Ir para o conteúdo.

Início » Ciência » Duas empresas estão criando um “Google Earth” que funciona quase em tempo real

O Google Earth (ou o Google Maps) mudou o modo como vemos o mundo, mas, como nada é perfeito, a ferramenta esbarra em um problema: suas imagens são frequentemente desatualizadas, mesmo quando recém-publicadas, uma vez que da captura até a sua disponibilização há um longo intervalo de tempo. Mas os trabalhos de duas startups norte-americanas poderão superar esta limitação.

A Planet Labs é uma delas. Baseada em San Francisco e criada por três ex-pesquisadores da NASA, a empresa lançou recentemente 28 satélites chamados “Dove” para obter imagens áreas de determinados pontos da Terra. O que chama a atenção é que estes equipamentos são pequenos (do tamanho de um gnomo de jardim) e leves, pesando cerca de 5 quilos.

Os pequenos "Doves"

Os pequenos “Doves”

A segunda startup, a Skybox Imaging, com sede em Palo Alto, deverá fazer o mesmo com 24 satélites até o final de 2014; a diferença é que seus equipamentos são maiores que os da Planet Labs, mas ainda pequenos se comparados com outros maquinários espaciais. Seu peso é de 100 quilos, aproximadamente.

A vantagem de se ter pequenos satélites no lugar de um único equipamento grandalhão é que é possível distribuí-los em intervalos regulares para cobrir a mesma região várias vezes seguidas e, portanto, quase em tempo real.

Satélite da Skybox

Satélite da Skybox

Tanto a Planet Labs quanto a Skybox Imaging estão lançando estes satélites com objetivos comerciais (este negócio é uma mina de ouro, acredite), mas governos poderão aplicar a ideia a finalidades mais generosas: monitorar desastres ambientais, identificar pontos de desmatamento, analisar melhor os efeitos do clima e assim por diante.

A parte negativa é que, como tais satélites operam em uma órbita relativamente baixa em relação à Terra, cada um acaba cobrindo milhares de quilômetros de território dentro de apenas uma hora, impedindo a obtenção mais prolongada de imagens de um ponto específico por mais que alguns poucos segundos. Para situações como esta, a alternativa pode ser o uso integrado de drones.

É claro que também há polêmicas em torno do assunto, como possibilidade de uso dos satélites para atividades militares e questões inerentes à privacidade, mas pode ter certeza que estes temores não impedirão estas (e outras) empresas, tanto é que até obtenção de vídeos a partir do espaço já está nos planos delas.

Os equipamentos da Skybox, por exemplo, já são capazes de gerar pequenos filmes. E uma terceira startup, a canadense UrtheCast, operará em breve uma câmera de alta definição que será acoplada à Estação Espacial Internacional justamente para capturar e transmitir vídeos com imagens do planeta.

Com informações: Nature

8 Comentários (Deixe o seu!)

  • trovalds
    704c

    Prevejo o google indo às compras em breve…

    • Lelp
      1c

      KKK Jajá ela tá anuciando um “super update” pro Google Earth pra não perder pra concorrência…

  • Edson Alves
    1c

    Em breve: Uma empresa GOOGLE!!

  • sias
    51c

    Quero ver quando este monte de tranqueira começar a cair…

    • Thiago Torres
      1c

      Nossa… pensei a mesma coisa, ou como no filme gravidade com um monte de tralha no meio do caminho dos foguetes… Como será que esses satélites mantém suas rotas?

  • Max Giudice
    3c

    Mais Big Brother…

  • Fagner Lopes

    Parece coisa de seriado americano… Logo logo vamos assistir ao vivo no YouTube…

  • Lucas Blassioli
    59c

    Isso mesmo Rodrigo, seu sonho está virando realidade http://2.bp.blogspot.com/-OwbLuV9Qwdg/T1URQFXqClI/AAAAAAAAAKY/sfRnJwa4V-g/s1600/PEROLA2.jpg

Deixar comentário:

Leia | Política de Comentários.