Twitter tem lucro pela primeira vez na história

Mas continua estagnado em número de usuários

Paulo Higa
Por
• Atualizado há 1 mês

O Twitter foi fundado há 12 anos e tem capital aberto na bolsa de valores de Nova York, mas nunca conseguiu operar no azul, sobrevivendo com o dinheiro dos investidores. Até agora: nesta quinta-feira (8), a rede social anunciou seu primeiro lucro trimestral na história.

No último trimestre de 2017, o Twitter fechou com lucro de US$ 91 milhões, contra um prejuízo de US$ 167 milhões no mesmo período de 2016. O faturamento no trimestre também aumentou, para US$ 732 milhões, contra US$ 717 milhões no período anterior. Ok, foram apenas 2% de crescimento, mas o Twitter estava encolhendo entre 4 e 8% nos outros trimestres do ano, então a notícia é bem positiva.

O público não aumentou, permanecendo em 330 milhões de usuários ativos mensais. Nos Estados Unidos, houve uma pequena queda, de 69 para 68 milhões de usuários. A rede social está com dificuldades de crescimento há anos: no final de 2014, o Twitter tinha 288 milhões de usuários; enquanto isso, o Facebook cresceu de 1,39 bilhão para 2,13 bilhão de usuários (o equivalente a dois Twitters!).

De qualquer forma, os resultados foram bem recebidos (as ações da empresa estão subindo quase 20% na bolsa de Nova York) e parece que as várias decisões difíceis deixaram o Twitter no caminho certo: recentemente, a companhia demitiu centenas de funcionários, acabou com o Vine e vendeu seus produtos.

Com informações: Mashable.

Receba mais sobre Twitter na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Paulo Higa

Paulo Higa

Ex-editor executivo

Paulo Higa é jornalista com MBA em Gestão pela FGV e uma década de experiência na cobertura de tecnologia. No Tecnoblog, atuou como editor-executivo e head de operações entre 2012 e 2023. Viajou para mais de 10 países para acompanhar eventos da indústria e já publicou 400 reviews de celulares, TVs e computadores. Foi coapresentador do Tecnocast e usa a desculpa de ser maratonista para testar wearables que ainda nem chegaram ao Brasil.

Canal Exclusivo

Relacionados