Início » Negócios » Cabify, rival da Uber e 99, desiste de operações no Brasil

Cabify, rival da Uber e 99, desiste de operações no Brasil

Cabify manterá operações somente até 14 de junho de 2021; crise socioeconômica pesou na decisão de sair do Brasil

Emerson Alecrim Por

14 de junho de 2021 será o último dia de operação do Cabify no Brasil. Rival do Uber e 99, o serviço começou a enviar e-mails a seus clientes nesta sexta-feira (23) para comunicar a decisão. A crise socioeconômica causada pela pandemia de COVID-19 é apontada pela companhia como principal fator para a desistência das operações no país.

App do Cabify (imagem: divulgação/Cabify)

App do Cabify (imagem: divulgação/Cabify)

O Cabify foi fundado em 2011, na Espanha, e nos anos seguintes expandiu sua atuação para a América Latina. No Brasil, a companhia estreou seu serviço em junho de 2016 com uma estratégia ousada: ao contrário da Uber, a companhia não cobrava tarifa dinâmica e tarifava somente o quilômetro percorrido, independentemente do tempo gasto.

A estreia foi feita em São Paulo (SP), mas, nos meses seguintes, o Cabify passou a atuar também em Brasília, Belo Horizonte (MG), Campinas (SP), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Santos (SP).

Aos poucos, o Cabify pretendia levar as suas operações para todas as capitais brasileiras, mas esse plano nunca se concretizou. Na verdade, o Cabify não expandiu suas operações nem nas cidades em que atua, pois, com o passar do tempo, preferiu focar suas atividades em regiões com predomínio de atividades empresariais.

Em São Paulo, por exemplo, (ainda) é possível pedir uma corrida via Cabify apenas no chamado centro expandido.

Em 2017, o Cabify anunciou uma fusão com a Easy (antes, Easy Taxi), o que permitiu ao serviço atender áreas não cobertas de modo indireto com táxis. Mas isso pouco ou nada contribuiu para o serviço ganhar relevância como marca.

Ainda em 2017, o Cabify adotou a tarifa dinâmica e, com isso, perdeu um dos únicos diferenciais que tinha em relação à Uber.

A soma desses fatores dificultou a popularização do Cabify no Brasil. Mas o que pesou na decisão da empresa de sair do país são os efeitos da pandemia.

Em nota, a companhia explica que “o mercado brasileiro ainda é muito afetado pela grave situação sanitária do país e pela crise sócioeconômica local causada pela COVID-19. Este contexto dificulta a criação de valor e tem levado a empresa a parar sua operação no Brasil”.

No Twiter, a companhia soltou a seguinte mensagem:

Depois de tantos anos nos movendo, no próximo dia 14 de junho deixaremos de operar no Brasil. Obrigado por tudo, e mesmo que não os levamos mais de Cabify, os levaremos para sempre no [emoji de coração]. Nos vemos nos países onde ainda operamos o serviço.

Além dos usuários, motoristas e empresas parceiras já estão sendo avisados da decisão.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
17 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

André Gorgen (@Banana_Phone)

Mais um player que deixa o mercado brasileiro…
Já era esperado, eu mesmo nem usava mais o serviço pois o preço sempre era maior que do Uber e 99, além de terem menos carros disponíveis.

100061900990_120768544×1000 64.8 KB

Meu amigo recebeu isso no e-mail, no site deles ainda não tem nada a respeito da saída deles do Brasil, mas no Instagram eles também postaram uma imagem de despedida.

imhotep (@imhotep)

Operou alguma dia?
Sempre mais caro e com menos opções…

Será q o Easy Taxi, q se uniu a eles vai acabar tb?

André Gorgen (@Banana_Phone)

Eu achei que o Easy Taxi tinha se unido com a 99, agora que fui ver que se uniram com o Cabify.
Mas é provável que deixem de existir também.

Tech Nerd 🤓 (@technerd)

Literalmente #FechadacomBolsonaro

Seria cômico se não fosse trágico, a quantidade de empresas que estão saindo do país, fechando fábricas e deixando de gerar empregos.

Digo e repito, esse é o pior momento que esse sofrido país já passou na sua história. No futuro acadêmicos tentarão entender como deixamos chegar nesse nível absurdo de insanidade que estamos chafurdando.

Victor Braga (@victorbraga)

Também deixei de usar quando o motorista me deu o golpe e o suporte deu razão para ele (PayPal me salvou nesse caso).
Eu deveria estar triste com a redução da concorrência mas, nesse caso, acho que foi tarde.

FelipeCG (@FelipeCG)

“A crise socioeconômica causada pela pandemia” - errado. A crise foi causada por políticos.

Douglas Amorim (@Douglas_Amorim)

É muito fácil culpar o país quando a sua estratégia de negócio é absurdamente falha e até mesmo burra, não fazia sequer sentido o modelo.

Só atendiam bairros classe média-alta. Aí você ia do ponto A ao ponto B, mas lá no ponto B eles deliberadamente se recusavam a ativar o aplicativo. Mesmo que houvesse um motorista passando ao seu lado, o app não funcionada ali e já era. Vc era obrigado a ter Uber ou 99 pra voltar do ponto B pro ponto A.

No mundo imaginário deles, as pessoas só vão, elas não voltam. Somos todos nômades kkkkkkkkk

As cidades são dinâmicas, as pessoas são dinâmicas. O cara pode ser rico e visitar o parente na periferia, e vice-versa. Não prestava serviço bom nem pra elite, que também tinha que recorrer ao Uber/99.
#FAIL

Joseilton Júnior (@Joseilton_Junior)

Só vim saber o que era Cabify ano passado, quando fiz um plano da Claro e essa empresa estava entre as que não consumia dados móveis. Assim que li o nome, associei à cabide e achei que era uma empresa de organização de guarda-roupa para preguiçosos. Os conhecidos “personal organizer”