Início » Curiosidades » Waze está levando motoristas para uma das maiores ladeiras dos EUA

Waze está levando motoristas para uma das maiores ladeiras dos EUA

Por
27 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Os aplicativos de trânsito são uma mão na roda para a maioria dos motoristas. Afinal, nada como economizar alguns minutos em um trajeto ao utilizar vias alternativas. No entanto, algumas dessas rotas podem causar acidentes.

Em Los Angeles, por exemplo, uma das ladeiras mais inclinadas dos Estados Unidos tem registrado um aumento no número de colisões causadas por motoristas que não são da região. De acordo com moradores da Baker Street, uma rua com 32% de inclinação, são comuns os acidentes que acontecem após os veículos morrerem no meio da subida.

A situação é ainda pior em dias de chuva, já que o asfalto fica bastante escorregadio. Os moradores alegam que a culpa é do Waze, que recomenda o trajeto sem indicar que se trata de uma via bastante íngreme. Eles querem que a rua deixe de aparecer como uma alternativa de rota dentro do aplicativo ou que pelo menos tenha um alerta apontando para os riscos.

O Waze foi acionado pela vizinhança, mas afirmou que não poderá fazer nada a respeito, já que para atender o pedido seria necessário mudar seu algoritmo de “uma forma estranha”. Ao Gizmodo, Julie Mossler, porta-voz do Waze, disse que o aplicativo é o melhor local para indicar situações que podem ser arriscadas.

No entanto, ela negou a existência de um problema. “Atendemos várias ruas de São Francisco com uma inclinação similar à da Baxter Street sem reclamações”, disse Mossler. Ela também afirmou que, por esse motivo, não é possível antecipar a reação dos motoristas em relação a uma determinada rua.

O Waze lembrou que ajuda os motoristas ao informar buracos e inundações, e transferiu a responsabilidade para as autoridades locais. No entendimento do aplicativo, se a cidade definiu a ladeira como uma via pública, ela deve ser incluída normalmente nas sugestões de rota.

Com informações: Los Angeles Times.

Mais sobre: