Início » Software » Chrome chupa a bateria do seu notebook de canudinho

Chrome chupa a bateria do seu notebook de canudinho

Trocar de navegador pode aumentar a duração da sua bateria em até 70%

Por
2 anos e meio atrás

Não é novidade que o Chrome consome mais energia que os concorrentes: a Apple afirma que você ganha até duas horas de navegação no seu MacBook se trocar o navegador do Google pelo Safari, por exemplo. Agora, a Microsoft mediu exatamente quão ruim é o Chrome: nesta segunda-feira (20), a empresa divulgou um estudo mostrando que ele corta a autonomia do seu notebook em até 40%.

chrome-edge-opera-firefox

Para testar o consumo de energia dos navegadores, a Microsoft utilizou um Surface Book e um script que navega automaticamente entre os sites mais populares, como Facebook, Google, YouTube e Wikipédia, abrindo novas abas, rolando as páginas e reproduzindo vídeos. Foram considerados os navegadores Edge, Opera (no modo de economia de energia), Firefox e Chrome.

Até pelo fato da Microsoft estar divulgando os resultados publicamente, é óbvio que o navegador da casa foi o campeão: ele chegou a 7h22min de autonomia. Na outra ponta da tabela ficou o Chrome, permitindo que o Surface Book aguentasse somente 4h19min antes de desligar por falta de bateria. O ranking ficou assim:

  1. Edge: 7h22min
  2. Opera: 6h18min
  3. Firefox: 5h09min
  4. Chrome: 4h19min

Além de realizar os testes em laboratório, a Microsoft coletou dados de telemetria de milhões de dispositivos com Windows 10 ao redor do mundo para verificar se os resultados eram os mesmos no mundo real. O Chrome, de fato, foi o navegador mais guloso: ele consome em média 719,7 mW de energia nos notebooks dos usuários, contra 493,5 mW do Firefox e 465,2 mW do Edge.

O Edge se beneficia pelo fato de ser mais simples; por enquanto, ele não suporta nem extensões. A Microsoft acredita que é possível melhorar com a próxima grande atualização do Windows 10, que fará o Edge consumir menos ciclos de CPU, minimizar o impacto quando estiver rodando em plano de fundo e pausar conteúdos em Flash que não forem o foco da página (como os banners publicitários).

É preocupante como, depois de todos esses anos, o Chrome continua gastando tanta energia, apesar de todas as melhorias de eficiência energética que o Google tem anunciado nas últimas versões. Ainda assim, a participação do Chrome no mercado de navegadores só vem aumentando, em parte porque, bem, ele é o novo Internet Explorer.

Mais sobre: , , , ,