Início / Testamos / Gadgets /

Amazon Echo (4ª geração): Alexa, mais som e hub doméstico

Novo Echo pode atender consumidores que buscam por um smart speaker da Amazon com som potente, mas visual divide opiniões

Darlan Helder

Por

Testamos
Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Muitos smart speakers foram atualizados em 2020 e a Amazon, que já está bem consolidada nesse segmento, resolveu por fazer mudanças radicais em seu produto de sucesso. O novo Amazon Echo de 4ª geração foi lançado no Brasil em setembro e traz alguns recursos encontrados no Echo Plus, além de um novo design esférico bem bonito.

Custando R$ 749, o Echo agora só fica atrás do Echo Studio, entre os modelos mais potentes da Amazon. Mas será que vale desembolsar tudo isso? Consigo ter a mesma experiência de uso ao adquirir o Echo Dot 4, que é mais acessível? Eu testei o novo gadget da Amazon nos últimos dias e compartilho todos os detalhes nos próximos minutos.

Análise do Amazon Echo (4ª geração) em vídeo

Aviso de ética

O Tecnoblog é um veículo jornalístico independente de tecnologia que ajuda as pessoas a tomarem sua próxima decisão de compra desde 2005. Nossas análises de produtos são opinativas e não possuem nenhuma intenção publicitária. Por isso, sempre destacamos de forma transparente os pontos positivos e negativos de cada produto.

Nenhuma empresa, fabricante ou loja pagou ao Tecnoblog para produzir este conteúdo. Nossos reviews não são revisados nem aprovados por agentes externos. O Echo (4ª geração) foi fornecido pela Amazon por doação. O produto será usado em conteúdos futuros e não será devolvido à empresa.

Design e controles

Em primeiro lugar, o novo Amazon Echo é uma caixa de som grande, ele tem o mesmo formato do Echo Dot, porém é ligeiramente maior. Isso também significa que o produto não é nada discreto e, ao reproduzir uma música ou podcast, essa presença fica ainda mais evidente, mas falaremos melhor sobre isso adiante.

O dispositivo virou uma bolinha grande toda trabalhada em tecido reciclado e plástico nas extremidades. Esse visual logo me fez lembrar do novo HomePod Mini, da Apple, que é muito bonito e traz esse formato circular. O anel de luz agora está na parte inferior e a iluminação reflete bem na superfície, e fica ainda mais bonita em ambientes escuros. Porém, novamente tive dificuldades para enxergar o nível de volume através do LED que é 360, situação que também me incomodou no Echo Dot 4.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A Amazon até poderia entregar um som 360 graus com esse novo formato, mas a empresa resolveu não seguir por esse caminho, infelizmente. Se você leva isso em consideração, o Echo Studio acaba sendo a melhor opção, nesse caso.

Eu acredito que você não vai usar isso, mas o novo Amazon Echo tem um furo rosqueado, igual de câmeras, na parte de baixo, que permite fixar o smart speaker em locais muito específicos. E, sim, é possível colocar ele em um tripé — achei bem curioso.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O device conta com os mesmos controles já conhecidos: estão na parte mais elevada os botões de ativação da Alexa, o de privacidade e os de volume. Na traseira, você encontra a saída ou entrada de áudio de 3,5 mm e a porta de carga; a Amazon envia uma fonte de 30 watts na caixa.

A Alexa é o cérebro deste gadget e, como eu disse na análise do Echo Dot de 4ª geração, a assistente virtual é assertiva na maioria das vezes, além de já conhecer bem o Brasil. O aplicativo dedicado permite configurar o dispositivo, reproduzir músicas e instalar skills para ampliar a atuação da assistente no cotidiano.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Mas o grande destaque deste Echo, além do som que já irei abordar, é a sua proposta de ser um hub doméstico, capaz de controlar qualquer gadget de casa inteligente. Como ele trabalha com tecnologia Zigbee, você pode usar o Amazon Echo para configurar e comandar sensores de portas e janelas, lâmpadas inteligentes, fechaduras, cafeteiras e outros eletrônicos.

Para avaliar a tecnologia com o Echo, a Amazon nos cedeu uma lâmpada Philips Hue. E, de fato, a integração é muito eficiente, isso porque eu consegui fazer a lâmpada e o Echo conversarem em poucos minutos, quase segundos. Você nem precisa instalar o aplicativo oficial da marca para isso, para efeito de comparação, o processo com a lâmpada da Positivo é bem mais demorado. Mas o problema é que a Philips cobra um absurdo por esse produto, mas esse é um detalhe que podemos discutir em outra ocasião.

Qualidade de som e microfone

Vamos agora ao que realmente interessa. Sem dúvidas, a qualidade sonora do Amazon Echo de 4ª geração é consideravelmente superior em relação aos modelos mais básicos de entrada. O que mais me chamou a atenção foi a presença do grave, algo bem diferente do Echo Dot que não trabalha bem com essa frequência.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

O novo design permitiu upgrades. Internamente temos dois tweeters de 0,8 polegada cada e um woofer de 3 polegadas, portanto, na prática, o device oferece um som de presença. Além disso, ele traz processamento Dolby Audio, assim como o Echo Studio. O som é muito alto, mas as distorções podem surgir quando o volume está no máximo.

Ouvindo música ou podcast, o produto se mostrou muito eficiente durante os testes e provou ser interessante para deixar ligado enquanto você trabalha, por exemplo. Por outro lado, eu poderia criticar a ausência de um áudio 360, porém isso não pesou na prática, já que consegui ouvir tudo o que era executado sem dificuldades.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Eu instalei o Echo num quarto pequeno sem outros dispositivos de áudio próximos. Os microfones funcionaram bem na maioria das vezes, mas a Alexa demorou a responder apenas quando eu deixava uma música tocando com o volume no máximo. Em alguns momentos ela atendia sem eu gritar, em outras situações, eu tinha que elevar a voz.

Amazon Echo (4ª geração): vale a pena?

O Echo de 4ª geração é um produto versátil e, ao mesmo tempo, muito direto. Se você busca por um smart speaker da Amazon com som mais potente, este é modelo ideal, caso não queira ou não possa pagar mais de R$ 1 mil no Echo Studio, é claro. Assim como os demais da família, o Echo entrega um novo formato que favorece a ampliação do som, skills úteis e Alexa como uma assistente quase que completa.

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

Amazon Echo (4ª geração) (Imagem: Darlan Helder/Tecnoblog)

A tecnologia Zigbee para casa conectada entra como um dos principais diferenciais, então se você aposta na inovação, não deixe de considerar o Amazon Echo.

O novo visual é bonito, mas você pode ter alguma dificuldade para instalar o produto, tendo em vista que ele é grande, pesado e pode não ficar bem em qualquer lugar, caso você seja um consumidor bem detalhista em decorações. Esse design também atrapalha visualizar a intensidade do volume pelo anel de luz, um detalhe que me incomodou bastante.

Eu só indicaria este modelo para pessoas que realmente buscam por mais som, pois para o consumidor básico, o popular Echo Dot, que custa bem menos, continua fazendo um bom trabalho.