Tetris: melhorando cérebros humanos desde 1984

Rafael Silva
Por

Recentemente várias pesquisas feitas em torno de games tem retornado resultados positivos. Em dezembro do ano passado um estudo publicado pelo jornal médico Psychology & Aging mostrou que jogos de estratégia em tempo real pode melhorar funções cognitivas em idosos. E em março desse ano pesquisadores da Universidade de Rochester, em Nova York, descobriram que games de tiro em primeira pessoa melhoram a visão. Ontem foi revelado mais um estudo desse tipo, que ajuda a provar que jogos não são só perda de tempo.

A pesquisa, que foi realizada pela Mind Research Network, mostrou que jogar Tetris aumenta a massa cerebral. Para chegar à essa conclusão, o instituto escolheu 26 garotas adolescentes e instruiu 15 delas a jogarem 15 minutos de Tetris todo dia durante 3 meses, enquanto que as outras 11 foram instruídas a não jogarem. Os pesquisadores então fizeram a ressonância magnética do cérebro de cada uma delas antes, durante e depois das partidas. O resultado da comparação entre os cérebros das que jogaram contra as que não jogaram foi a imagem abaixo.

cerebrotetris

Na esquerda, está o hemisfério esquerdo e na direita, o hemisfério direito. Na parte azul estão as áreas com funções cerebrais que ficaram mais eficientes em quem jogou Tetris e a parte vermelha demonstra áreas em que o córtex ficou mais denso. Ou seja, quem joga Tetris por ao menos 15 minutos todos os dias terá um cérebro mais rápido e com mais massa cinzenta.

O estudo completo tem 24 páginas e está disponível para download em inglês neste link (PDF). É importante notar que ele foi financiado pela Blue Planet Software, desenvolvedora do Tetris. [Wired]

Rafael Silva

Ex-autor

Rafael Silva estudou Tecnologia de Redes de Computadores e mora em São Paulo. Como redator, produziu textos sobre smartphones, games, notícias e tecnologia, além de participar dos primeiros podcasts do Tecnoblog. Foi redator no B9 e atualmente é analista de redes sociais no Greenpeace, onde desenvolve estratégias de engajamento, produz roteiros e apresenta o podcast “As Árvores Somos Nozes”.

Relacionados

Relacionados