Nokia 215 é um celular barato que acessa a internet e dura até um mês na bateria

Paulo Higa
Por

As vendas de celulares básicos estão diminuindo a cada dia, mas ainda há algum espaço para eles. Tanto é que a Microsoft anunciou nesta segunda-feira (5) o Nokia 215, um aparelho barato que possui acesso à internet, opção com suporte a dois chips e preço sugerido de apenas US$ 29.

Segundo a Microsoft, o Nokia 215 é o celular com acesso à internet mais acessível que a empresa já lançou até o momento. Claro, nada muito sofisticado: ele só suporta redes 2G, com velocidade máxima teórica de até 236,8 kb/s, e não possui Wi-Fi. Mas o básico está lá: há acesso ao Facebook, Twitter, Facebook Messenger, busca do Bing, previsão do tempo e Opera Mini.

Quanto ao hardware, o Nokia 215 é formado por uma tela de 2,4 polegadas (320×240 pixels), câmera traseira de 0,3 MP com foco fixo, Bluetooth, rádio FM e entrada para cartão microSD de até 32 GB. A bateria é de 1.100 mAh e dura uma eternidade: no modelo single SIM, são até 29 dias em standby, 20 horas de conversação e 50 horas de música.

Mas o que importa é que o Nokia 215 traz o recurso mais essencial de todos em um celular de US$ 29:

nokia-215-lanterninha

Com foco em mercados emergentes (e talvez para quem procura um segundo celular), o Nokia 215 será lançado no primeiro trimestre do ano, inicialmente no Oriente Médio, África, Ásia e Europa. Ainda não há detalhes sobre o lançamento do celular no Brasil — no entanto, com essas frequentes promoções de Lumias por menos de 300 reais no varejo, talvez o Nokia 215 nem seja tão necessário por aqui.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados