Immutouch é uma pulseira que vibra para você não tocar seu rosto

Sim, a pulseira Immutouch é mais uma ideia para prevenção do coronavírus (Covid-19)

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 1 ano e 7 meses
Pulseira Immutouch

“Enquanto uns choram, outros vendem lenços”. Essa frase poderia ser o lema da Slightly Robot: a startup desenvolveu uma pulseira chamada Immutouch que vibra toda vez que o usuário estiver prestes a tocar o seu próprio rosto. Por que alguém compraria um wearable como esse? Para se prevenir do coronavírus (Covid-19).

Até recentemente, a Slightly Robot trabalhava apenas com uma pulseira inteligente que vibra para ajudar pessoas que sofrem de dermatilomania, tricotilomania ou onicofagia a lidar com a compulsão para, respectivamente, coçar excessivamente a pele, arrancar fios de cabelo ou roer as unhas.

Com o atual cenário do coronavírus, as pessoas estão tentando não tocar o próprio rosto: não levar a mão à boca, nariz ou olhos pode reduzir as chances de contaminação pelo vírus. O problema é que esse hábito é tão “automático” que muita gente simplesmente não consegue seguir esse cuidado.

O que a Slightly Robot fez foi adaptar a ideia da sua pulseira para ajudar o usuário a evitar toques no seu próprio rosto. A Immutouch tem um acelerômetro que permitir rastrear o movimento da mão até dez vezes por segundo. Assim, quando a pessoa fizer um gesto que indica que ela irá tocar a boca, nariz ou olhos, o dispositivo vibrará para lembrá-la a não fazer isso.

Pulseira Immutouch

A Immutouch já está à venda nos Estados Unidos e custa US$ 49,99. A pulseira é acompanhada de um aplicativo que informa ao usuário quantas vezes ele tentou tocar seu próprio rosto ao longo dos dias.

De acordo com Matthew Toles, cofundador da Slightly Robot, a Immutouch foi criada para ajudar no combate ao coronavírus, não para trazer lucro à empresa. “Estamos vendendo cada unidade quase a preço de custo, cobrindo apenas materiais, fabricação, montagem e mão de obra”, explica.

Justin Ith, também cofundador, acredita que aplicativos com a mesma finalidade podem ser desenvolvidos para Apple Watch, por exemplo, mas ele espera que, até lá, o Immutouch possa vender uma quantidade suficiente de unidades para que seu preço seja reduzido e, assim, o dispositivo fique mais acessível.

Com informações: TechCrunch.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Canal Exclusivo

Relacionados