Início » Web » Facebook monitora chats para detectar atividades suspeitas

Facebook monitora chats para detectar atividades suspeitas

Histórico de bate-papo dos usuários pode ser analisado por um funcionário.

Por
6 anos atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Está conversando com alguém pelo bate-papo do Facebook? Vocês podem não estar sozinhos: um software de monitoramento da rede social de Mark Zuckerberg é capaz de acompanhar as atividades dos usuários nos chats e detectar comportamentos suspeitos. Em março, o Facebook foi capaz de impedir que uma garota fosse abusada sexualmente após uma análise realizada pelos funcionários do serviço.

O algoritmo procura por frases obtidas anteriormente em bate-papos de criminosos, incluindo aqueles envolvidos em abusos sexuais. A Reuters publicou na quinta-feira (12) um caso de sucesso. Um homem de 30 anos estava conversando sobre sexo e marcou um encontro com uma garota de 13 anos. O sistema do Facebook automaticamente enviou o histórico do bate-papo aos funcionários do Facebook, que analisaram a conversa e chamaram a polícia imediatamente. O criminoso foi preso no dia seguinte.

Bate-papo no Facebook: eles estão de olho

Algumas pessoas não devem gostar nada da ideia de terem suas conversas lidas, mas o diretor de segurança do Facebook, Joe Sullivan, afirma que apenas uma pequena parte das conversas é acompanhada por humanos. “Nós nunca quisemos criar um ambiente onde temos funcionários vigiando conversas particulares, por isso é muito importante usarmos uma tecnologia que possui uma taxa pequena de falsos-positivos”, disse o executivo.

O sistema foca especificamente nas conversas entre usuários que não têm uma relação tão forte no Facebook. Pessoas que não se falam frequentemente, possuem diferenças de idade significativas ou moram distantes uma da outra, por exemplo, recebem uma atenção especial e têm mais chances de serem pegas pelo algoritmo.

A história é polêmica. Enquanto alguns acreditam que o monitoramento pode inibir a atividade de criminosos, outros defendem que uma conversa particular entre duas pessoas precisa ser particular.

Com informações: CNET.

Mais sobre: ,