Córtex, sistema de vigilância do governo, é questionado em ofício ao MPF

ONGs de direito digital e privacidade na internet pedem que MPF instaure inquérito para investigar Córtex, sistema que monitora 360 mil brasileiros

Pedro Knoth
Por

O sistema de informação e inteligência Córtex, usado pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP), foi alvo de um ofício enviado ao Ministério Público Federal (MPF). No documento, ONGs de direito digital e privacidade, como o Artigo 19 e o Data Privacy BR, questionam os parâmetros legais para o uso da ferramenta, alegando “alto risco de privacidade”. Em portaria, governo diz que o Córtex é usado durante operações policiais.

Em portaria publicada em setembro de 2021 para regulamentar o uso e as funcionalidades do Córtex, o MJSP o define como uma ferramenta aplicada “exclusivamente para fins de segurança pública”, vendando o uso do sistema de inteligência por empresas privadas ou em processos de integração destas com companhias públicas.

Entretanto, não é proibido o uso de informações coletadas de empresas privadas pela ferramenta Córtex, sob a condição de que sejam atendidos os “pressupostos da legislação vigente”.

ONGs citam “elevado risco à privacidade” ao MPF

A falta de transparência no uso do sistema pela Siope — Secretaria de Operações Integradas — fez com que as ONGs Conectas, Data Privacy BR, Artigo 19 e Transparência Internacional — todas advogam pelos direitos digitais e privacidade na internet — entrassem com um pedido para que o MPF exija do MJSP qual a finalidade do tratamento e quais os dados usados pelo Córtex. A informação inicial é do portal Metrópoles.

O Tecnoblog teve acesso ao ofício. Segundo as ONGs, o sistema já reúne informações oriundas de mais de 160 bases de dados distintas. O Córtex, por isso, possui “capacidade de definição de alvos para cercamento eletrônico e monitoramento persistente, retendo os dados por um período de 10 anos”.

As associações citam “elevado risco à privacidade, intimidade e probidade administrativa” devido ao uso do Córtex, e pedem que o MPF abra um inquérito civil para investigar a ferramenta do Ministério da Justiça a fundo.

Rafael Zanatta, diretor do Data Privacy BR, que é uma das signatárias, afirma que o modo como o Córtex está operando atualmente pode ser considerado “extremamente problemático”. O pesquisador levanta uma série de dúvidas quanto ao método usado pelo governo para empregar a ferramenta de monitoramento:

“Existe uma ausência de procedimentos e uma série de dúvidas sobre a garantia de como isso [Córtex] está sendo utilizado de forma correta. Não se sabe quais são as razões que podem levar um cidadão a ser alvo do “cercamento eletrônico”. Se esse é um pacto social sobre a utilização correta de uma tecnologia para a inteligência e Segurança Pública, é importante que isso seja feito com um mínimo de transparência e debate público.”

Córtex vigia mais de 360 mil brasileiros, diz MJSP

Conforme reportagem dos sites The Intecept Brasil e da revista Crusoé, o Córtex tem acesso a informações do Rais — Relação Anual de Informações Sociais — base do Ministério da Economia que contém dados como salário de trabalhadores. Outra base que integra o sistema de monitoramento é a de CPFs cadastrados na Receita Federal.

Apesar de o número detalhado de brasileiros monitorados pelo Córtex ser solicitado pelas ONGs como uma exigência do MPF na abertura de inquérito, o MJSP contou em resposta à reportagem da Crusoé que mais de 360 mil pessoas por todo o território nacional são vigiadas, ou estão sob “cerceamento eletrônico”.

Outra preocupação dos signatários é com a Seopi. De acordo com eles, a secretaria do Ministério da Justiça já foi responsável pela produção de “dossiês antifascistas”, que juntaram professores, jornalista e policiais apoiadores do movimento Antifa, e pela contratação de um sistema de espionagem.

“A Seopi não possui estrutura de pessoal com a qualificação ou prerrogativas funcionais suficientes para garantir que o sistema Córtex seja utilizado como ferramenta de Estado”, descreve o ofício.

Essa alegação é reforçada pelos institutos com o argumento de que a maioria dos membros da Seopi são servidores em cargos em comissões, “cuja exoneração e nomeação podem ocorrer sem qualquer justificativa”.

Por fim, o ofício pede que o MPF solicite ao MJSP o código-fonte do Córtex, assim como os logs de acesso e de utilização do sistema registrados ao longo de 2021. As ONGs também querem saber se existem “pessoas politicamente expostas” sendo monitoradas pela ferramenta.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Pedro Knoth

Pedro Knoth

Ex-autor

Pedro Knoth é jornalista e cursa pós-graduação em jornalismo investigativo pelo IDP, de Brasília. Foi autor no Tecnoblog cobrindo assuntos relacionados à legislação, empresas de tecnologia, dados e finanças entre 2021 e 2022. É usuário ávido de iPhone e Mac, e também estuda Python.

Canal Exclusivo

Relacionados