você sabe! Argumentum ad hominem (latim, argumento contra a pessoa) é uma falácia identificada quando alguém procura negar uma proposição com uma crítica ao seu autor e não ao seu conteúdo.
Ligeiro
Uma empresa pode contratar só mulheres e aumentar os salários delas mais do que a de homens. Então seu argumento vai por água abaixo. O problema é que a argumentação de vocês está indo para o lado do gênero.
Veritas
huahuahau o cara usa o outro perfil fake para dar upvote! Sensacional!
Neku
Então pq as empresas não contratam apenas mulheres, assim economizando no pagamento dos salários? Afinal, mulheres recebem menos por serem mulheres, né? E as empresas visam apenas o lucro, correto? ?
Veritas
Deus do céu, Rodrigo... quantos perfis fakes você tem. huahuahua
Rodrigo
Champs, você que apresentou dados estatísticos. Não venha com falácias lógicas. Revertendo o argumento. Mau-caráter da porra. Novamente, pelo jeito custa muito a você estudar. Toma, mais uma jujuba imaginária pra você se deliciar o resto da tarde.
Ligeiro
A vantagem de apagar um perfil é que a pessoa nem sabe quem eu sou. Rodrigo não sou eu.
Veritas
Falando em interpretação: Não afirmei que você disse categoricamente que "ser progressista é coisa de direita". :)
Ligeiro
Para cada vídeo seu, vou colocar esta resposta para tu aprender a parar de vomitar repetições https://uploads.disquscdn.com/images/6517d3736c96f9ae2d6d0aca422445632e9f51a970ea377105c4a640ca71ad5d.png
Ligeiro
Faça este favor de perguntar, preferencialmente em vídeo, de forma sincera e sem imposições. Mas sou mais o exemplo da Lilian que faz mais sentido do que o da sua família.
Ligeiro
Você quer ser o último a escrever. E não duvido que em sua mente você queria "dar um corretivo" em qualquer um contrário a sua opinião (por isso as inúmeras respostas tentando se provar como dono da razão). Então nazista seria mais tu do que eu.
Neku
Da minha família, nenhuma mulher se interessou com área de tecnologia. Simplesmente pelo fato de "acharem complicada demais" ou que "não tem nenhum interesse em códigos". Já as mulheres que não são da minha família, apenas três não atuam na área. Todas as outras trabalham na área de TI. Se quiser, posso perguntar para elas se elas trabalham em um "ambiente hostil" e lhe trazer a resposta.
Ligeiro
Esse véritas é da "escola Cardoso de opiniões estúpidas". Mau carátismo faz parte desta escola.
Veritas
Que coisa de nazista dizer que a pessoa deveria ser presa por expor sua opinião!
Rodrigo
Você realmenta sabe o que é ad hominem? O fato de você desqualiifcar a reportagem por usar o termo "ciberfeminista" (que achei ridículo) é um caso de ad hominem. E se disser que não desqualificou a reportagem, é mau-caráter também. Aí realmente não tem porque continuar discutindo.
Ligeiro
Para cada vídeo seu, vou colocar esta resposta aqui para você sentir o que é ser um chato repetitivo. https://uploads.disquscdn.com/images/6517d3736c96f9ae2d6d0aca422445632e9f51a970ea377105c4a640ca71ad5d.png
Ligeiro
Cara, tu é um babaca conhecido online. Deveria ser preso pela PF.
Ligeiro
Para cada vídeo seu, vou colocar esta resposta aqui que merece ser repetida https://uploads.disquscdn.com/images/6517d3736c96f9ae2d6d0aca422445632e9f51a970ea377105c4a640ca71ad5d.png
Ligeiro
Para cada vídeo seu, vou colocar esta resposta aqui https://uploads.disquscdn.com/images/6517d3736c96f9ae2d6d0aca422445632e9f51a970ea377105c4a640ca71ad5d.png
Rodrigo
Não só custa, como quer ser sempre o último a comentar. Toma aqui uma jujuba imaginária.
Neku
Na minha sala de Análise e Desenvolvimento de sistemas começou com 50 alunos, sendo que mais de 20 eram mulheres. Estamos terminando o curso e apenas 18 pessoas ficaram, sendo apenas 4 mulheres.
Ligeiro
Para cada vídeo seu, vou colocar esta resposta https://uploads.disquscdn.com/images/6517d3736c96f9ae2d6d0aca422445632e9f51a970ea377105c4a640ca71ad5d.png
Neku
Disqus machista taxista dentista artista maquinista opressor
Ligeiro
Posso te matar? Estarei sendo certo se eu matar você e qualquer outro contrário a minha opinião?
