Arquivo Ciência

Este acessório para smartphone faz testes de HIV em 15 minutos

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Smartphones são dispositivos tão versáteis que podem ser aplicados em uma variedade imensa de áreas, inclusive medicina: pesquisadores da Universidade de Columbia criaram um pequeno dispositivo que, quando ligado ao conector dos fones, transforma o celular em um equipamento capaz de auxiliar no diagnóstico de doenças infecciosas, como AIDS e sífilis.

Dispositivo para teste de HIV

O funcionamento é simples: basta que uma única gota de sangue seja colocada em uma lâmina que, no passo seguinte, é encaixada no dispositivo. O aplicativo correspondente identifica o paciente e, na sequência, coordena todas as fases do teste. O resultado sai em 15 minutos.

Com o uso dos reagentes químicos adequados, a invenção é capaz de realizar praticamente todas as funções mecânicas, ópticas e eletrônicas do teste Elisa, um dos tipos mais utilizados atualmente para auxílio no diagnóstico de AIDS. Mas, enquanto equipamentos laboratoriais dedicados podem exigir investimentos de mais de US$ 18 mil, o acessório em questão custa apenas US$ 34.

É neste ponto que vem a inevitável pergunta: um dispositivo tão barato como este fornece resultados confiáveis? Sob liderança do professor Samuel K. Sia, é o que a equipe responsável pelo projeto vem tratando de descobrir.

Para tanto, os cientistas foram até Ruanda, país com elevado índice de contaminação com HIV, e testaram o dispositivo em 96 pacientes.

Na avaliação geral, os resultados foram quase tão precisos quanto aqueles realizados por equipamentos tradicionais: os pesquisadores constataram sensibilidade (capacidade de indicar corretamente a doença) de 92% a 100% e especificidade (capacidade de excluir corretamente não infectados) de 79% a 100%.

É claro que a ideia aqui não é permitir que você compre o acessório e faça os testes por si só. O projeto está sendo desenvolvido para auxiliar equipes de saúde que atuam em regiões com pouca ou nenhuma infraestrutura, como é o caso de Ruanda. “Nós sabemos que o diagnóstico precoce e o tratamento de mulheres grávidas pode reduzir as consequências adversas em mães e bebês”, exemplifica Sia.

A adoção em larga escala do dispositivo depende de mais testes, obviamente. Financiamento para as próximas etapas já há: entre as entidades que apoiam o projeto está o governo da Noruega e a Fundação Bill e Melinda Gates.

Com informações: Reuters

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque