Início » Antivírus e Segurança » Dona da CVC e da Submarino Viagens é alvo de ataque hacker

Dona da CVC e da Submarino Viagens é alvo de ataque hacker

Central de atendimento da CVC Corp, dona da CVC e da Submarino Viagens, está indisponível; companhia diz que reservas e embarques não foram afetados

Giovanni Santa Rosa Por

Mais uma empresa brasileira foi alvo de um ataque hacker. A vítima da vez é a CVC Corp, dona da CVC, da Submarino Viagens e da Experimento Intercâmbio Cultural. Uma ação contra os sistemas da empresa no último sábado (2) deixou o site da holding indisponível até o domingo (3). A central de atendimento continua indisponível.

Site da CVC
Site da CVC (Imagem: Reprodução/CVC)

A CVC Corp diz que as viagens e as reservas já feitas por clientes não foram afetadas. Os sites das marcas também continuaram funcionando.

Em um comunicado, a companhia diz ter ativado os protocolos de segurança e que está trabalhando para “mitigar os efeitos do ocorrido e preservar a continuidade de seus negócios”. A empresa também reforça que seu atendimento telefônico está temporariamente fora do ar.

Até o momento, não há mais detalhes sobre o tipo de ação de que a CVC Corp foi alvo — a empresa fala apenas em “ataque cibernético”.

Comunicado publicado no site da CVC
Comunicado publicado no site da CVC (Imagem: Reprodução/CVC)

Renner, Fleury e JBS sofreram ataques

A CVC Corp não é a primeira empresa a ter problemas com hackers. Nos últimos meses, várias companhias brasileiras foram alvos de ações desse tipo.

Em agosto, a Renner foi vítima de um ataque de ransomware que deixou seu site, seu aplicativo de e-commerce e os sistemas de suas lojas físicas fora do ar. Em explicação ao Procon, a companhia disse que a base de dados dos usuários não foi comprometida.

Antes dela, o Grupo Fleury, de laboratórios de exames médicos, também foi atacado com ransomware. Os responsáveis pela ação tentaram extorquir dinheiro da empresa e vazaram dados que supostamente seriam de clientes.

A JBS também foi atacada. As operações da empresa na Austrália, no Canadá e nos Estados Unidos tiveram que ser suspensas. A companhia, que é a maior processadora de carne bovina do mundo, teria desembolsado US$ 11 milhões para retomar o controle de seus sistemas.

No exterior, outro caso de destaque foi o da Colonial Pipeline, que administra oleodutos. A Costa Leste dos EUA enfrentou problemas de abastecimento de combustível por causa da interrupção nas atividades da companhia.

Ransomware vira questão de Estado

Os ataques de ransomware estão cada vez mais frequentes, e seus impactos se tornam mais graves a cada novo episódio. A questão ficou tão preocupante que o governo dos EUA tem se envolvido para tentar combater o problema.

O presidente dos EUA, Joe Biden, pretende fazer uma reunião com 30 países para debater o tema e encontrar formas de sufocar financeiramente e processar judicialmente grupos envolvidos em ações desse tipo.

O país também quer aplicar sanções para dificultar o uso de criptomoedas no pagamento de resgates. A situação é tão grave que o Departamento de Justiça dos EUA já avisou que vai tratar ataques de ransomware com o mesmo rigor que o terrorismo.

Com informações: Poder360

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
1 usuário participando