Início » Gadgets » Dell XPS 13 (2018): quando o ótimo se torna excelente

Dell XPS 13 (2018): quando o ótimo se torna excelente

Notebook premium da Dell tem sua maior atualização em três anos e custa a partir de R$ 7.999

Por
31/05/2018 às 15h00
9.4

Prós

  • Acabamento de primeira
  • Tela com tecnologia HDR é uma das melhores que eu já vi
  • Desempenho não deixa a desejar em nenhum momento
  • Boa duração de bateria (melhor ainda na versão 1080p)
  • Versão básica tem excelente custo-benefício

Contras

  • Dell, coloca essa webcam no lugar certo, pelo amor!
  • Prepare-se para colecionar adaptadores USB-C

A linha XPS 13 da Dell recebeu sua maior atualização dos últimos três anos: antes, o notebook que eu defini como o “MacBook” que roda Windows só era atualizado uma vez ou outra no processador.

Dessa vez, o design melhorou em diversos pontos, as bordas mínimas ficaram ainda menores, o notebook ficou mais fino e leve e a Dell acertou mais nas versões que optou trazer para o Brasil. Antes, o XPS 13 custava em torno de R$ 10 mil e agora tem preço sugerido de R$ 7.999. Veja se vale a pena:

Em vídeo

Design e acabamento

O acabamento do XPS 13 acerta em tantos pontos que prefiro começar falando onde a Dell errou. Como usuário de MacBook, senti falta da base do notebook se manter na mesa quando você levanta a tampa. Pode parecer bobo, mas para quem abre e fecha o notebook várias vezes por dia essa comodidade faz diferença.

Em segundo lugar, algo que eu já tinha reclamado no review da geração anterior, é a posição da webcam. Por mais que eu ame esse design de bordas mínimas, ter a webcam embaixo da tela é pior do que colocar um notch. Sério.

Qualquer reunião ou conferência por vídeo que você participar precisará ser na mesa e com o notebook mais alto do que o comum, do contrário as pessoas do outro lado vão ver mais o seu peito ou queixo do que o seu rosto. Ou suas mãos, se você digitar alguma coisa no teclado.

Em uma reunião aqui do Tecnoblog, comentei com o time que dava pra ver mais a minha papada do que o rosto em si. Reuni os melhores comentários da equipe:

“O Jean fica parecendo o Kléber Bambam com essa câmera”, disse Paulo Higa, editor-executivo do Tecnoblog, porque o ângulo deixava o meu tronco desproporcionalmente maior do que a minha cabeça.

“Com a câmera nessa posição o Windows Hello desbloqueia pela papada”, disse Paulo Barba, videomaker do TB.

“Parece aqueles tarados na internet”, disse Thiago Mobilon, editor-chefe do TB, quando viu a minha mão posicionada na frente da câmera.

Não fosse por esses dois pontos, a nota do XPS 13 em design seria dez. É notório que a Dell toma um cuidado especial ao projetar esse notebook: o acabamento em alumínio na tampa e na parte de baixo é muito bem feito e não esquenta com facilidade.

O notebook pode ser comprado na cor prata ou em rose gold. Esse tom de ouro rosê, de certos ângulos, parece até o prata e deu um toque suave ao design do XPS 13 — ficou muito bom. No apoio para as mãos o notebook tem um revestimento de fibra de vidro trançada que, tanto branco quanto preto, é outro trunfo da fabricante.

Todas três portas do XPS 13 são em USB-C, o que já virou um padrão da indústria para os notebooks mais finos. Para ter um computador de 13 polegadas que é tão compacto como um de 11″, é uma concessão que estou disposto a fazer, infelizmente. Também há uma entrada para fones de ouvido e outra para cartão microSD (fiquei chateado quando não consegui colocar o meu SD comum).

Esse negócio preto é um hub USB-C da Dell, que tem entrada VGA, HDM, DisplayPort, USB-C, USB-A e Ethernet e custa R$ 339. O adaptador branco está incluso na caixa.

Tela e hardware

No review da geração anterior, falei que a Dell tinha sido injusta nas versões do notebook que ela trouxe para o Brasil. Reclamei que nem todo mundo queria tela com touch e que o preço da versão sem tela sensível ao toque poderia ser mais atrativo.

Dessa vez, estou mais contente com os modelos oferecidos por aqui. Todos têm 8 GB de RAM, 256 GB de SSD e processador Intel Core i7-8550U de 8ª geração. A diferença fica na cor (o ouro rosê é um pouco mais caro), presença do leitor de impressões digitais (só na cor ouro rosê) e resolução da tela: 1080p ou 4K.

A tela do XPS 13 também tem HDR, a tecnologia de grande alcance dinâmico. Na prática, isso significa que imagens ou vídeos com essa tecnologia aparecem mais brilhantes e suportam uma gama maior de cores.

Comparei um vídeo com HDR e outro vídeo sem; a diferença é bem perceptível (para melhor). No entanto, ainda que com o alcance dinâmico comum, não tenho nada a reclamar da tela do XPS 13. Ela já é bem brilhante, tem ótimo ângulo de visão e degradê suave entre as cores.

