Fabricante lança SSD com interface SCSI em pleno 2024

Interface SCSI foi comum em HDs de alto desempenho fabricados nas décadas de 1980 e 1990; SCSIFlash-Fast substitui essas unidades usando memória Flash

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 3 meses
SCSIFlash-Fast simula um HD SCSI (imagem original: divulgação/SSDL)
SCSIFlash-Fast simula um HD SCSI (imagem original: divulgação/SSDL)

A Solid State Disks Ltd (SSDL) anunciou um dispositivo de armazenamento com SCSI, padrão que foi substituído por tecnologias como SATA e PCI Express. Causa espanto que um produto baseado em uma interface tão antiga seja lançado em 2024, mas há uma razão para isso: ainda há empresas que usam HDs SCSI.

O SCSIFlash-Fast, como o dispositivo é chamado, segue o popular formato de 3,5 polegadas e pode contar com interface SCSI de 68 ou 80 pinos. Ele foi desenvolvido para substituir HDs antigos baseados nesses padrões, mas sem que o sistema operacional “perceba” que esse é um produto diferente.

Diferente porque o SCSIFlash-Fast tem características personalizáveis. O comprador pode escolher entre os padrões Compact Flash e SSD M.2 como tecnologia de armazenamento, por exemplo. Note, com isso, que o SCSIFlash-Fast é um SSD que funciona como “emulador” de HD SCSI.

A capacidade de armazenamento é variável, podendo ir de 2 GB a 1 TB. Existe ainda a opção de adicionar um porta Ethernet ao SCSIFlash-Fast, recurso útil para backups, testes ou para tornar a unidade acessível via rede.

O dispositivo pode ainda ser configurado para funcionar com versões da interface como SCSI1, SCSI2 e Ultra3, e com setores de disco com tamanho variando entre 256 e 4.096 bytes, como destaca o Tom’s Hardware.

Feito para substituir HDs antigos

Muitas empresas têm computadores com 20 anos ou mais funcionando, seja para manter sistemas legados, seja para não ter custos com a substituição. O SCSIFlash-Fast foi desenvolvido para atender a esses equipamentos.

Faz sentido. Os HDs não duram para sempre e as unidades SCSI foram fabricadas há décadas. O SCSIFlash-Fast pode substituir esses HDs, tendo o diferencial de usar memória Flash, tecnologia mais rápida, silenciosa e que consome menos energia.

A taxa de transferência de dados do dispositivo chega a 80 MB/s (megabytes por segundo), velocidade baixa para os padrões atuais, mas bastante aceitável em computadores antigos.

Os preços não foram divulgados, porém. Isso porque a SSDL produz o SCSIFlash-Fast sob encomenda.

Visão interna de um disco rígido (imagem: Everton Favretto/Tecnoblog)
Visão interna de um disco rígido (imagem: Everton Favretto/Tecnoblog)

O que é essa interface SCSI?

O SCSI é uma interface de comunicação entre dispositivos computacionais que chegou ao mercado na década de 1980. A tecnologia foi empregada em equipamentos como impressoras e scanners, mas fez mais sucesso em discos rígidos, sendo direcionado a modelos de alto desempenho.

A capacidade de transferir dados a taxas que podiam chegar a 80 MB/s, dependendo da versão (versões ainda mais avançadas podiam chegar a 640 MB/s), tornava os HDs SCSI caros, razão pela qual eles foram empregados com mais frequência em servidores e computadores corporativos.

Com o passar do tempo, a tecnologia SCSI foi substituída por tecnologias mais avançadas ou acessíveis, a exemplo dos padrões SATA, PCI Express e Thunderbolt.

Servidores contam ainda com unidades de armazenamento baseadas no padrão SAS (Serial Attached SCSI), variação moderna da tecnologia SCSI que pode atingir taxas de 22,5 gigabits por segundo na transferência de dados.

Apesar disso, ainda há aplicações que se beneficiam do SCSI. Não é por acaso que a STA Forum, associação criada em 1996 para promover a tecnologia, está ativa até hoje.

Receba mais sobre SCSI na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Emerson Alecrim

Emerson Alecrim

Repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais e negócios. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Em 2022, foi reconhecido no Prêmio ESET de Segurança em Informação. Em 2023, foi reconhecido no Prêmio Especialistas, em eletroeletrônicos. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém o site Infowester.

Relacionados