Depois do caso Cambridge Analytica, o Facebook será obrigado a tratar de outros problemas ligados à privacidade dos usuários. O mais recente deles foi apresentado por uma reportagem do New York Times, que indica a permissão dada pela empresa para fabricantes de eletrônicos terem acesso a um grande volume de dados dos usuários.

O jornal afirma que a violação envolveu ao menos 60 empresas, entre as quais Apple, Samsung, HTC, Amazon, Microsoft e BlackBerry. Há dez anos, elas receberam APIs do Facebook para oferecerem aos usuários uma experiência parecida com a da rede social sem exigir a instalação do aplicativo. No entanto, podem ter recebido informações em excesso.

Um repórter do NYT testou uma dessas plataformas, o BlackBerry Hub, e descobriu que ela dava acesso a informações como status de relacionamento, religião e inclinação política de seus 556 amigos. Além disso, ele conseguiu acessar os perfis de mais de 294 mil amigos de seus amigos.

A permissão dada à BlackBerry é semelhante à que os aplicativos de terceiros tinham até 2014. Naquele ano, o Facebook impediu que esses apps tivessem acesso às informações de amigos dos usuários. No entanto, a rede social parece ter criado uma exceção às fabricantes.

Como lembra a reportagem do NYT, a situação desmente a declaração feita por Mark Zuckerberg em seu depoimento ao Congresso americano. “Cada parte do conteúdo que você compartilha no Facebook é de sua propriedade”, disse. “Você tem total controle sobre quem o vê e como você o compartilha”

Em resposta publicada em seu blog, o Facebook argumentou que a integração com os dispositivos era necessária para a época. Segundo a empresa, as parcerias atendiam ao interesse dos usuários, que queriam ter a opção de usar o Facebook em qualquer dispositivo.

“A demanda pelo Facebook superou nossa habilidade de construir versões que funcionassem em todos os smartphones e sistemas operacionais. É difícil lembrar agora, mas naquela época não havia lojas de aplicativos”, disse Ime Archibong, vice-presidente de parcerias de produto do Facebook.

Com a prática, o Facebook pode ter violado um acordo firmado em 2011 com a FTC (Federal Trade Commission), que obrigava a plataforma a ter o consentimento dos usuários se desejasse se sobrepor às configurações de privacidade definidas previamente.

Neste caso, informações sobre muitos amigos de usuários podem ter sido exibidas sem autorização em plataformas como o BlackBerry Hub. O Facebook garante que controlou o que as APIs davam acesso e lembra que a integração impedia o uso dos dados para qualquer fim que não seja o de recriar a experiência da rede social.

“Ao contrário do que afirma o NYT, informações de amigos, como fotos, eram acessíveis somente quando a pessoa decidia compartilhar suas informações com esses amigos”, continuou Archibong. O executivo afirmou ainda que o Facebook “não está ciente de qualquer abuso dessas empresas”.

Procurada pelo New York Times, a Apple afirma que desde setembro de 2017 seus dispositivos não têm mais acesso a essas informações. A Samsung e a Amazon se recusaram a comentar a parceria com o Facebook. A BlackBerry diz que usava os dados do Facebook somente para dar aos usuários acesso à rede e às mensagens.

Já a Microsoft usou a parceria para permitir que seus usuários pudessem adicionar contatos e receber notificações. A empresa afirma que os dados eram armazenados no smartphone e não eram sincronizados com seus servidores.

Desde abril, o Facebook está descontinuando boa parte dessas integrações. “Agora que o iOS e o Android são tão populares, menos pessoas confiam nessas APIs para criar experiências sob medida no Facebook”, disse Archibong. Até o momento, 22 parcerias com fabricantes foram encerradas.

Com informações: Engadget.

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

paulo yan

Apple, Apple, Apple, se você tem teto de vidro não atire a primeira pedra

Helliton Soares Mesquita

Pena que nesse caso como não tem Trump no meio, apesar de ser 10x mais grave não será noticia.

Anderson Ismael

o Google Play foi fundado em 2012 e a App Store em 2008 e o Facebook
Messenger existe desde agosto de 2011, ou seja, nada justifica o Facebook ter
dado suporte a essa API para essas empresas até 2014.

Anderson Ismael

o Google Play foi fundado em 2012 e a App Store em 2008 e o Facebook Messenger existe desde agosto de 2011. nada justifica o Facebook ter dado suporte a essa API para essas empresas até 2014.

Panino, o Moço

"É difícil lembrar agora, mas naquela época não havia lojas de aplicativos”

Dispensa comentários.

Isaias Freitas

Sempre tive um pe atras com esses acessos ao facebook ,twitter, google via site,

Rafael Luik

Ah não, mentira que quando eu loguei no hub social da marca X e apareceu uma janela me perguntando se eu aceitava dar acesso a meus dados o Facebook foi lá e deu acesso aos meus dados!? E que meus amigos que aceitaram os termos de privacidade que informam dar acesso à suas informações para a API por meio de controles para mostrar e permitir que apps acessem seus dados por meio de amigos que usem os apps, e com isso os dados deles estavam disponíveis pela API?

q

Não entendo essa "notícia" não...

Só uma observação: o motivo pro Facebook descontinuar essas APIs não tem a ver com preocupação com privacidade dos usuários. Assim como o Twitter impede um número de apps de terceiros de acessarem todas as funcionalidades da rede, isso é puramente pra que as pessoas tenham que usar os apps oficiais e assim serem obrigadas a visualizar e interagir com as propagandas deles, bots, "mercados", gerarem impressões e terem seus dados escaneados para melhor personalizar anúncios, etc.

Ramon

Não entendo o pq da surpresa, desde q abri minha conta em 2011 eu ja estava ciente de que eles usariam todos meus dados da maneira que quisessem. (Inclusive o android) De graça nem relógio trabalha, quer privacidade vire um eremita.

Manoel Guedes

Quem tem dinheiro para acessa e processa os dados coletados pelo Facebook tem interesse de manipular Eleições... Mercados... Guerras...
Lembre-se os dados são além da sua vida sem graça e de seus gatos travessos...
O Facebook cobra um preço muito alto para o produto que oferece (Uma local virtual de disseminação de ódio, inveja e etc...

Matheus Gonçalves

O Facebook tem todo estigma de usar/vender/oferecer nossos dados para outras empresas e tá evidente que isso é errado. E isso tá rolando há algum tempo.

Daí que a empresa deveria estar em modo de contenção de caos, tentando descobrir por si mesma esses furos, e resolver esses problemas antes de qualquer outra empresa descobrir.

E daí que toda semana pinga um furo da rede social. Toda semana tem uma descoberta nova. Pessoalmente eu não ligo tanto do meu status de relacionamento estar disponível através da API, mas isso deveria estar nas mãos dos usuários pra escolher, não estar disponível assim, mesmo quando os usuários escolheram não mostrar.

Assim fica difícil te defender, Facebook.