Início » Brasil » Governo lança cópia do Uber para funcionários públicos

Governo lança cópia do Uber para funcionários públicos

TaxiGov também vai considerar notas dadas pelos passageiros para controlar a qualidade do serviço

Por
14 semanas atrás
Já conhece a nova extensão do Tecnoblog? Baixe Agora

Começou a funcionar nesta segunda-feira (13) o TaxiGov. O serviço é um sistema de transporte terceirizado pelo governo federal, de funcionamento semelhante ao Uber. A diferença é que só os funcionários públicos podem usá-lo.

Atualmente em fase de testes, o TaxiGov está aceitando corridas apenas de funcionários da Secretária da Gestão do Ministério de Planejamento, mas há planos de expansão para mais funcionários do governo federal em Brasília a partir de 20 de março.

Com a adoção do TaxiGov, o governo deixará de usar sua própria frota gradualmente. Até então, cada órgão público tinha seus próprios veículos à disposição; com o novo serviço, a frota será unificada. A expectativa do Ministério do Planejamento é que o governo federal economize R$ 20 milhões com serviços de transporte — uma redução de mais de 60% em relação aos R$ 32 milhões gastos anualmente.

A empresa que venceu a licitação para fornecer o serviço, em novembro de 2016, foi a Shalom Ltda. A operação será comandada pelo Ministério do Planejamento.

O TaxiGov, disponível para iOS, Android e Windows Phone, permite até mesmo agendar corridas e, assim como no Uber, vai considerar a nota dada pelo passageiro para controlar a qualidade do serviço.

  • Juan Lourenço

    Podiam usar o Uber normal, mas já é um baita avanço em vários sentidos. Melhor do que cada setor do governo ter uma dúzia de carros praticamente parados na maior parte do tempo, melhor ter 30 carros pra todos os setores 🙂

    • grande_dino_2

      Poderiam usar o transporte público, isso sim.
      E pagar a tarifa cheia.

      • Juan Lourenço

        Ah cara, aí eu já acho bobagem… nem a população como um todo usa transporte público por diversas razões, diretor de empresas então nem se fala. Um ministro com documentos oficiais e sigilosos demorando duas horas pra chegar num compromisso, não faz o menor sentido.

        • William Lima Crisostomo

          Os revoltados online não pensam em nada, o importante é parecer descolado. Eles acham que usar Uber pra ir no shopping ou usar o Uber pra transportar coisas importantes é a mesma coisa. Galerinha tem pensamento de formiga.

        • Mago Erudito®

          Desculpe, a população usa transporte público sim, quem não usa é devido a baixa qualidade do serviço e tem condições de comprar um carro/moto. E outra, fica mais fácil para os gestores públicos saberem as necessidades quando usam o sistema.

          Agora, se me permite discordar mais um pouco, você acha justo o povo ter que usar um transporte público horrível, ficar dias numa emergência de hospital e pagar quase o que ganha de aluguel enquanto os senhores do caixa 2 tem direito a carro com motorista, plano de saúde que cobre qualquer coisa e auxílio moradia?

          Sinceramente, torço pelo dia que o povo vai se revoltar contra esses tipos de imoralidades.

          • Juan Lourenço

            No papel é bonito, na prática isso não faz sentido. Veja em outros países se os políticos só andam de transporte público? A gente vê uma vez na vida um política de NY ou da Noruega fazendo isso, pra ir pro trabalho. Acha que eles vão ficar pegando ônibus pra correr pra lá e pra cá nas duzentas reuniões que precisam fazer? É o seu dinheiro que está pagando, cada minuto dessas pessoas vale uma fortuna (de dinheiro público), e pior, eles podem estar transportando informações valiosas.

            Enfim, achar que obrigando político a andar de ônibus e a usar o SUS é a solução para os problemas é de uma ingenuidade tremenda.

          • Mago Erudito®

            Posso até estar louco, mas qualquer servidor público (salvo poucas exceções) deveria ganhar um auxílio transporte e pronto. Se quiser ir de carro particular seria opção dele, agora a população ter que pagar isso é um absurdo.

            Se o tempo deles realmente valesse tanto eles poderiam trabalhar mais do que as poucas horas semanais que se fazem presentes nas sessões. Enfim, não acho que viver numa bolha de segurança e privilégios não ajuda um gestor público a resolver os problemas das cidades.

          • Concordo.

          • Ligeiro

            Na verdade, que eu saiba, há mais políticos que usam transporte público pelo mundo que ninguém contabiliza (e as vezes eles nem querem isso, eles só querem ser tratados como seres humanos comuns).

            Sei que em São Paulo tem uma juíza que admite que faz uso do transporte público (não achei a matéria sobre, infelizmente…) . E o que vejo de advogado e gente transportando papelada… (err… perae, não estamos em uma era online mesmo? Agora tudo é pendrive também :p ). E se pensar que em algumas cidades sabe-se que políticos saem de casa e vão a pé para o trabalho, já é algo. Cada caso é um caso, mas quanto mais “próximo a ‘ralé'”, mais normal a situação é.

            Não discordo que há situações onde o transporte de um item de gestores públicos (documentos, objetos, etc.) deve ser feito de forma mais discreta, sigilosa e segura. No entanto para atividades corriqueiras, defender que um profissional da gestão pública use coletivos ao invés de individuais faz repensar toda a cadeia de mobilidade urbana, conforto e tudo mais.

            Não é obrigar o político a andar de transporte público (apesar de ser uma necessidade isso e não é ingenuidade – ingenuidade é deixa-los irem de carros blindados por aí…), mas sim tratar um político como um ser humano igual a qualquer outro, e que não saia do discurso de respeito à população.

          • jefferson rocha de sousa

            Mais discordo das suas colocações, fazer comparação do Brasil com países de primeiro mundo, lá tudo funciona….https://www.facebook.com/DireitaConservadoraOficial/photos/a.319898058092296.73906.307492775999491/1291864154229010/?type=3 veja algo semelhante a sua comparação !!!

          • O grande problema deste e outros países de segundo e terceiro mundo é a vasta desigualdade social, cara, mais nada. O dia q começarem a tratar todo trabalhador como um pilar na sociedade e dar um salário mínimo digno, tipo uns 2.500, 3mil reais, (sim esse valor mesmo!) aí acaba essa palhaçada, a violência tende a diminuir drasticamente.
            O Brasil não é um país pobre, os brasileiros q tem a mente pobre, não lutam pela igualdade social, só isso q falta pra sermos um país grandioso socialmente e politicamente falando. Mas é como diz o ditado, “uma andorinha só não faz verão”..

          • Ligeiro

            Não precisa o valor do salário ser 3 mil reais, mas sim que todas as pessoas no país tenham um poder de compra similar. E entendam isso.

            Se todo mundo tiver um salário mínimo “dígino” e forçado, o resultado é inflação – noto que toda vez que aumenta as coisas, incluindo o salário, aumenta todo o resto.

            Como você mesmo falou, os brasileiros tem uma “mente pobre”. Uma coisa que noto por exemplo: imóveis hoje aumentam muito de valor por causa do tratamento de “crescer os olhos”, e não de “investimento social”. Um barraco na favela as vezes custa o mesmo que uma casa no bairro de classe média.

          • Se é assim então existe inflação em países como Dinamarca, Áustria, Suécia, Holanda tb?
            Bom talvez exista um salário mínimo de sei lá, 2.000 em moeda local naqueles países. Não sei. Só sei q podemos ser sim, como os países citados, e não se trata só de poder aquisitivo similar mas de uma boa educação fornecida pelo governo. Educação e igualdade social são o princípio pra uma sociedade melhor num país.

          • Marcos Venicios

            O serviço para para deslocamentos em horário de trabalho, não é para se locomover casa – trabalho. Em empresa nenhuma o funcionário sai do seu local de trabalho para uma atividade de campo utilizando transporte público.

          • Mago Erudito®

            Nossa você é brasileiro e é tão ingênuo…

            Meu vizinho é do alto escalão do Estado e o carro oficial busca a filha dele em todas as baladas da cidade. Ninguém me contou, eu vi ela chegando carregada pelo motorista.

          • Marcos Venicios

            Não sou ingênuo, no alto escalão é outra coisa, é avião dá FAB, carro oficial, uma mamata, mas esse serviço dá matéria não é para o alto escalão, são para os servidores em geral, é isso que as pessoas não estão entendendo.

          • Mago Erudito®

            Se o alto escalão que ganha bem mais e deveria dar exemplo faz esse tipo de coisa pq os demais não se aproveitariam desses benefícios também? Medo de demissão?

          • Marcos Venicios

            Acho que você está um pouco por fora de como as coisas funcionam para os servidores públicos que não são de indicação ou de altos cargos. Para solicitar qualquer carro é necessário autorização dos superiores, ninguém tem acesso direto a frota, passagens aéreas e tudo mais com essa facilidade que você acredita não. Trabalhei no serviço público do estado por algum tempo e para pegar uma passagem de ônibus para outro estado era um parto, um monte de autorização de instâncias superiores.
            Claro que muitos se aproveitam quando tem essa chance, inclusive em empresas privadas conheço vários que adotam essa prática.

          • Ligeiro

            Já vi pessoal do serviço público também justamente aproveitarem estas situações todas. O ponto aqui é que tem que se fazer métodos que desburocratizem a locomoção do profissional a serviço da gestão pública, e ao mesmo tempo tal locomoção não ser diferente de um cidadão comum como qualquer outro.

            Quando se deixa de uma forma mais segregada – uso de táxis exclusivos, frota alugada, frota própria, etc – o problema é o gasto tido e os desvios, que são bem mais comuns em vários lugares do que você imagina.

            Hoje existe cartões eletrônicos para ônibus. Bastaria a empresa de ônibus e o órgão público fazer uma parceira e com isso tem mais gente que ajudaria inclusive a nem precisar subsidiar o transporte (só o fato de pagar o transporte dos funcionários públicos já ajudaria a “zerar” a necessidade de subsídio). Deixando assim os veículos mais “exclusivos” para serviços realmente exclusivos (como transporte de itens sensíveis ou locomoção de trabalho, como análise, vistoria, blitz, etc…)

          • Marcos Venicios

            Concordo com você, hoje em dia a maioria dos órgãos e empresas públicas possuem cartão eletrônico para passagens de locomoção casa -trabalho da mesma forma que as privadas, porém quando o funcionário precisa se deslocar do escritório para uma atividade externa não tem sentido a utilização de transporte público (como alguns disseram aqui) pois o funcionário já está trabalhando e isso gera custos para a empresa. No mais o ideal é investir em parcerias com empresas de transporte intermunicipal e aéreas para quando o funcionário precisar se deslocar de sua cidade de trabalho. A única coisa que estou falando é que muitos acreditam que todo servidor vive como ministro, juiz, procurador, não existem essas verbas indenizatórias para os demais funcionários públicos.

          • Ligeiro

            Cara, tem muito servidor em várias cidades e estados que agem como um “super” profissional do serviço público. E também na verdade a visão que as pessoas (e eu) tem(os) é de que “todo mundo deve agir igual”.

          • Marcos Venicios

            Com certeza, se você está trabalhando e recebendo por isso é claro que deve fazer o seu melhor e com certeza devemos buscar sempre reduzir os custos operacionais, mas fazer isso pensando logicamente.

          • Marcos Venicios

            Resumindo, eles economizam o quanto podem na ponta do serviço para poder criar privilégios e verbas para os servidores do alto escalão.

          • jefferson rocha de sousa

            Por que vivemos em um pais onde apenas os pobres são presos !!!

          • jefferson rocha de sousa

            Marcos Venicios mais uma vez você acertou a jogada. Motoristas do alto escalão serão mantidos o alvo sera motoristas de carros oficiais que fazem serviços de protocolos , que dá o sangue pelo emprego e com a crise que vivemos, essa criação será mais um abismo sem fundo a sociedade de baixa renda , que além de terem que fazer milagre com o salario defasado terão que conviver com o fantasma do desemprego.

          • jefferson rocha de sousa

            Isso se chama falta de fiscalização , onde deve até mesmo existe órgãos do governo permitindo que carros oficiais pernoitem em residencia de motoristas, e esse que faz uso do veiculo pra beneficio próprio nada mais é que um que deveria está atrás das grades , por fazer mal uso do dinheiro público.

          • jefferson rocha de sousa

            Marcos vejo com coerência as suas colocações , vejo essa ideia como forma de desempregar quem trabalha como profissional ( motorista ) onde adotaram essa medida como meio de economia mais deixando pais de família na rua da amargura.

        • No caso do ministro, só usando um helicóptero, pq com o caos q é o trânsito nas grandes cidades, nenhum Uber ou TaxiGov daria conta de ele chegar a tempo.

          • CtbaBr

            Pois é Cristina, mas a solução para esse caos generalizado no trânsito das grandes cidades do nosso País, deveria ser resolvido justamente pelo ministro da pasta correspondente, mas como ele resolvera o problema se nunca o vivenciou, se usar helicópteros nunca saberá como é esse caos?

            Resumindo, acho que os funcionários públicos deveriam sempre usar os serviços públicos, só assim sentiriam na pele a ineficiência de tudo isso, e talvez com isso o sistema melhorasse!

      • Thiago Lopes

        Uhun. Nem funcionário particular usa ônibus a serviço da empresa.

        • CtbaBr

          Funcionários de uma empresa particular podem fazer o que quiserem, ou melhor, aquilo que a empresa determinar!
          Mas funcionários públicos não, esses são pagos com dinheiro dos impostos, que todo cidadão diretamente ou indiretamente paga!

      • Bruno Santos

        Sim, um funcionário publico passar horas dentro de um transporte publico não conta como prejuízo ou falta de serviço, não é mesmo?

      • renan Brait

        Quanto custa a hora do funcionário publico? qual o tempo que ele perderia sendo transportado por ônibus? multiplica ambos e vc tem o custo de transporte do funcionário publico no ônibus, lembrando que tem que calcular por custo de hora extra, já que com o tempo perdido ele vai ter que trabalhar mais horas.
        quanto custa o serviço de transporte particular?
        ai vc faz um menos o outro e descobre qual sistema é vantajoso!!
        não to nem ai pra demagogia de tem que usar transporte publico, e sim para que o dinheiro seja bem usado de forma que se gaste menos

        lembrando que isso ai é para servidores, concursado, e não pros ministros ou pro presidente e demais cargos indicados

    • Alberto Prado

      Na real, pelo menos no estado, eles até que são bem utilizados. O problema é a constância disso. Tem momentos que se precisa de carro e não tem e em outros raros todos ficam parados. Fora que tem o carro do diretor que fica sempre a disposição.
      Pelo menos era assim aqui na SEDUC de MT. Se for dessa mesma forma lá em BSB pelo menos vai equalizar o uso desses carros. Mas acho que o certo mesmo é como o Dória fez em São Paulo como você disse.

    • Jorge Luis

      Se todos usassem Uber já poderia diminuir a quantidade de pessoas contratadas(motorista), com certeza reduziria os gastos mensais(só ver a média de cada parlamentar com gasolina) e ainda poderia usar o espaço do estacionamento para outros fins. E ainda movimenta bastante a economia com a necessidade de mais UBER ou similares(principalmente lá em BSB).

      • Gesonel o Mestre dos Disfarces

        Problema é que o serviço, ao que parece, funcionaria pro Executivo. deputado é de outro poder.

    • jefferson rocha de sousa

      Essa criação do taxigov será mais uma forma de lavagem de dinheiro , onde acerta dois coelhos com um tiro só, como ? desempregando muitos profissionais e servindo como mais uma forma de desvio de dinheiro público, por mais que aparente ser um meio de economia, vai ter um com o “jeitinho brasileiro” que vai dá seu jeito de levar o seu !!!!

  • PPKX XD ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

    Shalom? Os motoristas vêm de turbante?

    • Elvis Diniz

      Não. Provavelmente um Quipá.

    • Ricardo – Vaz Lobo

      Nada como um nome pio e devoto pra esconder alguma maracutaia.

    • Maxnoob

      Não… isso seria apropriação cultural. Não, pera

    • Ramon Gonzalez

      Pequeno equívoco, jovem padawan. Shalom = Hebraico = Israel Turbante 😀

      • Ramon Gonzalez

        Agora que vi que alguém já tinha avisado abaixo. Sorry

      • PPKX XD ✓ᵛᵉʳᶦᶠᶦᵉᵈ

        É, já me corrigiram ali embaixo, obrigado!

  • Ricardo – Vaz Lobo

    Alvíssaras! Num primeiro momento, é uma excelente notícia!
    Isso até a Operação Sonho de Valsa descobrir que o TaxiEngov tá levando a assessora de assuntos íntimos pra fazer a unha.
    Ou trocar toda a frota a cada 3 meses pelo desgaste.

    • Thiago Lopes

      Então o problema não é da idéia e sim da corrupção. Quem sabe possamos criticar a corrupção e não a iniciativa.

  • Diego F. Duarte

    Assim… Ces tao ligados q isso vai valer so pra servidores, ne? E q a galera da praca dos 3 poderes, apesar de serem servidores publicos pela lei tambem, nao vao usar isso, ne?

