O que é o Retina Display dos produtos da Apple?

Família de telas de alta resolução da Apple é usada em iPhones, MacBooks e iPads; conheça o Retina Display e as variações Liquid Retina e Super Retina

Emerson Alecrim Paulo Higa
Por e
• Atualizado há 10 meses
iPhone 14 com tela Super Retina XDR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
iPhone 14 com tela Super Retina XDR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Retina Display é o nome que a Apple dá às telas LCD de alta definição que equipam linhas como iPhone, iPad, MacBook e Apple Watch. A empresa também trabalha com variações mais avançadas, baseadas em OLED, que recebem o nome Super Retina.

A primeira tela Retina

Steve Jobs anunciou a tecnologia Retina Display em junho de 2010, com o iPhone 4. O celular foi lançado com tela LCD de 3,5 polegadas e resolução de 960×640 pixels, resultando em uma densidade de pixels de 326 ppi – muito acima dos 165 ppi do iPhone 3GS (modelo anterior).

Segundo o fundador da Apple, o visor tinha tantos pixels por polegada que, individualmente, eles eram “imperceptíveis aos olhos humanos”.

A afirmação de Jobs foi contestada posteriormente e chamada de “exagerada” por Raymond Soneira, presidente da DisplayMate Technologies. Mas cumpriu o papel de destacar que a tecnologia Retina Display melhora sensivelmente a nitidez das informações na tela.

De fato, no iPhone 4 e posteriores, as letras de um texto aparecem bem definidas, sem o efeito de “degraus” ou elementos serrilhados comuns em visores com baixa densidade de pixels.

Tela Retina tem texto mais nítido (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Tela Retina tem texto mais nítido (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Evoluções do Retina Display

Telas Retina evoluíram nos anos posteriores, melhorando parâmetros como contraste e precisão de cores. Isso levou ao surgimento das variações a seguir.

Liquid Retina HD

A tecnologia Liquid Retina HD surgiu em 2018, junto com o iPhone XR. Trata-se de uma tela IPS LCD que oferece precisão de cores e níveis de brilho mais elevados do que em painéis LCD convencionais.

No iPhone XR, a tela Liquid Retina HD tem 6,1 polegadas de tamanho e resolução de 1792×828 pixels, o que resulta em uma densidade de 326 ppi.

A tecnologia também apareceu nos iPad Pro de 11 e 12,9 polegadas lançados em 2018, mas com densidade de 265 ppi.

iPhone 12 Mini com Super Retina XDR e iPhone XR com Liquid Retina (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
iPhone 12 Mini com Super Retina XDR e iPhone XR com Liquid Retina (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Super Retina e Super Retina XDR

A tela Super Retina é baseada na tecnologia OLED, e foi introduzida em 2017 com a linha iPhone X. O celular chegou com display de 5,8 polegadas e densidade de pixels de 458 ppi.

Já o Super Retina XDR (sigla para Extreme Dynamic Range) está presente no iPhone 11 Pro, Pro Max e modelos posteriores. Essa versão tem suporte a tecnologias de HDR mais avançadas para a reprodução de vídeos, como o HDR10+, além de funcionar com Dolby Vision.

De modo complementar, telas Super Retina XDR atingem até 1.200 nits de brilho e elevam o contraste para 2.000.000:1, o dobro do que é oferecido em visores Super Retina.

Telas Super Retina XDR usam a tecnologia LTPO para entregar taxa de atualização variável em até 120 Hz (ProMotion) com baixo consumo de energia, ajudando telas do tipo a pouparem bateria.

Por causa do OLED, as telas Super Retina e Super Retina XDR oferecem ainda ângulo de visão extenso e ampla tonalidade de cores. Este último atributo é reforçado com a tecnologia True Tone, que permite ao display exibir cores mais naturais, com base na luz ambiente.

iPhone 14 Pro vem com tela Super Retina XDR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
iPhone 14 Pro vem com tela Super Retina XDR (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Liquid Retina XDR

A tela Liquid Retina XDR surgiu em 2021, no iPad Pro de 12,9 polegadas, como uma evolução do display Liquid Retina. A tecnologia continua baseada em LCD, mas usa MiniLED para gerar luz de fundo.

Como os MiniLEDs possibilitam um controle mais preciso sobre os pixels, telas Liquid Retina XDR têm taxas de contraste e brilho maiores do que o padrão antecessor. O resultado é um grande alcance dinâmico (HDR) na reprodução de vídeo.

MacBook Pro com M1 tem tela Liquid Retina XDR (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)
MacBook Pro com M1 tem tela Liquid Retina XDR (imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Fornecedores

A Apple projeta e define as especificações da tecnologia Retina Display, mas não detém fábricas de telas. Por isso, a produção dos painéis é realizada por outras empresas, como:

  • Samsung Display: fornecedora de telas OLED com tecnologia LTPO e taxa de atualização variável de até 120 Hz para celulares como o iPhone 13 Pro e o iPhone 14 Pro;
  • LG Display: forneceu painéis LCD para iPhones até o fim de 2020. Também é fornecedora de displays OLED para linhas como iPhone 13 e iPhone 14, ainda que em menor escala em relação à Samsung;
  • Sharp: fornece visores LCD para modelos como o iPhone SE. A empresa se tornou uma das principais fornecedoras desse tipo de tela para a Apple depois de comprar uma fábrica da Japan Display, em 2020;
  • Japan Display (JDI): foi fornecedora de telas LCD para a Apple. Em 2019, passou a fornecer telas OLED para dispositivos como o Apple Watch, mas a entrada tardia no segmento a fez ter pouca escala com essa tecnologia;
  • BOE: enviou telas LCD à Apple e, com o iPhone 12, passou a fornecer painéis OLED. Teve a produção de telas para o iPhone 13 suspensa por conflitos com a Apple, mas, no iPhone 14, retomou o fornecimento.

Principais comparações

Nosso comparativo mostra, em detalhes, as diferenças entre Retina Display, Super AMOLED, IPS LCD e mais tecnologias utilizadas em telas de celulares.

Abaixo, você confere um resumo com as principais vantagens e desvantagens das telas Retina e Super Retina em relação ao OLED, Super AMOLED e AMOLED dinâmico:

Retina Display vs OLED

Telas Retina, Liquid Retina HD e Liquid Retina XDR são baseadas em LCD, que não sofre burn-in, mas fornece contrastes inferiores e pretos menos intensos do que o OLED. A Apple usa a tecnologia OLED em telas Super Retina e Super Retina XDR.

Super Retina vs Super AMOLED

Super AMOLED é uma marca registrada pela Samsung e refere-se a telas que combinam o OLED com reconhecimento a toques e uma matriz ativa de TFT para controle dos pixels. As telas Super Retina da Apple também são baseadas em OLED de matriz ativa (AMOLED), garantindo bons níveis de contraste, mas podem apresentar diferenças em níveis de brilho e perfil de cores a depender do produto.

Super Retina XDR vs AMOLED Dinâmico

As telas Super Retina XDR e AMOLED Dinâmico são baseadas em OLED, têm taxa de atualização variável e suportam tecnologias como HDR10+ e Dolby Vision. Contudo, a tecnologia Super Retina é exclusiva da Apple. Já o AMOLED Dinâmico aparece em dispositivos da Samsung.

Perguntas frequentes

Retina Display é resistente?

Uma tela Retina se torna mais resistente a impactos e riscos quando combinada com tecnologias como Gorilla Glass, usada pela Apple até o iPhone 11. No iPhone 12, a companhia passou a adotar a tecnologia Ceramic Shield para reforçar o display.

Tela Retina faz mal para os olhos?

Não há evidências de que uma Tela Retina prejudique os olhos. Na verdade, algumas tecnologias trazem maior conforto ocular, como o True Tone, que ajusta as cores com base na luz ambiente, e o Night Shift, que reduz a emissão de luz azul durante a noite. A alta exposição à luz azul pode causar distúrbios de sono, entre outros problemas de saúde, segundo uma pesquisa publicada na Nature.

Esse conteúdo foi útil?
😄 Sim🙁 Não

Receba mais sobre Retina Display na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Paulo Higa

Paulo Higa

Editor-executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. Trabalha no Tecnoblog desde 2012, viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. É coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Relacionados