Facebook baniu contas falsas que se passavam por ONGs ambientais no Brasil

Páginas do Facebook e do Instagram criticavam organizações reais e defendiam política ambiental do governo; dois militares estavam envolvidos

Giovanni Santa Rosa
Por

Em um relatório publicado nesta quinta-feira (7), a Meta revelou ter derrubado 14 contas e nove páginas do Facebook e 39 contas de Instagram que se passavam por organizações não-governamentais (ONGs) e ativistas com foco em questões ambientais na Floresta Amazônica. Segundo a empresa, a rede tinha ligações com dois militares.

Logotipo do Facebook
Facebook (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

As páginas falsas faziam posts dizendo que o desmatamento não é tão nocivo e criticavam organizações legítimas que se posicionam contra a destruição da Floresta Amazônica.

Segundo o documento da Meta, as contas também postavam memes originais, conteúdos de grandes portais e posts de fotógrafos e do Greenpeace, provavelmente em uma tentativa de disfarçar que as páginas eram falsas e conquistar confiança.

A empresa de monitoramento Graphika, com quem a Meta compartilhou os dados de sua investigação, diz que a operação não conseguiu construir uma audiência significativa.

De acordo com os dados coletados, 1.170 contas seguiam uma ou mais dessas páginas no Facebook. Já no Instagram, 23.600 contas seguiam um ou mais perfis. Foram gastos ainda US$ 34 em propagandas nas duas redes, valor pago em reais brasileiros.

Fotos e endereços copiados

O relatório da Graphika traz mais detalhes sobre a operação.

As contas pessoais que se passavam pelos ativistas e administradores das ONGs eram feitas usando fotos copiadas de pessoas reais e de redes como Pinterest. Outro comportamento típico era seguir apenas contas verificadas de marcas ou celebridades.

A empresa diz que algumas contas provavelmente usavam fotos de perfil criadas usando inteligência artificial.

Seguidores das ONGs falsas com fotos provavelmente geradas usando inteligência artificial
Seguidores das ONGs falsas com fotos provavelmente geradas usando inteligência artificial (Imagem: Reprodução/Graphika)

Uma das ONGs fake, a NaturAmazon, postava exatamente os mesmos conteúdos no Facebook e no Instagram. As imagens continham logo da organização falsa e a arroba para seguir nas redes. Além disso, os posts traziam hashtags em português e em inglês.

O endereço listado pela NaturAmazon era de um galpão comercial abandonado na cidade de Manaus (AM).

A ONG falsa promovia conteúdos que louvavam as iniciativas de proteção da floresta feitas pelo governo brasileiro e especificamente pelo Exército.

Post no Facebook da ONG falsa NaturAmazon
Post no Facebook da ONG falsa NaturAmazon (Imagem: Reprodução/Graphika)

Outra organização fake era a Amazônia Sustentável. O nome parecia sob medida para se confundir com duas entidades reais: a Rede Amazônia Sustentável e a Fundação Amazônia Sustentável.

As páginas da Amazônia Sustentável no Facebook e no Instagram não decolaram e ficaram com apenas 40 seguidores. O que chama a atenção é o endereço escolhido: o mesmo do Greenpeace em São Paulo (SP).

ONG falsa Amazônia Sustentável dizia ter o mesmo endereço do Greenpeace
ONG falsa Amazônia Sustentável dizia ter o mesmo endereço do Greenpeace (Imagem: Reprodução/Graphika)

A rede contava ainda com uma conta dedicada a criticar ONGs, além de páginas que se passavam por movimentos anti-Bolsonaro.

Envolvimento de militares

A Graphika diz também que dois perfis do Facebook e duas contas do Instagram pertenciam a indivíduos reais que estavam servindo o Exército Brasileiro em dezembro de 2021. Os nomes dos donos das contas aparecem inclusive nos registros de pagamentos a funcionários federais.

A empresa chegou à conclusão de que as contas eram reais pelo longo período de conteúdo postado, com mais de dez anos de fotos. Além disso, havia interação com colegas e familiares, todos com nomes e contas reais.

Com informações: G1, Estadão.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Relacionados

Relacionados