Arquivo Ciência

De olho em wearables, Samsung anuncia técnica para produção de grafeno em larga escala

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Você já sabe que todo dia surge uma utilidade nova para o grafeno, mas se este material é tão milagroso assim, onde estão os dispositivos baseados nele? O que acontece é que sintetizar grafeno para uso em componentes eletrônicos ainda é um processo complexo e consideravelmente caro. Mas, em um anúncio feito nesta sexta-feira (4), a Samsung afirma ter conseguido superar esta limitação.

O grafeno tem se mostrado como um dos queridinhos da ciência nos últimos anos por conta de suas propriedades assombrosas: trata-se de um material até 300 vezes mais resistente que o aço, que conduz eletricidade de maneira muito mais eficiente que o cobre, é extremamente leve e bastante flexível, por exemplo.

Graças a um trabalho feito em conjunto com pesquisadores da Universidade de Sungkyunkwan, em Seul, na Coreia do Sul, a Samsung conseguiu desenvolver uma técnica que promete dar um fim na dificuldade que a indústria vem enfrentando para aproveitar estes e os demais benefícios do grafeno que os cientistas vivem descobrindo.

Wearables: a aposta da indústria para os próximos anos

Wearables: a aposta da indústria para os próximos anos

Ainda não há muitos detalhes sobre o assunto (os resultados da pesquisa foram publicados inicialmente na publicação científica Science Magazine: Science Express, que é de acesso restrito), mas o que se sabe é que os pesquisadores conseguiram descobrir um método de sintetizar partículas de grafeno em componentes eletrônicos sem que o material perca suas propriedades elétricas e mecânicas, como vem acontecendo até agora.

A melhor parte é que os pesquisadores conseguiram desenvolver esta técnica considerando uma produção em larga escala, o que deve reduzir os custos e, finalmente, viabilizar a entrada de dispositivos baseados em grafeno no mercado.

E quais as motivações da Samsung nesta história toda? A própria companhia responde: o grafeno é ótimo para a produção de telas flexíveis e, além disso, pode ser implementado em componentes tão pequenos que deve dar uma guinada no segmento de dispositivos vestíveis.

A Samsung só não revelou quando veremos estes produtos no mercado, até porque do desenvolvimento da tecnologia até a sua implementação há um largo caminho a ser percorrido. Mas é inegável: se a técnica cumprir o que promete, o primeiro passo já está dado.

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque