GitHub leva recurso de IA que sugere código a desenvolvedores para empresas

GitHub Copilot for Business desembarca para atender empresas que querem aumentar a produtividade; ferramenta de inteligência artificial custa US$ 19 por usuário

Bruno Gall De Blasi
Por
GitHub (imagem: divulgação)
GitHub (Imagem: Divulgação)

GitHub Copilot é um recurso que ajuda desenvolvedores ao sugerir códigos. Quase um ano depois da sua estreia, o GitHub informou que a ferramenta de inteligência artificial (IA) já está disponível para todas as empresas, com o objetivo de aumentar a produtividade no dia a dia profissional. A plataforma corporativa também recebeu algumas otimizações para melhorar a qualidade das recomendações.

O Copilot veio ao mundo em junho do ano passado, quando a plataforma da Microsoft oficializou a novidade em parceria com a OpenAI. Na época, a solução foi apresentada após um longo período de testes iniciado em junho de 2021, cujo preview recebeu 1,2 milhão de inscrições de desenvolvedores interessados.

A ferramenta tem como objeto auxiliar programadores no dia a dia. Afinal, o Copilot indica tanto linhas de código simples quanto ações complexas em tempo real. A ferramenta também é compatível com uma vasta lista de editores, incluindo o Neovim, Visual Studio Code e os ambientes JetBrains.

Já a cartela de linguagens abrange as opções mais conhecidas do mercado: Python, JavaScript, Ruby, Go e C++. Mas nada é de graça: atualmente, o plano individual custa US$ 10 ao mês ou US$ 100 por ano, cerca de R$ 50 e R$ 520, respetivamente, em conversão direta.

Mesmo assim, tudo isso se tornou um sucesso. O GitHub lembrou que, em junho de 2022, a solução já estava gerando 27% do código das pessoas desenvolvedoras na plataforma. “Hoje, isso acontece cada vez mais: segundo o GitHub, atualmente em média 46% dos códigos são criados usando o Copilot em todas as linguagens de programação e 61% entre os desenvolvedores que usam Java”, ressaltaram.

Mas agora é a vez de levar o avanço para as empresas, com o GitHub Copilot for Business.

GitHub Copilot (imagem: reprodução/GitHub)
GitHub Copilot (imagem: reprodução/GitHub)

GitHub Copilot for Business é anunciado

Após o lançamento geral do serviço, a plataforma começou a focar no público corporativo. Assim, surgiu o GitHub Copilot for Business, que leva a ferramenta para todas as empresas interessadas com alguns extras em relação ao plano individual.

A modalidade custa US$ 19 por usuário (por volta de R$ 100) e traz todos os benefícios da opção individual. Porém, a opção corporativa oferece um controle de licenças e até a possibilidade de gerenciar as políticas do serviço de acordo com as necessidades da empresa.

Todo esse investimento, segundo uma pesquisa do GitHub feita em junho de 2022, ajuda a melhorar a produtividade.

“90% das pessoas que usaram o GitHub Copilot relataram que concluíram tarefas mais rapidamente, com 73% mais capacidade de permanecer no fluxo de trabalho e conservar a energia mental”, observaram. “O estudo também descobriu que até 75% dessas pessoas se sentem mais realizadas e capazes de se concentrar em um trabalho mais satisfatório.”

GitHub Copilot (imagem: divulgação/GitHub)
GitHub Copilot (imagem: divulgação/GitHub)

Ferramenta traz melhorias para empresas, aponta CEO

O CEO da plataforma, Thomas Dohmke, também apresentou algumas otimizações ao serviço destinado ao público corporativo. É o caso de uma melhoria no modelo de IA, para incrementar a qualidade das sugestões de código em 44%.

Também há uma filtragem de vulnerabilidade de segurança baseada em IA. Este incremento bloqueia automaticamente sugestões comuns de código inseguro, visando problemas como credenciais codificadas, injeções de SQL e injeções de path.

Por fim, o GitHub for Business traz suporte a proxy VPN.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi

Ex-autor

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Escreveu para o TechTudo e iHelpBR. No Tecnoblog, atuou como autor entre 2020 e 2023.

Canal Exclusivo

Relacionados