Depois de um longo período de discussão interna, que foi amplamente divulgada pela mídia nos Estados Unidos, o Facebook e a Federal Trade Commision (Comissão Federal do Comércio, a FTC) selaram um acordo que regula algumas das condições para que o Facebook continue a operar como a rede social que nós conhecemos. O mais importante dos termos visa a auditoria bienal das práticas de privacidade do site.

Isso significa que, a cada dois anos, auditores terão acesso a documentos e ao sistema por trás do Facebook para averiguar se a empresa realmente está cumprindo a sua palavra quando diz que protege a privacidade do internauta que utiliza a rede social como forma de se relacionar com amigos, familiares e empresas com presença na internet.

Mais: Facebook (de novo) na mira das autoridades europeias

O Mark Zuckerberg, criador e atual CEO do Facebook, publicou um artigo bastante longo no qual fala dos acertos e dos erros do Facebook nesses anos todos de existência. Zuckerberg diz que houve erros em momentos recentes, mas que eles não podem colocar de lado o histórico de respeito à privacidade e ao usuário. Ele diz estar pessoalmente comprometido com a privacidade, e dá boas vindas ao acordo com a FTC para chegar nessa finalidade.

Controle de privacidade

Além das auditorias bienais pelos próximos 20 anos, o Facebook não poderá manter dados de usuário após 30 dias do encerramento da conta. Caso o façam, a empresa terá que pagar a multa de US$ 16 mil por infração e por dia, até que o problema seja resolvido. Pode parecer bastante, mas cabe lembrar que a rede social planeja para 2012 atingir um IPO (a oferta pública de ações) na casa dos US$ 100 bilhões. Estamos falando de cifras altíssimas a todo momento.

Outro termo do acordo com o governo americano prevê que o Facebook torne cada mudança em seu site opcional. Ou seja, o usuário teria que concordar ativamente para ver novos recursos em funcionamento. A decisão vale para o que está em desenho nos escritórios do site e para o que o Facebook ainda nem tem ideia de que vai inventar. Dessa forma, a tendência é que os usuários fiquem mais protegidos.

Diversas das reclamações endereçadas pela FTC ao Facebook dizem respeito a episódios antigos, de mais de dois anos atrás. O CEO do site diz isso claramente em sua defesa dos interesses do Facebook. E ainda afirma que todos eles foram resolvidos prontamente — à FTC coube dar mais explicações.

Zuckerberg diz que o Facebook cometeu alguns enganos, mas vem acertando continuamente faz dois anos. O mais recente lançamento da empresa em termos de privacidade dos dados do usuário foi o novo controle que permite definir quais grupos de usuários vão ver cada única atualização publicada na rede social. Nesse aspecto, tenho que concordar com ele: finalmente nós temos controle total daquilo que compartilhamos.

Recomendo a leitura do artigo de Zuckerberg defendendo o Facebook e comentando o acordo com a FTC. Parece que os usuários estão realmente mais protegidos de futuras mudanças de humor na administração da rede social. Inclusive, o CEO nomeou dos executivos de privacidade, que assumem cargos relacionados a produtos e a serviços, novamente com o objetivo de proteger a tão almejada privacidade.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

@superdereck
o que me chateia no facebook é que se eu comento na foto de algum amigo meu, aparece na timeline dos meus amigos a foto gigantesca e dizendo: Fulano comentou na foto de tal pessoa. isso me incomoda muito, e até confunde, a foto aparece tão grande que quando amigos meus comentam nas fotos dos outros acho até que eles postaram tais fotos.
Yangm
"Inclusive, o CEO nomeou dos executivos de privacidade, que assumem cargos relacionados a produtos e a serviços, novamente com o objetivo de proteger a tão almejada privacidade." Uno, dos, tres!
Vinicius Kinas
US$ 100 bilhões? Tudo bem que é a rede social mais famosa do mundo, tem milhões de usuários, contratos de publicidade pra todo lado, mas o que justifica esse valor absurdo? Eles não tem esse valor investido em instalações físicas, nem clientes tão grandes para justificar. Ninguém lembra do que aconteceu no fim da década de 90 (durante a explosão das primeiras empresas da internet) ?