Início » Computador » Macs com Apple Silicon têm limitações em RAM e placas de vídeo

Macs com Apple Silicon têm limitações em RAM e placas de vídeo

Chip M1 com arquitetura ARM promete melhoria em desempenho, mas há restrições em memória e no uso de eGPUs

Ana MarquesPor

A Apple fez o lançamento de três novos Macs com processador Apple Silicon nesta terça-feira (10). O chip M1 com arquitetura ARM promete ganhos em desempenho e em eficiência energética, mas – como nem tudo são flores – os computadores acabam sofrendo limitações em memória RAM e na compatibilidade com placas de vídeo externas.

Processador M1 (Imagem: Reprodução/Apple)

Processador M1 (Imagem: Reprodução/Apple)

Para começar, a empresa afirma que usuários que desejarem um Mac com mais de 16 GB de memória RAM deverão optar por um modelo com processador Intel, que continuarão à venda e aceitam até 32 GB de RAM – o M1 não é compatível com quantidades superiores, por enquanto.

A limitação indica a necessidade de uma atualização para o processador Apple Silicon em breve, caso a fabricante esteja realmente disposta a atualizar todos os seus Macs (como o iMac e o MacBook Pro de 16”) para chips ARM. Afinal, é pouco provável que o público ao qual esses dispositivos é direcionado se contente com essa restrição em memória.

Novos Macs com Apple Silicon não suportam eGPUs

Já na parte gráfica, outra restrição significativa para a comunidade profissional: os Macs com o chip M1 não são compatíveis com placas de vídeo externas (eGPUs) – algo que potencialmente tornaria o poder de fogo dos laptops bem mais interessante, especialmente em modelos que custam menos.

A informação sobre a incompatibilidade foi confirmada ao TechCrunch pela Apple, e significa que os clientes que optarem pelos Macs apresentados hoje estarão limitados às GPUs integradas ao SoC da fabricante, que conta com 8 ou 7 núcleos, a depender do modelo.

Por fim, os computadores mantêm as portas Thunderbolt 3 em vez de fazer a atualização para o padrão mais recente (Thunderbolt 4), que traz melhorias como o suporte a dois monitores de 4K (ou um de 8K) e a capacidade para docks com até quatro portas Thunderbolt 4.

Apesar das limitações, os novos Macs chegam com preço salgado no Brasil: o mais barato é o Mac Mini, que sai por, no mínimo, R$ 8.999. O MacBook Air custa a partir de R$ 12.999 e o MacBook Pro parte de R$ 17.299. A Apple ainda não divulgou a data de lançamento dos computadores no mercado nacional.

Com informações: The Verge, TechCrunch e MacRumors

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
10 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Alberto Prado (@Alberto_Prado)

Passa a impressão que faltou tempo para lapida melhor o M1. Parece que querem se livra da Intel o mais rápido possível.

Braz Moura Locateli (@brazlocateli)

Apple matando o Mac é algo triste de ver!

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Esperar para ver o quão real são as promessas, mas se esse M1 for 50% do que falaram, já é outro patamar de qualquer coisa que a Intel planeja oferecer no médio prazo para esse segmento de ultrabooks de $999,00. Para esse segmento, esse ganho expressivo de bateria e GPU, são diferenciais enormes.

Eles não atualizarem os demais é um bom sinal que estão preparando uma versão de 32GB para os modelos mais parrudos, mas temo que as eGPUs fiquem de fora sim.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Vamos só lembrar que faltam alguns Macs para serem atualizados. Ontem foi apenas o começo. Ela precisava lançar para que a comunidade dev possa ter a ferramenta de trabalho em mãos.

E a Apple não é boba, está reservando design novo e chips da série M mais potentes para os próximos lançamentos. Tudo é planejado. Essas datas não são aleatórias, são meticulosamente planejadas para distribuir o ciclo de vendas durante os trimestres fiscais.