Ligeiro
Cara, entenda uma coisa: uma coisa é direito de não gostar, outra é este tipo de discurso como o seu
Ligeiro
Bingo!!!!!
Ligeiro
Você vomitando este vídeo repetitivo parece um idiota.
Ligeiro
Faça a conta: + homens cabeças duras = + preconceitos . Vamos lá Médicos que assediam enfermeiras hoje sofrem mais facilmente punições severas. E vice-versa. Juízes que assediam advogadas são mais difíceis de serem punidos, mas é outra história (vide Lava Jato, e notícias atuais sobre assédios de juízes). Só que em TI e games, as mulheres são alvo fáceis de estupidez (como a sua).
Wellington Gabriel de Borba
Será que eu não sei ou sou crítico das contradições do discurso denominado conservador? Os conservadores atuais falam em certos valores, mas basta olhar para o contexto histórico que os conservadores do passado se opunham a eles. Ser conservador favorável à democracia é muito fácil hoje. Quero ver conservador apoiando monarquia constitucional ou república na modernidade.
Veritas
Novamente mimimi e ainda não apresentou estatísticas... traduzindo: achismos
Neku
Eu li o memorando, não tem nada de machismo, sexismo, racismo, nazismo, evangelismo. Apenas um cara criticando como a Google trabalha e oferecendo sugestões.
Veritas
Novamente não apresentou as estatísticas! kkkkkkkkkk Ou seja, teu discurso é só uma papagaiada inventada por ti para tentar argumentar tua opinião pessoal.
Veritas
huahauahuahua ad hominem
Ad hominem? Cara, tu é preconceituoso... e burro! Você está dizendo que eu citar o termo utilizado na reportagem que VOCÊ MESMO COLOCOU significa que o estou denegrindo? Santo Deus! Aliás, é burro também... já que o ad hominem seria contra ti e não contra um termo de uma reportagem! kkkkkkkkkkkkk
Wellington Gabriel de Borba
Sim, agora falta dizer onde afirmo que ser progressista é coisa de direita. Saudades interpretação.
Wellington Gabriel de Borba
Sim, eu não estou afirmando que é coisa da esquerda ou da direita. Apesar que no Brasil o discurso é tão pobre e o conhecimento das pessoas é tão fraco que você se posicionar a respeito de certos valores você vira de direita ou esquerda. A esquerdas comunistas aplaudem ditaduras como as existentes na antiga União Soviética, em Cuba e agora na Venezuela. A direita se denomina liberal, mas é favorável à ditadura e é contra os direitos humanos, criado por pensadores humanistas. Isso para ficar em poucos exemplos.
Rafael Gil
Só por que já aconteceu é regra? Foi exatamente o que eu disse, vc pode colar vários exemplos aqui e eu também posso. Não vai mudar o fato de que seu comentário foi uma hipótese que não necessariamente representa a realidade.
Rodrigo
Já aconteceu, fera. Não, velho, não faça espantalho, beleza? Falei que tratar experiências pessoais como representativos da realidade é que são merda. O aglomerado das experiências pessoais de terceiros é que vão definir o que realmente acontece, e não a sua.
Rodrigo
huahauahuahua ad hominem
Rodrigo
Eu não estou tentando provar nada, fera. Acha meu discurso inverossímil? Beleza, champs. O fato é que a sociedade, devagar, mas está indo de acordo com meu discurso "inverossímil". Você que tá aí dizendo "ain que mundo chato desse politicamente correto, já tem muitas mulheres trabalhando na TI bla bla bla não precisa de nada disso".
Rafael Gil
Perfeito!
Rodrigo
Pelo jeito custa muito para você.
Rafael Gil
Você só levantou hipóteses no seu comentário. Uma mulher ser menosprezada na entrevista pode ou não acontecer. Você partiu da hipótese de que vai acontecer. O pior é você assumir a hipótese como verdade absoluta baseada em fatos... Você pode colar vários exemplos aqui de casos de machismo e eu posso colocar vários casos de que não houve machismo, mas você mesmo disse que experiências pessoais valem o mesmo que merda, então...
Veritas
Foram baseadas em várias leituras e estudos que confirmam o que argumentei.
huahauahuahu Me pede "estatísticas" mas fica de mimimi. Vá estudar antes de colocar teus achismos, filhote. Não custa nada!
Veritas
huahauahuahua "ciberfeministas"
Veritas
Estastísticas? Tipo aquelas que você não apresenta? kkkkkkkk Já estudou sobre a estória das mulheres na TI brasileira? Vá lá estudar, cara... não faz mal nenhum!
