Garmin Fenix 7X é um relógio com GPS, recarga solar e bateria de até 24 dias

Nova linha de smartwatches Garmin Fenix 7 está disponível em três tamanhos, com duas edições construídas em titânio e habilitadas para carregamento solar

Murilo Tunholi
Por

A Garmin finalmente revelou as melhorias da próxima geração da linha Garmin Fenix 7 — smartwatches focados em monitoramento de atividades físicas. Além de mostrar os modelos reformulados em diferentes tamanhos, com GPS, recarga solar e bateria de até 24 dias, a fabricante também apresentou a versão atualizado do Epix, cuja tela fica sempre ligada.

Garmin Fenix 7 é o novo smartwatch da fabricante com carregamento solar (Imagem: Divulgação/Garmin)
Garmin Fenix 7 é o novo smartwatch da fabricante com carregamento solar (Imagem: Divulgação/Garmin)

Os novos Fenix 7 estarão disponíveis em três tamanhos diferentes: o menor Fenix 7S, com coroa de 42 mm, o mediano Fenix 7, com 47 mm, e o maior de todos os Fenix 7X, com 51 mm. As duas primeiras versões serão fabricadas em um polímero de fibra reforçado, mas a fabricante também irá liberar edições especiais Solar e Sapphire Solar para todos os relógios.

No caso do Fenix 7X, somente as edições Solar e Sapphire Solar vão chegar ao mercado. Essas versões serão construídas em titânio e terão tela de safira para aumentar a durabilidade do produto. Os modelos da linha Solar também irão contar com recarga solar — recurso muito buscado pelos praticantes de esportes ao ar livre.

Em comparação com o Fenix 6X Pro de 2019, os três modelos do Fenix 7 garantem 54% a mais de área de detecção do sol. Em outras palavras, a autonomia da bateria dos novos smartwatches deve ser consideravelmente maior. Segundo a Garmin, com o GPS ligado, o Fenix 7X pode funcionar por até 578 horas com o carregamento solar. Em detalhes, autonomia de cada versão fica assim:

ModeloBateria sem carregamento solar Bateria com carregamento solar
Garmin Fenix 7S90 horas (cerca de 4 dias)162 horas (cerca de 7 dias)
Garmin Fenix 7136 horas (cerca de 5 dias e meio)289 horas (cerca de 12 dias)
Garmin Fenix 7X213 horas (cerca de 9 dias)578 horas (cerca de 24 dias)

Ainda de acordo com a Garmin, os Fenix 7 terão suporte a todos os principais sistemas de satélite, além da frequência de sinal L5, a qual oferece mais precisão em “ambientes desafiadores para GPS”. Os smartwatches também irão contar com controles tanto pela tela sensível ao toque quanto por botões físicos, assim como uma lanterna de LED na cor branca ou vermelha para ajudar na visibilidade de atletas à noite.

Linha Garmin Fenix 7 (Imagem: Divulgaçãp

Na parte de software, os Fenix 7 serão equipados com um medidor de energia capaz de comprar o desgaste físico realizado em diferentes níveis de esforço. Haverá também um recurso chamado Up Ahead, que irá informar ao usuário a localização de postos de saúde, elevações no trajeto, lojas de água e outros pontos de interesse pelo caminho.

Nos EUA, o Fenix 7S e o Fenix 7 custam a partir de US$ 699,99 (R$ 3,9 mil em conversão direta), podendo chegar a até US$ 899,99 (R$ 5 mil) na versão mais luxuosa. Já o Fenix 7X começa em US$ 899,99 e pode ser encontrado por até US$ 999,99 (R$ 5,6 mil). Por enquanto, os novos modelos ainda não estão disponíveis na loja brasileira da Garmin.

Novo Garmin Epix pode ficar com a tela sempre ligada

Garmin Epix tem tela que fica sempre ligada (Imagem: Divulgação/Garmin)

Além dos Fenix 7, a Garmin também apresentou o novo Epix de 47 mm. O smartwatch é quase idêntico ao Fenix 7, mas com alguns diferenciais. Nesse modelo, o display usa painel OLED e fica sempre ligado e não há lâmpada de LED, nem carregamento solar. De resto, todos os outros recursos estão presentes, como botões físicos, tela sensível ao toque e medidor de energia.

A Garmin informa que o Epix funciona por até 16 dias com uma única carga, sendo que ele aguenta seis dias diretos de uso com a tela sempre ligada. O relógio está disponível em três cores diferentes, sendo que a edição de metal custa US$ 899,99, e as versões em titânio preto e branco saem por US$ 999,99.

Com informações: The Verge, Android Authority.

Relacionados

Relacionados