Amazon pode criar seu próprio serviço de transporte para competir com FedEx e UPS

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 mês

Enquanto a Amazon planeja um armazém para expandir suas operações no Brasil, nos Estados Unidos a empresa quer algo maior: criar um serviço de transporte próprio. Pelo menos é o que afirma o Wall Street Journal: a Amazon passaria a competir diretamente com as gigantes FedEx e UPS, transferindo todo o processo de logística para dentro da empresa.

Segundo a publicação, o novo serviço se chamará Shipping with Amazon (SWA) e será lançado nas próximas semanas em Los Angeles. Nesta fase inicial, a ideia é transportar as mercadorias dos comerciantes do marketplace da Amazon para os consumidores, mas o projeto pode se expandir para acomodar outros negócios. Acredita-se que os custos de envio serão menores que os da FedEx e UPS.

Não é como se a Amazon fosse novata na área: a empresa já gerencia o transporte de mercadorias pelo Oceano de vendedores chineses para os armazéns nos Estados Unidos; tem centros de distribuições espalhados pelo mundo; e já entrega seus próprios pedidos em mais de 30 cidades americanas. O Prime Now promete carnes, frutos do mar e outros produtos frescos na casa do cliente em duas horas.

Mas é claro que um serviço de transporte próprio em larga escala pode abrir novas oportunidades para a Amazon — que pode oferecer vantagens que não seriam possíveis com uma empresa de logística terceirizada. Fico imaginando como seria se algo parecido chegasse ao Brasil.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados