Zoom pede desculpas e promete corrigir falhas de segurança

CEO reconheceu falhas e anunciou ações para melhorar segurança e privacidade do Zoom

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 2 anos
Zoom

A pandemia de coronavírus (Covid-19) fez do Zoom uma ferramenta extremamente popular para videochamadas, mas esse sucesso veio acompanhado de um alerta: o serviço tem várias falhas de segurança e privacidade. O problema é tão sério que levou Eric S. Yuan, CEO da empresa, a pedir desculpas e prometer soluções.

Todo software ou serviço online está sujeito a vulnerabilidades, por isso, o que torna essas ferramentas mais ou menos confiáveis não é a simples existência desses problemas, mas as medidas de correção e prevenção que os responsáveis adotam em resposta. É nisso que a Zoom Video Communications vem falhando.

Os problemas vão de termos de uso que permitem coleta de informações das videochamadas para fins publicitários à criptografia ponta a ponta nas transmissões que, na verdade, não funciona dessa forma.

Alguns problemas foram corrigidos ou amenizados, mas outros continuam carentes de respostas mais enérgicas. Como consequência, a recomendação de especialistas em segurança tem sido a de tomar cuidado com o Zoom. Por ora, o ideal é evitar ou reduzir o uso do serviço.

Diante da enxurrada de críticas, Eric S. Yuan decidiu se manifestar. “Reconhecemos que não atingimos as expectativas de privacidade e segurança”, disse em nota publicada no blog do Zoom. Na mesma mensagem, o executivo se desculpou por isso e prometeu providências.

Entre elas está uma mudança de foco: o desenvolvimento de novos recursos será deixado de lado por algum tempo para que problemas de segurança, privacidade e confiabilidade sejam tratados o quanto antes.

Yuan também prometeu ouvir especialistas e usuários para entender as necessidades de segurança de todos os perfis de uso. O executivo destacou que o Zoom foi idealizado para clientes corporativos, por isso, a chegada de usuários domésticos, estudantes e afins revelou desafios não previstos.

Outras providências incluem a preparação de um relatório de transparência — provavelmente, em resposta às investigações que a procuradoria-geral de Nova York tem conduzido sobre os problemas do Zoom — e o aprimoramento do programa de recompensas por bugs da companhia.

É torcer para essas medidas serem sérias e efetivas. Ao contrário de vários outros serviços, o Zoom tem crescido enormemente diante do cenário de pandemia. Desperdiçar essa oportunidade faria do serviço um exemplo notável de má gestão.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados