Tecnoblog

TSE pretende abrir o código-fonte da urna eletrônica

A medida visa oferecer mais transparência ao sistema usado para registrar os votos

A credibilidade da urna eletrônica é colocada em dúvida a cada eleição. Alguns eleitores acreditam que elas não são seguras e estão sujeitas a fraudes. Para oferecer mais transparência, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) estuda disponibilizar o código-fonte das máquinas.

A informação foi revelada pelo chefe da seção de voto informatizado do TSE, Rodrigo Coimbra. À Folha de S.Paulo, ele afirmou que o processo de liberação do código ainda está em sua fase inicial e não possui uma data para ser concluído.

Foto: Elza Fiúza/ABr

A expectativa é que isso ocorra somente entre as eleições de 2020 e de 2022. Por enquanto, o tribunal analisa algumas questões legais relacionadas à abertura do sistema. Segundo Coimbra, algumas partes do código foram feitas por empresas privadas e, possivelmente, não poderão ser liberadas.

O TSE também analisa como formaria uma equipe dedicada a oferecer suporte para quem estiver com dificuldades para verificar o sistema.

Com a abertura do código-fonte, o órgão deseja permitir uma inspeção ainda mais ampla do sistema usado para registrar os votos. Atualmente, a urna eletrônica pode passar por auditoria após a eleição por pedido do Ministério Público, da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) ou dos partidos políticos.

Esse grupo também tem acesso ao código-fonte seis meses antes da votação. Além disso, o TSE realiza cerimônias públicas para gravar o código nos cartões e instalá-los nas máquinas. Este ano, porém, o procedimento não foi acompanhado por nenhum partido.

Atualizado às 18h29 de sexta-feira (21): ao contrário do que foi noticiado pela Folha, o TSE não espera que o código fonte seja liberado antes da eleição de 7 de outubro.