O que é a densidade de pixels (PPI) em uma tela?

A densidade de pixels de uma tela é expressa em pixels por polegada (PPI); entenda como essa especificação está relacionada com a qualidade de imagem

Emerson Alecrim Ana Marques
Por e
• Atualizado há 10 meses
Motorola Edge 30 tem tela 405 PPI (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Motorola Edge 30 tem tela de 405 ppi (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

PPI (“pixels per inch”, na sigla em inglês, ou “pixels por polegada”) é uma medida que indica a densidade de pixels de uma tela. O conceito traça uma relação entre a resolução e o tamanho do display. De forma geral, quanto maior a densidade de pixels da tela, melhor é a nitidez da imagem.

Densidade de pixels e nitidez de imagem

Um pixel é um ponto que representa a menor unidade de uma imagem digital. As telas são formadas por milhares ou milhões de pixels organizados em linhas e colunas.

Os pixels não têm o mesmo tamanho em todas as telas. É por isso que existe a medida de densidade de pixels, abreviada como PPI. Ela indica quantos pixels o display concentra em uma polegada.

Quanto maior o PPI, mais nítida é a imagem exibida. Isso porque mais pixels são concentrados em uma polegada de tela.

Já uma tela com baixa densidade usa menos pixels de maior tamanho para preencher o espaço, o que leva a imagens quadriculadas ou pixelizadas.

Pixels por polegada (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Pixels por polegada (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Qual é a densidade de pixels ideal?

A densidade de pixels é calculada com base na resolução e no tamanho da tela.

Um display de 6 polegadas com 720p tem densidade de pixels muito maior do que uma TV de 32 polegadas com a mesma resolução. Porém, se a TV é observada de uma distância razoável, seus pixels não são identificados facilmente.

Cada tipo de dispositivo tem uma distância focal que determina a sua densidade de pixels ideal, que não prejudica a qualidade de imagem ou a experiência do usuário:

  • Celulares: o indicado é que o display tenha pelo menos 300 ppi, considerando que usamos as telas próximas do rosto (cerca de 30 cm);
  • Monitores: é recomendável que a tela tenha entre 80 e 150 ppi, considerando que usamos o monitor a distâncias entre 50 e 100 cm do rosto;
  • TVs: o ideal é que o aparelho tenha pelo menos algo entre 50 e 100 ppi. Isso porque, em geral, usamos TVs a distâncias superiores a 1 metro do rosto.

É comum o fabricante informar o PPI na página web do dispositivo, principalmente quando o número é alto. Mas, após certo limite, ter maior densidade de pixels não traz ganhos para a qualidade de imagem. Em um celular hipotético de 6 polegadas, é improvável que você note a diferença entre 400 e 500 ppi.

Monitor Samsung M5 tem tela LCD com 92 PPI (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
Monitor Samsung M5 tem tela LCD com 92 PPI (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Outros fatores que afetam a qualidade da imagem

A densidade de pixels não é a única característica que determina a qualidade de imagem de uma tela. Entre outros fatores estão:

  • Tipo de painel: telas OLED se destacam pela intensidade de cores e contraste. Se preferir um display LCD, modelos baseados em MiniLED têm níveis mais satisfatórios de reprodução de cores do que aqueles com backlight de LED;
  • Brilho: níveis altos de brilho são importantes especialmente para dispositivos usados ao ar livre, como celulares. Neles, brilhos acima de 600 nits garantem boa visualização da tela em dias ensolarados (quanto mais, melhor);
  • Ângulo de visão: quanto maior esse parâmetro, melhor é a visualização da tela a partir de posições laterais;
  • Taxa de atualização: indica quantas vezes a tela é atualizada por segundo. Telas comuns normalmente trabalham com 60 Hz (60 atualizações por segundo). Para jogos, o ideal é uma taxa igual ou superior a 90 Hz;
  • Resolução: parâmetro diretamente relacionado à densidade de pixels. Quanto maior a tela, maior deve ser a resolução. É o caso de TVs, em que recomenda-se a resolução 4K em modelos com 40 polegadas ou mais.
TV Samsung Neo QLED QN90B com 88 PPI (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
TV Samsung Neo QLED QN90B com 88 PPI (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Perguntas Frequentes

Como calcular a densidade de pixels de uma tela?

O cálculo é feito com a aplicação do Teorema de Pitágoras para a descoberta da resolução na diagonal da tela. Depois, esse número é dividido pelo tamanho do visor. Para facilitar essa tarefa, pode-se buscar na web por calculadoras de PPI online ou na forma de aplicativo.

PPI vs DPI: qual é a diferença?

Enquanto PPI significa “pixels por polegada”, o DPI indica “pontos por polegadas” (“dots per inch”). Não é incomum ambas as medidas serem tratadas como sinônimos. Porém, o DPI foi criado para medir a densidade de impressões em papel, cabendo ao PPI apontar medidas especificamente para imagens digitais.

Esse conteúdo foi útil?
😄 Sim🙁 Não

Receba mais sobre OLED na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Ana Marques

Ana Marques

Gerente de Conteúdo

Ana Marques é jornalista e cobre o universo de eletrônicos de consumo desde 2016. Já participou de eventos nacionais e internacionais da indústria de tecnologia a convite de empresas como Samsung, Motorola, LG e Xiaomi. Analisou celulares, tablets, fones de ouvido, notebooks e wearables, entre outros dispositivos. Ana entrou no Tecnoblog em 2020, como repórter, foi editora-assistente de Notícias e, em 2022, passou a integrar o time de estratégia do site, como Gerente de Conteúdo. Escreveu a coluna "Vida Digital" no site da revista Seleções (Reader's Digest). Trabalhou no TechTudo e no hub de conteúdo do Zoom/Buscapé.

Relacionados