    Entao… A economia vai ser ridicula, dado q proporcionalmente eles tem a maior e mais cara frta.

    • Thiago Lopes

      Acho que o ponto não é economizar com o combustível e sim com a compra de frota nova. Uma vez que toda repartição compra carros novos de X em X tempos, e muitos ficam parados para, caso precisar, eles estarão lá. Com isso se otimiza o número de carros, deixando quase todos em uso o tempo todo, diminuindo a necessidade daquelas repartições que quase nunca se usa carro, mas tem para se precisar, possa-se usar.

    • Mais ou menos. Eu trabalho no Ministério das Cidades, e aqui a frota não foi comprada, e sim alugada. O Ministério paga X reais por mês pra empresa, que se vira com manutenção e combustível dos carros, e pagamento dos motoristas. Só que nem sempre os motoristas estão rodando pra cima e pra baixo levando servidores.

      A idéia desse app é ter uma frota só com, digamos, 300 carros, em vez de 35 frotas com 25 carros cada. Vai acabar economizando sim.

      E tecnicamente os ministros do STF, congressistas e Presidente da República não são servidores públicos, e sim agentes públicos (tem diferença).

  • Podia simplesmente ter usado o UBER normal e economizado mais dinheiro do contribuinte com essa licitação sem pé nem cabeça, mas ai ninguém ia ganhar um troco por fora, imagino eu

    • LekyChan

      todo contrato que ultrapasse 16mil no ano precisa ser licitado.

    • Mesmo que o Governo Federal quisesse contratar a Uber pra isso (não sei se cogitaram), a regra é sempre licitar. Princípio básico da Lei de Licitações (lei 8.666/93). E numa licitação, em tese nem sempre o melhor de um modo geral vence, e sim o “mais vantajoso” (que pode ser o mais barato, ou que tem mais carros, ou que tem motoristas melhor qualificados, enfim).

      Melhor dizendo: não temos acesso ao processo de licitação. Vai que a Uber participou e perdeu?

      • Daltro Campanher de Souza

        Em outras palavras: fazem o que querem com a nossa grana, FODA-SE.

        • Em nível municipal e estadual é bagunçado mesmo, mas em nível federal tem um monte de gente curiando, controlando, reclamando e barrando. Não é bem assim não.

          Claro, a não ser que você seja amigo do Rei…

        • LekyChan

          ao contrario, eles fariam que bem quisessem se não houvesse licitações, ai sim eles contratariam quem desse na telha

      • Ligeiro

        E o Uber participa de licitação?

        • Sinceramente, não sei. Tem escritório no Brasil, então pode participar. Se eles têm interesse é outra história.

          • Ligeiro

            Cara, se o Uber quisesse participar de alguma licitação, para começar, não teria existido a “guerrinha contra os taxistas” que deu no início do mainstream do Uber no país.

            O Uber agiria de forma legal plena, dentro das regras. Ou ao menos mudaria as regras de dentro para fora.

            Ao que noto, o Uber tem essa filosofia: “Estamos aqui. Somos bons. Quer usar? Obrigado e tenha uma boa viagem.”

            Vide: salvo engano em SP o Dória falou que funcionários públicos usariam Uber. A pergunta: Teve licitação? Teve ao menos algum acordo público de parceria?

            Ano passado o Haddad começou algo parecido: ia começar a eliminar a frota da prefeitura e usar os Táxis pretos.

          • Foi como eu disse, PODER participar eles podem. Querer é outra história. Eu não vi o processo de licitação e levantei uma hipótese, não quer dizer que realmente aconteceu.

            E, no fim das contas, o governo pode fazer um termo de parceria, um convênio, ou algo assim.

  • ditom

    Tinha de ter acesso a chamada por telefone também.

  • Ramon Gonzalez

    ótima iniciativa. Espero que funcione na prática.

  • Ligeiro

    Pesquisa no Google: Shalom Ltda.

    Resultado: Rádio Táxi Shalom. (uma única estrela em cinco no site de indicações de serviços “Sou Brasília”).

    Hum, cadê os jornalistas investigativos? :p

    Nome do aplicativo: TaxiGov.

    Não por mal, pessoal do Tecnoblog, mas um aplicativo de táxi ser tratado como Uber é meio esquisito. O pessoal esquece do 99 Táxis, Easy Táxi, etc…

    Poxa gente, Uber pra lá, Uber pra cá… :