Outras peças de hardware do notebook não decepcionam, mas tive alguns problemas com o teclado. Ele tem um problema no reconhecimento de teclas duplicadas, então se você digita “que eu” muito rápido, por exemplo, ele só escreve “que u”. A Dell já sabe desse problema e, segundo um técnico da empresa no fórum de suporte, a correção estará disponível na versão 1.3.1 da BIOS.

Apesar de ter gostado do acabamento branco, em alguns momentos achei que a retroiluminação (também branca) nas teclas acabava atrapalhando a visão em vez de ajudar. O touchpad do notebook é espaçoso (mesmo não sendo tão grande), só tem o clique um pouco duro demais para o meu gosto, o que não foi um problema porque também dá pra clicar apenas com o toque. E o alto-falante tem som alto e nítido, o esperado para essa faixa de preço.

Minha experiência com o Windows Hello no XPS 13 também foi boa. Apesar da câmera não ficar em uma posição muito favorecida, ela reconheceu bem o meu rosto (ou papada?) e fez eu usar muito pouco o leitor de impressões digitais — que fica no botão liga/desliga.

Desempenho e bateria

Por dentro, o XPS 13 tem um processador Intel Core i7-8550U com quatro núcleos a 1,8 GHz (e pode chegar até 4 GHz com o Turbo Boost) e todas as versões vêm com 256 GB de armazenamento e 8 GB de RAM (sem opção de aumentar).

Ainda que o notebook não tenha 16 GB de RAM, não tive nenhum problema em relação ao desempenho, mesmo rodando os apps do Spotify, Slack e Trello para desktop (que consomem mais poder de processamento do que deveriam), mais de dez abas no Chrome e reprodução de vídeo em alguns momentos.

Se você gosta de benchmarks, o XPS 13 marcou 4802 no Geekbench 4 single-core e 14839 no multi-core, desempenho que você só encontra em um MacBook Pro customizado com processador i7 (e por um preço bem mais alto que o XPS 13).

Minha única ressalva aqui talvez seja a bateria, que aguenta entre 5 a 7 horas até desligar. É uma ótima autonomia para um display 4K, mas ainda pode não ser o suficiente para quem quer passar o dia inteiro trabalhando longe de uma tomada. A versão com resolução 1080p deve ter autonomia superior a dez horas, então é preferível se você não quiser se preocupar em andar com o carregador.

Conclusão

Enquanto no review anterior eu fiquei frustrado com as versões do XPS 13 que a Dell trouxe para o Brasil, hoje eu gosto muito das mudanças que a empresa fez. Tanto no modelo menos caro quanto no mais caro ainda você leva um i7 de 8ª geração, 256 GB de armazenamento e 8 GB de RAM.

Com isso em mente, dá para dizer que o notebook entrega mais, custando menos, que a geração anterior. Antes, você não encontrava o notebook com as mesmas configurações por menos de R$ 10 mil. Hoje, não é difícil achar a versão básica por cerca de R$ 7,5 mil.

Essa seria a minha escolha, aliás: a tela de 1080p já tem tecnologia HDR, a resolução é suficiente para um notebook de 13 polegadas, a cor prateada também é bonita, o Windows Hello funciona bem somente com o reconhecimento facial e a bateria vai durar mais em relação às versões mais caras.

Sem dúvidas, o XPS 13 é a melhor opção em sua faixa de preço. Claro, a webcam fica em uma posição super desfavorecida e ainda falta uma certa atenção a alguns detalhes, mas, se você preferir Windows, o notebook que antes era o “MacBook” que roda Windows pode ser até melhor que MacBooks mais caros.

Como comprar com desconto?

testador-cupons-checando

Você pode utilizar a nova extensão do Tecnoblog para economizar alguns caraminguás na hora de trocar de aparelho. Ela tem um módulo Testador de Cupons que busca e aplica o maior desconto disponível na internet no seu carrinho de compras. É tudo automático, então qualquer um consegue utilizar, e é completamente grátis!

ta-caro

Outro recurso muito legal é histórico de preços. Quando você acessar a página de um smartphone, por ex, a gente já consegue te dizer se ele está com um preço legal. Esse recurso te ajuda a não cair em nenhuma "promoção", dessas que oferecem tudo pela "metade do dobro". Tenho certeza que vai ser muito útil em datas especiais, como na Black Friday.

Curtiu? Então clique aqui para instalar. ;)

Especificações técnicas

  • Armazenamento: 256 GB SSD;
  • Bateria: 4 células (52 Wh);
  • Conectividade: Killer Wireless 1435 802.11ac 2×2 e Bluetooth 4.1;
  • Dimensões: 199 x 302 x 7,8 mm;
  • Memória RAM: 8 GB DDR3 1.866 MHz;
  • Peso: 1,21 kg;
  • Placa de vídeo: Intel Graphics 620;
  • Teclado: padrão americano com retroiluminação branca;
  • Tela: IPS de 13,3 polegadas com tecnologia HDR;
  • Resolução: 1080p ou 4K;
  • Sistema: Windows 10 Home Single Language (64-bits);
  • Webcam: widescreen 720p com quatro microfones e suporte ao Windows Hello;
  • (» Mais informações)

Notas Individuais

Design
9
Tela
10
Teclado
10
Touchpad
10
Desempenho
10
Bateria
9
Software
8