Início » Aplicativos e Software » Adobe proíbe uso de versões antigas de programas na Creative Cloud

Adobe proíbe uso de versões antigas de programas na Creative Cloud

A Adobe afirmou a alguns usuários que o uso de versões antigas pode levar a alegações de violação por terceiros

Por
23 semanas atrás

A Adobe notificou algumas pessoas que ainda estão usando versões antigas de programas da Creative Cloud, como Photoshop, Premiere e Lightroom Classic. A companhia pediu que os serviços fossem atualizados e informou que os usuários não poderiam ter acesso às versões anteriores.

“Descontinuamos recentemente certas versões mais antigas de aplicativos da Creative Cloud e, como resultado, sob os termos de nosso contrato, você não tem mais licença para usá-las”, afirma a Adobe em uma das mensagens.

Adobe proíbe uso de versões antigas de programas na Creative Cloud (Foto por Alexander Pahn/Pixabay)

A companhia alertou ainda que, caso continuem usando as versões antigas de programas da Creative Cloud, os usuários estarão sujeitos a “possíveis alegações de violação por terceiros”.

A mensagem foi compartilhada no Twitter por um usuário chamado Matt Roszak e confirmada por alguns de seus seguidores. Em resposta a outro usuário, a Adobe afirmou que não poderia dar mais detalhes sobre as alegações por se tratar de um processo em andamento.

“Terceiros incluem qualquer pessoa ou empresa que possa ter uma reivindicação de direitos autorais ou outra violação de propriedade intelectual em virtude de seu uso continuado de produtos não autorizados”, explica a empresa.

Ao AppleInsider, a Adobe confirmou que as versões antigas dos programas foram descontinuadas e que usuários receberam notificações sobre o fim da licença sobre elas e orientações sobre como atualizar para versões mais recentes.

Adobe tem disputa judicial com Dolby

A Adobe não revelou quem poderia alegar a eventual violação. Porém, como lembra o AppleInsider, a companhia mantém uma batalha judicial com a Dolby desde março de 2018 devido a uma suposta quebra de acordo de licenciamento.

Por contrato, a Adobe deve pagar taxas de royalty com base no número de pessoas usando programas que contam com alguma tecnologia da Dolby. A dona do Creative Cloud também precisa disponibilizar dados de forma transparente com sua parceira.

A Dolby, porém, afirma que, quando “procurou exercer seu direito de auditar registros da Adobe para garantir relatórios e pagamentos adequados, a Adobe se recusou a participar até mesmo de práticas básicas de auditoria e compartilhamento de informações”.