Início » Finanças » Pagamento com celular supera uso de dinheiro vivo pela 1ª vez no mundo

Pagamento com celular supera uso de dinheiro vivo pela 1ª vez no mundo

América Latina segue no crescimento das carteiras digitais, mas no Brasil o pagamento por celular respondeu por 8% das vendas

André FogaçaPor

Uma pesquisa levantada pela empresa FIS, empresa que trabalha com tecnologias para transações financeiras em lojas e até bancos, aponta 2020 como ano marcado por ser o primeiro onde o pagamento feito por carteiras digitais de celular ultrapassou os números registrados por dinheiro em espécie, dentro das lojas físicas.

Cartões de crédito no Apple Pay (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

Cartões de crédito no Apple Pay (Imagem: Paulo Higa/Tecnoblog)

O estudo levou em conta dados apurados em 41 países ao redor do mundo durante o ano passado, notando queda de 10% no número de pagamentos feitos com dinheiro vivo dentro do varejo. No total, colocar moedas e notas nas mãos dos lojistas estava presente em apenas um quinto de todas as transações deste tipo – quando cliente e varejista estão frente a frente.

A região do mundo que concentra o maior crescimento do uso das carteiras digitais em celulares ainda é a Ásia, somada com o Oceano Pacífico. Por lá, 40% de todas as vendas dentro das lojas foram concretizadas com uso de aplicativos como Google Pay, Apple Pay, Samsung Pay e até cartões de crédito que utilizam tecnologia contactless.

Para o mundo todo, os pagamentos feitos por aproximação com carteiras digitais respondeu por 25,7% de todas as vendas em lojas do comércio, seguido do cartão de crédito com 22,4%, débito em 22,3% e o dinheiro só aparece em quarto lugar, registrando 20,5% das transações.

A pandemia de COVID-19 ajudou este cenário para a queda da popularidade do dinheiro em espécie, já que o pagamento feito com carteira digital por celulares auxilia na hora de evitar contato físico. A previsão para 2024 é de continuidade na queda para a utilização do dinheiro vivo, chegando em 12,7% das vendas. Já os aplicativos para smartphones estarão presentes em 33,4% das compras físicas.

Brasil faz mais pagamento em dinheiro que por celular

O estudo dividiu regiões em países e notou que no Brasil a presença de carteiras digitais ainda não é dominante. Os brasileiros passaram mais cartões físicos nos pontos de venda que o pagamento por aproximação.

Em números fechados, 35% de todos os pagamentos feitos nas lojas físicas foram concretizados em dinheiro vivo, seguidos de 34% com cartões de crédito, 20% nos cartões de débito e apenas 8% com algum tipo de carteira digital – sem distinguir entre as soluções como Apple Pay, Samsung Pay e Google Pay, de outras como PicPay e MercadoPago.

Quando o mesmo estudo mira para o comércio eletrônico, o cartão de crédito sobe para 43% das vendas e as carteiras digitais, junto de pagamento por celular, figuram em segundo lugar com 17%. Logo abaixo está o cartão de débito com 13% e dinheiro aparecendo apenas na sétima posição com 1%.

Olhando para América Latina como um todo, os pagamentos feitos com dinheiro diminuíram 34,7%, com cartões de crédito e débito figurando como o métodos de transação preferidos pelas pessoas.

Somando todos os países da região, as compras em dinheiro vivo estavam presentes em 38% das vendas e o pagamento por celular em apenas 6,4% – perdendo para cartões de crédito e débito. A previsão para 2024 é de 24,3% do comércio físico acontecendo em espécie e os celulares batendo em 12,4%.

Com informações: FIS.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
6 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

imhotep (@imhotep)

Dinheiro vivo, sentido figurado, se usa desde sempre, pra diferenciar do uso do dinheiro por canais digitais como cartão, celular, cheques (alô dinossauros), etc.

Dinheiro em espécie funciona também.