Rodrigo
É a segunda vez que comenta isso, mostra as estatísticas aí, champs.
Rodrigo
Cara, o instituto foi remanejado. Mesmo que este instituto estiver praticando pseudo-ciência, incorreto, eles não são os detentores do estudo de gênero no mundo, saca?
Lilian
Essa seção de comentários é um ótimo exemplo do motivo pelo qual poucas mulheres "se interessam" por tecnologia. Eu nem me assusto mais pois tenho que conviver com esse tipo de coisa diariamente mas não deixa de ser triste.
Rodrigo
Blz fera. Quem sabe um dia saia no jornal.
Rodrigo
Foram baseadas em várias leituras e estudos que confirmam o que argumentei. Não tirei meu argumento da bosta como o seu. DUAS mulheres no universo de milhões de homens. Tá "serto" fera. Não existe machismo.
Rodrigo
Típico do falacioso "grande número" "número absurdamente grande". Mostra as estatística aí, fera. Discurso ultrapassado? Toma aí uma notícia de 2017 http://www1.folha.uol.com.br/tec/2017/02/1855418-ciberfeministas-se-organizam-para-incentivar-mulheres-na-carreira-de-ti.shtml
Rodrigo
"pública, comercial OU de marketing" analfabeto imbecil. O conectivo OU é de exclusão, anencéfalo.
Rodrigo
Não chega ser tão drástico, mas é mais ou menos assim. "Se você escolher carreira de tecnologia vai ser uma solteirona/sapatona" "Mulher term que fazer administração/direito/pedagogia/contábeis" http://www1.folha.uol.com.br/tec/2017/02/1855418-ciberfeministas-se-organizam-para-incentivar-mulheres-na-carreira-de-ti.shtml
Eric Viana
Vai ser difícil, olha a hostilidade existente nesses comentários aqui da thread, tem camarada jurando tá tudo super bem e estão de mimimi falando que é machismo.... enfim, quem tem visão percebe que o mercado está errado, quem não tem, vai responder thread com ataque para comprovar o ponto de vista estranho que possui.
Rodrigo
Exemplo hipotético: algo que poderia acontecer, uma hipótese. Exemplo baseado em relatos e experiências: exemplos que tem como base eventos que aconteceram na realidade. Tanto de um comentário quanto do outro. Mas bom, meu consolo é que você decide PN, então não tem porque ficar aqui discutindo.
Rafael Gil
Diga isso pra quem respondeu meu comentário usando senso comum. A ciência diz que mulheres tem interesses diferentes de homens (o que aliás é observado na prática), mas eu nem toquei nesse ponto no meu comentário inicial.
Rafael Gil
Seu exemplo foi totalmente hipotético, ou vc não sabe o que significa a palavra. Já disse e vou repetir, o foco tem que ser: "uma empresa que contrata pessoas com base em critérios como capacidade técnica, formação e criatividade, não importando a origem, a cultura ou o gênero do indivíduo". Qualquer outra política de inclusão que fuja disso aí acaba sendo discriminatória do mesmo jeito.
Rodrigo
Sim, no caso dum homicida, por exemplo, coitado, a sociedade passou por cima dele e definiu que é errado. Agora ele não pode matar quem quiser, coitado.
PPKX XD ?????????
Trabalhei com muitas mulheres na área, todas excelentes profissionais, analistas de sistemas, de testes, gerentes de projeto, poucas programavam, e não era por preconceito ou algo assim, era simplesmente porque aprenderam na faculdade e não gostaram, mas o povo gosta de vitimizar e polemizar, já trabalhei com muito homem folgado, vagabundo e ruim pra kct, foram demitidos, não ficaram lá por serem homens... Qdo comecei CComp tinha 8 mulheres, 4 desistiram porque o curso não correspondia ao que imaginavam (em 2000 muita gente entrava achando que o curso era pra quem gostava de ficar na internet o dia inteiro, homens e mulheres, no total 30 desistiram), 4 se formaram e não gostavam de programação, 2 continuam na área até hoje, uma dando aulas e a outra como analista de sistemas, queria saber aonde isso foi influenciado por machismo ou falta de diversidade...
Claudio Alves
Eu também acredito que depende da profissão e que exista algumas que as mulheres não se interessam, esse vídeo relata bem isso.
Cesar Pereira
Eu só li verdades sobre o que o Engenheiro disse.
Emerson Alecrim
Tenho problema com essa palavra, thanks.
Exibir mais comentários