Início » Antivírus e Segurança » “Deepfake” que enganou políticos em chamada de vídeo era sósia [atualizado]

“Deepfake” que enganou políticos em chamada de vídeo era sósia [atualizado]

Parlamentares de países como Reino Unido, Letônia e Holanda tiveram reunião virtual com falso representante de opositor russo

Victor Hugo Silva Por

Alguns parlamentares europeus afirmaram nos últimos dias que foram vítimas de um deepfake em uma chamada de vídeo. A situação fez os políticos pensarem que estavam conversando com Leonid Volkov, chefe de gabinete do opositor russo Alexei Navalny, mas não havia nada tão tecnológico. Na verdade, eles foram enganados por um sósia de Volkov. O Tecnoblog repercutiu os relatos e, agora, atualiza o texto para esclarecer a informação.

À esquerda, Leonid Volkov; à direita, Alexei Stolyarov – e não um deepfake (Imagem: Reprodução/Twitter)

À esquerda, Leonid Volkov; à direita, Alexei Stolyarov – e não um deepfake (Imagem: Reprodução/Twitter)

Na semana passada, parlamentares do Reino Unido, Letônia, Lituânia, Estônia e Holanda afirmaram ter sido enganados por alguém que se passou por Volkov. A pessoa que teria aparecido na chamada de vídeo com o deepfake era Alexei Stolyarov, que usou apenas maquiagem e para ficar ainda mais parecido com Volkov.

Como já era suspeitado, a pegadinha foi feita pela dupla russa Vovan e Lexus, apelido de Vladimir Kuznetsov e Alexei Stolyarov, respectivamente. Eles já haviam sido questionados pelo The Guardian sobre a situação, mas, inicialmente, não confirmaram nada. Ao jornal, Stolyarov disse apenas que não havia usado um filtro para se parecer com Volkov.

Vovan e Lexus são conhecidos por terem aplicado trotes em pessoas como Boris Johnson, Justin Trudeau, Bernie Sanders e Elton John. Em matéria publicada nesta sexta-feira (30) pelo The Verge, eles confirmaram o trote e voltaram a afirmar que não usaram inteligência artificial. A dupla publicou no YouTube uma gravação da chamada de vídeo.

Eles explicam que entraram em contato com os políticos com um e-mail falso que mostrava Volkov na foto de perfil. Nas mensagens, eles pediam para tratar de diversos assuntos. O presidente de relações exteriores do parlamento da Letônia, Rihards Kols, afirmou ter tratado da situação de presos políticos russos e da anexação da Crimeia à Rússia.

O parlamentar só soube que não conversou com o verdadeiro Volkov semanas depois da chamada de vídeo. Kols publicou no Twitter uma imagem do chefe de gabinete de Navalny ao lado de uma captura de tela com o rosto de quem apareceu na chamada de vídeo. O que se pensava ser um deepfake era, na verdade, Stolyarov sem qualquer ajuda de inteligência artificial.

“Uma lição bastante dolorosa, mas talvez também possamos agradecer a esse falso Volkov por essa lição para nós e para os colegas da Lituânia e da Estônia”, afirmou Kols, segundo o The Guardian, antes de Vovan e Lexus explicaram a pegadinha. “É claro que a chamada decadência da verdade ou era da pós-verdade tem o potencial de ameaçar seriamente a segurança e a estabilidade de países, governos e sociedades locais e internacionais”.

Alexei Stolyarov se passou por Leonid Volkov, mas não usou deepfake (Imagem: Reprodução/YouTube)

Alexei Stolyarov se passou por Leonid Volkov, mas não usou deepfake (Imagem: Reprodução/YouTube)

Ainda na semana passada, o presidente do comitê de relações exteriores do parlamento britânico, Tom Tugendhat, acusou o presidente da Rússia, Vladimir Putin pela situação. “O Kremlin de Putin é tão fraco e amedrontado com a força de Navalny que estão realizando reuniões falsas para desacreditar a equipe de Navalny”, publicou Tugendhat no Twitter.

Em comunicado, o parlamento holandês confirmou na sexta-feira (23) que seu comitê de relações exteriores realizou uma chamada de vídeo com o falso Volkov. “O comitê recebeu a confirmação de que a conversa não foi conduzida com o próprio Volkov, mas com alguém se passando por ele”, afirmou. “A Câmara dos Representantes está examinando como tais incidentes podem ser evitados no futuro”.

Acusação de deepfake partiu de Volkov

Segundo o The Verge, a primeira declaração pública que acusava o uso de deepfake partiu de Volkov. Ele atribuiu a pegadinha a Vovan e Lexus, mas sugeriu que eles usaram inteligência artificial. Parece meu rosto real – mas como eles conseguiram colocá-lo na chamada do Zoom?, escreveu em 22 de abril, em sua página no Facebook. Bem-vindos à era do deepfake”.

No dia seguinte, Rihards Kols seguiu na mesma linha e publicou um comunicado em seu nome e de seus conjunto com parlamentares de Letônia, Lituânia e Estônia. O texto apontava os riscos causados pelas “tecnologias de deepfake” e alegava que a pegadinha foi um “ataque direcionado aos críticos do Kremlin [como também é chamado o governo do presidente russo, Vladimir Putin]”.

A versão original deste texto indicava que os parlamentares foram enganados por deepfake. O post foi atualizado às 20h17 de sexta-feira (30) para informar que este caso não teve uso de inteligência artificial.

Com informações: NL Times.

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando