Início » Finanças » Clube de esports demite 1 e suspende 3 por divulgar golpe com criptomoedas

Clube de esports demite 1 e suspende 3 por divulgar golpe com criptomoedas

Clube de esports FaZe Clan demite Key e suspende Jarvis, Nikan e Teego por promover criptomoeda usada para golpe "pump and dump"

Por

A organização de esports FaZe Clan anunciou a demissão de seu membro Kay e a suspensão de Jarvis, Nikan e Teego por promoverem um golpe com criptomoedas através de suas redes sociais oficiais. Eles divulgaram a moeda digital “Save The Kids”, que prometia ser um “token social”, destinando verba para causas nobres.

FaZe Key é demitido do clube de esports após promover golpe com criptomoeda (Imagem: Sean Do/Unsplash)

FaZe Clan demite FaZe Key por promover golpe com criptomoeda (Imagem: Sean Do/Unsplash)

No caso, o esquema promovido envolvia a estratégia “pump and dump”, que consiste em adquirir muitas unidades de determinado ativo cujo preço está baixo, incentivar sua compra para um grande número de pessoas (geralmente através de influenciadores) para causar uma valorização relâmpago e então vender na alta. Essencialmente, os líderes do golpe e quem o divulga lucram muito, mas causam uma enorme desvalorização da criptomoeda, deixando todos os influenciados no prejuízo.

“Tomamos a decisão de remover Kay do FaZe Clan e suspendemos Jarvis, Nikan e Teeqo até a próxima avaliação”, diz o comunicado postado no Twitter oficial do clube de esports. A organização acrescenta que “não tem absolutamente nenhum envolvimento com a atividade de outros membros no setor de criptomoedas”.

Oficialmente, o FaZe Clan se posicionou veementemente contra o comportamento dos quatro membros envolvidos no dito esquema pump and dump e reiterou que a confiança dos fãs sempre será a prioridade da organização.

Membros promoveram golpe com “token social”

Kay, Jarvis, Nikan e Teeqo promoveram uma altcoin conhecida como “Save the Kids”, que foi lançada em junho. Esse token específico prometia aos usuários que uma fração dos lucros iria para instituições de caridade. Porém, o que realmente aconteceu foi um golpe que deixou várias pessoas no prejuízo.

Entende-se que todos os quatro membros do FaZe Clan foram contratados por uma empresa para promover a criptomoeda, mas apenas Kay se pronunciou sobre o assunto, sem falar abertamente sobre a divulgação. “Quero que todos saibam que não tive nenhuma má intenção de promover qualquer cripto altcoins”, disse ele através do Twitter. Admitindo também que não “examinou nada disso com a equipe da FaZe”.

Em tweets subsequentes, Kay chamou a si mesmo de “irresponsável” por falar publicamente sobre moedas sem aprender mais sobre elas. Ele também encorajou todos a serem mais cuidadosos antes de investir, observando que esse mercado é “extremamente complicado”.

A moeda “Save the Kids”, em particular, gerou alertas entre os fãs do FaZe Clan depois que o YouTuber OrdinaryGamer postou um vídeo intitulado “FaZe Clan e Ricegum devem ser investigados pelos federais”. Nele, o influenciador afirmou que qualquer busca mais profunda sobre o token demonstrava que se trata de um ativo perigoso.

Além de Kay, um dos fundadores do clube de esports, FaZe Banks, também foi associado a uma criptomoeda suspeita. Ele divulgou outro token no Twitter, chamado “BankSocial”, dizendo que realmente acreditava no potencial do ativo. Porém, após inúmeros questionamentos, ele deletou a publicação postada no final de maio e se defendeu, dizendo que nunca participou e nem participará de esquemas pump and dump.

Com informações: CoinDesk