GitHub envia 21 TB ao Ártico para preservar códigos por 1.000 anos

Filmes fotossensíveis com backup de repositórios do GitHub foram depositados no Ártico e devem aguentar um milênio

Paulo Higa
Por

As empresas costumam fazer cópias de segurança periódicas para garantir que seus dados não sejam perdidos, mas o GitHub foi (muito) além: o GitHub Archive Program é um plano para preservar os repositórios de softwares por um milênio. E a companhia acaba de depositar filmes com 21 terabytes de códigos-fontes em um arquipélago no Ártico. Sim, filmes. No Ártico.

GitHub Archive Program

O GitHub Archive Program tem como missão “preservar softwares de código aberto para as futuras gerações”. Em parceria com o Internet Archive, a Microsoft Research e outras instituições, o serviço quer guardar os códigos “armazenando múltiplas cópias, continuamente, em vários locais e formatos de dados, incluindo um arquivo de longo prazo projetado para durar pelo menos 1.000 anos”.

Mesmo discos rígidos, SSDs ou mídias ópticas duram apenas algumas décadas. Uma fita de backup armazenada em condições ideais de temperatura e umidade tem vida útil estimada em 30 anos. Por isso, a solução foi guardar todos os repositórios em piqlFilm, um filme digital fotossensível para arquivamento de dados de longa duração. Cada bobina de filme tem 1 km de comprimento.

Filme Piql

Em meio a uma pandemia global, a logística precisou ser adaptada. Primeiro, o GitHub criou uma cópia de todos os repositórios públicos em 2 de fevereiro de 2020. Depois, a empresa de arquivamento Piql, cuja sede fica na Noruega, gravou os códigos em 186 bobinas de filmes, um processo que levou meses para ser concluído.

Então, diversas caixas com os filmes de arquivamento voaram até a capital norueguesa Oslo antes de seguir viagem para o arquipélago Svalbard, que está sob soberania da Noruega, mas pode ser acessado livremente pelos 46 países que assinaram o Tratado de Svalbard (o Brasil não é um deles). Svalbard tem 2,9 mil habitantes que sobrevivem a temperaturas médias de 5 ºC no verão e -14 ºC no inverno.

GitHub Archive Program

Depois de desembarcar em Svalbard, os filmes do GitHub viajaram para uma mina de carvão desativada e finalmente, em 8 de julho de 2020, foram depositados em uma câmara com centenas de metros de profundidade coberta com permafrost (reza a lenda que o nome em português é “pergelissolo”), um tipo de solo comum no Ártico, composto por terra, gelo e rochas, que pode permanecer congelado por anos.

“Futuros historiadores poderão aprender sobre nós a partir de projetos e metadados de código aberto”, diz o GitHub. “Eles podem considerar nossa era da onipresença do código aberto, das comunidades de voluntários e da Lei de Moore como historicamente significativas”.

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista, com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados

Relacionados